6 Investimentos financeiros de longo prazo para conhecer
6 Investimentos financeiros de longo prazo para conhecer

6 Investimentos financeiros de longo prazo para conhecer

Apostar em investimentos financeiros de longo prazo é essencial para quem deseja realizar seus objetivos futuros mais distantes. Afinal, todos nós temos desejos: seja ter uma boa qualidade de vida na terceira idade, um imóvel novo, uma viagem, dentre outros objetivos a realizar em alguns anos, certo?

Os investimentos de longo prazo são aqueles que devem ser planejados com objetivo de resgatar os lucros em cinco anos ou mais. Muitos dos produtos e ativos do mercado, inclusive, costumam ter prazos de maturação ainda maiores. É o caso das ações.

Mas, quais seriam as principais oportunidades disponíveis no mercado para quem deseja investir com foco no longo prazo? Responder a esta dúvida é um dos objetivos deste artigo.

Continue a leitura do post e confira 6 dos investimentos financeiros de longo prazo que você precisa conhecer!

O que são investimentos de longo prazo?

Antes de explicar sobre os investimentos, é importante esclarecer o que são os investimentos de longo prazo. No geral, é sempre indicado que investidores tenham aplicações para seus objetivos de curto, médio e longo prazo.

Os investimentos de curto prazo são aqueles que costumam fazer parte da carteira para atender metas e necessidades mais breves – geralmente em até 1 ano. Podem servir tanto para reserva de emergência quanto para desejos mais imediatos.

Os de médio prazo podem ser considerados aqueles que têm como intuito atender necessidades entre 2 e 4 anos – podendo ser feitos visando realizar planos nesse período.

E por fim, há os investimentos de longo prazo. Esses geralmente são escolhidos para objetivos com prazo superior a 5 anos. Em diversas situações, os períodos são ainda mais longos – como é o caso de investimentos visando a aposentadoria.

Essas aplicações de longo prazo podem também ajudar o investidor a realizar sonhos mais distantes – porém não tão longínquos, como um curso no exterior, compra de um imóvel, estudo dos filhos, entre outros.

Logo, são considerados investimentos de longo prazo aqueles que entram na sua carteira para atender a objetivos mais distantes – que exigem, muitas vezes, uma quantia financeira e um prazo de maturação maior.

Entendida essa questão, conheça agora 6 dos investimentos que podem fazer parte do seu portfólio visando o longo prazo:

6 Dos melhores investimentos de longo prazo

Para realizar seus objetivos de longo prazo, há oportunidades de investimentos tanto na renda fixa quanto na variável. É possível escolher apenas um investimento, mas também optar por diversificar a carteira – investindo em produtos e ativos diversos para o futuro.

Agora, confira 6 dos melhores investimentos para longo prazo que separamos para você e veja quais deles valem ou não a pena estarem presentes em seu portfólio:

1. Tesouro IPCA

O Tesouro IPCA é um dos títulos do Tesouro Nacional que pode ser encontrado na plataforma do Tesouro Direto. Essa alternativa de renda fixa costuma agradar principalmente investidores de perfil conservador, com maior intolerância a riscos.

Entretanto, investidores moderados e agressivos podem utilizar-se dessa modalidade para diversificar a carteira – especialmente para objetivos futuros.

Dentre todos os títulos disponíveis do Tesouro, o Tesouro IPCA costuma ser o mais indicado para investimentos de longo prazo – podendo ser, por exemplo, uma alternativa para a aposentadoria.

A rentabilidade dessa modalidade está atrelada ao IPCA. Ou seja, o investidor recebe, como rendimento, a inflação do período com o acréscimo de uma taxa de juros fixa definida no momento do aporte.

A ideia por trás do investimento é proteger seu dinheiro dos efeitos da inflação – garantindo um ganho real ao longo do tempo.

2. Fundos de Investimento Imobiliário

Os Fundos de Investimento Imobiliário (FIIs) são uma modalidade de investimento em fundos no qual o objetivo é investir em atividades do setor imobiliário.

Funciona como forma de condomínio, no qual os participantes adquirem uma ou mais cotas para participar do fundo. Assim, se tornam cotistas do FII e a remuneração de cada um é proporcional ao número de cotas que foram adquiridas.

Os FIIs contam com um gestor, que é a pessoa responsável por gerir os recursos financeiros de todos os participantes do fundo e, claro, buscar por boas rentabilidades a partir dos investimentos.

Há FIIs com diversos objetivos. Os mais comuns são aqueles que investem em empreendimentos imobiliários comerciais para locação. Dessa forma, geram renda passiva para os cotistas a partir do lucro com os aluguéis.

Esse investimento de renda variável apresenta certos riscos, podendo não agradar investidores conservadores. Além disso, não possui a garantia do Fundo Garantidor de Crédito (FGC). Por isso, para investir em FIIs, é importante levar em consideração seu perfil de investidor.

É importante se atentar às taxas e à tributação do fundo, pois isso também influencia na rentabilidade do investimento.

3. Fundo de Investimento em Ações

Outro tipo de fundo que pode ser interessante para o longo prazo são os Fundos de Investimento em Ações. O funcionamento dele é semelhante ao dos FIIs e de outras modalidades de fundo.

Essa alternativa pode ser interessante para aqueles que desejam investir em empresas negociadas na Bolsa de Valores, mas não sabem como montar uma carteira de ações escolhendo ativo por ativo. Ou, ainda, que não dispõem de tempo para avaliar ações individualmente.

Nos fundos de ações, a maior parte da carteira precisa ser composta por ações de empresas, cotas de outros fundos de ações, cotas de fundos de índices de ações, BDRs, bônus ou recibos de subscrição, certificado de depósito de ações e até outros ativos de renda variável.

Os fundos de ações também não possuem garantia do FGC e podem exigir a cobrança de algumas taxas, além da incidência de impostos. E, por se tratar de renda variável, têm maiores riscos.

4. Ações

Investir em ações na Bolsa de Valores também podem ser uma alternativa para quem investe objetivando o longo prazo. Esta pode, inclusive, ser uma opção interessante para quem deseja fazer investimentos com objetivo de aposentadoria.

Ações são pequenas partes de uma companhia que abriu seu capital na bolsa. Logo, quem compra ações se torna um acionista – dono de uma pequena parte dessa empresa.

Os sócios destas companhias conquistam, por sua vez, o direito de receber lucros proporcionais à sua participação no negócio. Este tipo de investimento para longo prazo pode ser bastante adequado para investidores com maior tolerância a riscos – graças às oscilações da renda variável.

Por outro lado, o investimento em ações oferece um grande potencial de ganhos. Seja com a valorização dos ativos no longo prazo ou com o recebimento de proventos – como os dividendos e juros sobre capital próprio.

Para aumentar as chances de obter bons resultados com os investimentos em ações, invista em ativos de boas organizações na bolsa de valores.

5. Previdência Privada

Outro investimento de longo prazo que pode ser útil para montar sua aposentadoria e não depender apenas do benefício previdenciário do INSS é a Previdência Privada.

Este, inclusive, pode ser um dos investimentos mais conhecidos pela população, juntamente com as ações.

Investir em uma Previdência Privada costuma ser simples. Há duas modalidades de Previdência Privada – pelas quais o investidor pode optar:

  • Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL): indicado para indivíduos que realizam a declaração simplificada do Imposto de Renda (IR);
  • Plano Gerador de Benefício Definido (PGBL): indicado para pessoas que fazem a declaração anual completa do Imposto de Renda (IR).

Independente da sua opção, é preciso saber que, em ambas, existem duas fases principais. A primeira fase é a de acumulação – na qual o investidor faz seus aportes constantes para juntar uma determinada quantia.

Já a segunda fase ocorre quando o valor investido para aposentadoria pode ser utilizado – na chamada fase de usufruto.

A desvantagem em relação à Previdência Privada pode estar na cobrança de taxas de administração, que podem ser altas, além da baixa rentabilidade em alguns planos. Por esse motivo, é necessário escolher com cautela o plano e a instituição financeira antes de fazer sua escolha.

6. Debêntures

Por fim, as debêntures são títulos de dívida que uma empresa emite para conseguir fundos para os mais diversos fins – especialmente relacionados à expansão e novos projetos. É como se o investidor emprestasse dinheiro para um negócio.

Trata-se de um título de renda fixa, embora haja maiores riscos por se tratar de títulos privados. Há debêntures com vencimentos mais curtos, mas é possível encontrar no mercado debêntures com prazo de vencimento superior a cinco anos.

As debêntures só podem ser emitidas por empresas do tipo Sociedade Anônima (S.A). Esse investimento costuma apresentar boa liquidez, mas há – como já falamos – certos riscos.

Um deles é o risco de a empresa não pagar o que lhe deve ou falir, por exemplo. Além disso, esse investimento não tem garantia do FGC.

Entre os principais tipos de debêntures disponíveis no mercado vale a pena destacar as debêntures conversíveis – que podem ser convertidas em ações da empresa no vencimento ou em outro prazo acordado – e as debêntures incentivadas. Estas últimas são isentas de Imposto de Renda.

Como escolher o melhor investimento de longo prazo?

Depois de conhecer esses 6 investimentos de longo prazo, pode ser difícil, em um primeiro momento, identificar qual deles é mais adequado para a sua carteira.

Neste caso, vale a pena destacar que não existe o melhor investimento, mas sim aquele que se adequa melhor ao seu perfil e objetivos futuros. Inclusive, é possível ter mais de um tipo de investimento de longo prazo no seu portfólio.

Antes de fazer sua escolha, portanto, considere as oportunidades disponíveis no mercado, seu perfil e seus objetivos futuros. E, em caso de dúvidas, não deixe de contar com a ajuda de especialistas para escolher o investimento ideal para você!

Gostou deste artigo? Confira agora o que é, como funciona e por que contratar um seguro resgatável pode ser interessante para você!

Deixe uma resposta