Oferta secundária de ações- o que é e como funciona
Oferta secundária de ações- o que é e como funciona

Oferta secundária de ações: o que é e como funciona?

Quem investe em renda variável talvez já esteja habituado com a oferta pública inicial (IPO). Afinal, todos os anos diversas empresas abrem o seu capital por meio dos IPOs no mercado de capitais. Mas, você já viu o anúncio de uma oferta secundária de ações?

Apesar de possuir algumas características semelhantes com o IPO, é muito importante o investidor saber como diferenciá-las. Isso porque cada uma delas possui regras específicas e acontecem em momentos diferentes de uma empresa.

Se você quer aumentar seus conhecimentos sobre bolsa de valores e apreender o que é uma oferta secundária de ações para identificar boas oportunidades de investimento, acompanhe este artigo até final!

O que é uma oferta secundária de ações?

A oferta secundária de ações – ou follow on – é um procedimento que objetiva aumentar o número de ações de uma companhia listada na bolsa de valores. Nesse sentido, sua ocorrência é restrita às empresas que já estejam com o capital aberto e tenham lançado um IPO anteriormente.

Logo, quando uma companhia possui uma quantidade de ações negociadas na bolsa, mas deseja aumentar esse número, poderá se valer do follow on. Com o avanço na quantidade de ações em circulação a liquidez dos papéis aumenta, tornando mais fácil negociá-los.

Um dos motivos mais recorrentes para que uma empresa faça a oferta secundária de ações é a necessidade de captação de recursos. Essa é uma das formas que as companhias têm de levantar recursos para financiar suas operações, projetos e lançamentos sem precisar se endividar.

Fora essa possibilidade, a oferta secundária de ações também pode ser realizada quando os sócios majoritários querem vender uma parte dos seus papéis ou mesmo encerrar sua participação na companhia. Assim, as ações que pertencem a eles são disponibilizadas no mercado.

Como ela funciona?

Agora que você já sabe o que é uma oferta secundária de ações, vale a pena conhecer o seu funcionamento. Há duas principais formas de se fazer o follow on: a oferta pública ou a restrita (privada). Cada uma delas atende a um público específico.

Quando a oferta é pública, qualquer investidor pode participar da negociação. Portanto, a companhia emite novas ações e a distribuição é feita na bolsa de valores. Assim, os interessados podem, através de um banco de investimentos, reservar e comprar a quantidade que desejam.

Caso a oferta seja restrita, apenas os investidores qualificados convidados poderão adquirir os papéis. O procedimento deve seguir a Instrução n.º 476/2009 da CVM (Comissão de Valores Mobiliários) e apresenta um pouco mais de simplicidade.

Seja para lançar uma oferta pública ou restrita, a companhia deverá votar questão em uma assembleia geral. Na sequência, precisará seguir as regras da CMV, abrindo o período de reserva e divulgando o prospecto.

Durante o período de reserva o investidor interessado precisa avisar ao seu banco de investimentos a quantidade de ações que deseja – ou o montante que está disposto a investir naquela oferta. Finalizado o prazo, o preço dos papeis é determinado e as negociações são realizadas.

Quais as diferenças entre a oferta primária e a secundária de ações?

Embora possam ter objetivos parecidos, a oferta secundária de ações (follow on) não pode ser confundida com a oferta primaria de ações (IPO). Como você viu, há diferenças – e uma das principais está no momento da realização das ofertas.

O IPO acontece assim que a empresa abre o capital na bolsa, isto é, quando emite ações pela primeira vez. O follow on, por sua vez, acontece quando a empresa já possui ações em negociação e deseja aumentar a quantidade — fazendo a emissão pela segunda vez.

Outra diferença diz respeito ao modo de oferta. Isso porque, no IPO, não há como restringir o acesso dos investidores, considerando que a oferta sempre será pública. Já no follow on, existe a possibilidade de a oferta ser restrita e alcançar apenas os investidores que empresa convidar.

Quais as vantagens da oferta secundária de ações para o investidor?

Você, como investidor, deve estar sempre atento às notícias de ofertas secundárias de ações. Isso porque uma das principais vantagens que um follow on traz é o aumento de liquidez das ações companhia. Logo, pode ficar mais fácil comprar ou vender esses ativos.

Além disso, geralmente quando uma empresa anuncia um follow on a volatilidade dos seus papéis avança. Essa pode ser uma janela de oportunidades tanto para o especulador quanto para o investidor – que poderá comprar ações a um preço menor.

Também é uma oportunidade para o acionista estudar sua posição em relação às ações da empresa. Você pode verificar se deseja manter, encerrar ou aumentar sua posição acionária, por exemplo. É preciso considerar se, com o follow on, os objetivos da empresa continuam alinhados aos seus.

Portanto, seja para investir ou especular em ações, é pertinente fazer uma análise para identificar oportunidades oferecidas em um follow on. Assim, você pode saber se elas atendem às suas expectativas dentro do mercado de ações.

Como participar da oferta secundária de ações?

Depois de conhecer o que é uma oferta secundária de ações, como ela funciona e algumas de suas vantagens, talvez você esteja se perguntando como participar. A boa notícia é que o processo não é difícil.

Para participar de um follow on o investidor precisará, primeiramente, ter uma conta em um banco de investimentos. A instituição será a responsável por intermediar a negociação de ações na bolsa de valores.

Na sequência, será preciso conferir o prospecto emitido pela companhia. Essa etapa não pode ser negligenciada, pois você terá, a partir desse documento, acesso a informações importantes sobre a empresa – como a quantidade de ações que serão disponibilizadas, o preço etc.

Se, depois de considerar os pontos positivos e negativos, você decidir participar do follow on, deverá fazer a reserva junto ao seu banco de investimento. Fique atento ao período de reserva, anunciado no cronograma da oferta.

Encerrado o período de reserva, as negociações são realizadas. Na hipótese de existir uma quantidade de demanda superior à oferta, é realizado um rateio. Nesse cenário, os papéis serão divididos entre os interessados que fizeram a reserva — de maneira proporcional ao montante reservado.

Como você viu, a oferta secundária de ações, ou follow on, não se confunde com IPO. Além disso, o mecanismo pode representar uma boa oportunidade de negociar ações de uma empresa que já possui o capital aberto.

No entanto, não esqueça de considerar o seu perfil e objetivos antes de tomar a decisão. Assim, se tornará mais fácil identificar se ofertas secundárias — ou a própria bolsa —estão alinhadas às suas metas pessoais.

Gostou do conteúdo? Confira também mais sobre o que é IPO!

Compartilhe:

Deixe uma resposta


Utilizamos cookies que melhoram a sua experiência em nosso site. Todos seguem as regras da nossa Politica de Privacidade. Clicando em "OK" você concorda com a nossa política.