Antes de começar a investir na bolsa de valores brasileira, a B3, é preciso conhecer termos importantes desse ambiente de negociação. Um desses conceitos é o ticker na bolsa, essencial em todas as negociações realizadas pelos investidores.

Além de entender o que esse código representa, é necessário saber como funciona e como analisá-lo corretamente. Assim, você poderá realizar operações com mais segurança, de acordo com os objetivos da sua estratégia.

Quer descobrir o que é o ticker na bolsa e como ele funciona? Continue a leitura e saiba mais!

O que é o ticker na bolsa?

Na hora de consultar ou negociar um ativo ou derivativo na bolsa de valores, é preciso observar o ticker. Ele consiste em um código de referência ou de identificação, utilizado para os diferentes ativos ou derivativos disponíveis nesse ambiente.

Desse modo, ele pode ser definido como nome do instrumento financeiro, criado de forma única para cada alternativa que está sendo negociada na bolsa.

Como funciona o ticker?

Como você viu, o ticker na bolsa de valores funciona como uma sequência de letras e números, que nomeia um ativo ou derivativo financeiro. Normalmente, a sequência é de 3 ou 4 letras e ela pode ter 1, 2 ou 3 números na sequência.

À exceção dos códigos dos contratos futuros, que são padronizados pela própria B3, as empresas e os fundos costumam escolher a sequência de letras que será usada na negociação. A companhia Meliuz, por exemplo, optou pela sequência “CASH”, por ser uma empresa de cashback.

Para que serve o ticker na bolsa?

A principal função do ticker é identificar os ativos de maneira única durante as negociações. Assim, cada tipo de ação, por exemplo, terá um código específico. O mesmo vale para fundos com cotas negociadas na bolsa e derivativos dos diferentes ambientes da B3.

Dessa maneira, não há riscos de um investidor ter a intenção de comprar uma ação preferencial e se confundir com ações ordinárias com o mesmo código. Logo, ele serve para facilitar a identificação, a escolha e a negociação dos ativos e derivativos.

Como é composto cada ticker da bolsa?

Apesar de o ticker ser uma sequência de letras e números, cada ativo e derivativo tem características específicas. Por isso, a seguir você entenderá como cada tipo de ticker é composto e como eles funcionam.

Confira!


INVISTA EM AÇÕES COM A PLANILHA DE ANÁLISE FUNDAMENTALISTA Invista em ações


Ações

Na bolsa de valores, há dois tipos principais de ações: a ação preferencial (PN) e a ação ordinária (ON). Cada uma tem um ticker de identificação, sendo que a variação principal é identificada em seu algarismo do final.

No mercado de ações, os tickers são formados por 4 letras seguidas por um ou dois números, que identifica o tipo de ativo. Veja quais são:

  • 1: direito de subscrição de ações ordinárias;
  • 2: direito de subscrição de ações preferenciais;
  • 3: ações ordinárias;
  • 4: ações preferenciais;
  • 5 a 8: ações preferenciais de classe A, B, C ou D;
  • 9: recibo de subscrição de ações ordinárias;
  • 10: recibo de subscrição de ações preferenciais;
  • 11: units.

Assim, a ação PETR4 é a preferencial da Petrobras, enquanto a PETR3 é a ação ordinária da companhia. Já o código BIDI11 faz referência às units do Banco Inter, por exemplo.



Ainda, se houver um “F” ao final, significa que a negociação faz parte do mercado fracionário. Logo, não se trata de um lote padrão de ações.

ETFs

Os fundos de índice ou exchange traded funds (ETFs) também têm cotas negociadas na bolsa de valores e, por isso, é importante conhecer seus tickers. Nesse caso, eles são compostos por 4 letras seguidas pelo número 11.

Na prática, são parecidos com as units, mas a sequência de 4 letras ajuda a identificá-los. O IBOB11, por exemplo, é um ETF do Ibovespa, enquanto o ESG11 é um fundo que espelha o índice de sustentabilidade.

FIIs

Os fundos de investimento imobiliário (FII), assim como os ETFs, têm cotas negociadas na bolsa e utilizam o código 11 ao final do ticker. Note que não há diferenças nos códigos para fundos imobiliários de papel, de tijolo ou de fundos.

Um exemplo de FII negociado na B3 é o BCFF11, um fundo imobiliário cuja estratégia é investir em cotas de outros FIIs.

BDRs

O brazilian depositary receipt (BDR) é o certificado de depósito de valores mobiliários. Eles são lastreados em ativos internacionais, como ações, ETFs ou títulos de dívida.  Geralmente, são identificados por um código de 4 letras mais o número 34 ao final.

Porém, os BDRs de nível II usam o 32 e os de nível III usam o 33. O ticker AAPL34, por exemplo, faz referência ao BDR da Apple. Ainda, o BDR pode contar como código 39, utilizado especificamente para os certificados de ETFs.

Mercado futuro

Além do mercado à vista, a bolsa de valores tem outros ambientes de negociação, como o mercado futuro. Nele, são negociados os contratos futuros, que são classificados como derivativos.

Nesse caso, o ticker apresenta três letras iniciais que indicam o tipo de contrato futuro. Entre as sequências utilizadas, estão:

  • IND: Ibovespa;
  • WIN: mini Ibovespa;
  • DI1: taxa DI;
  • DDI: taxa Selic;
  • DOL: dólar;
  • WDO: mini dólar;
  • EUR: euro;
  • GBR: libra esterlina;
  • BGI: boi gordo;
  • CCM: milho;
  • ICF: café;
  • SFI: soja;
  • ISU: açúcar;
  • OZ1: ouro e outros.

Em seguida, ele é formado por uma letra que aponta para o mês de vencimento do contrato. Veja quais são as equivalências:

  • F: janeiro;
  • G: fevereiro;
  • H: março;
  • J: abril;
  • K: maio;
  • M: junho;
  • N: julho;
  • Q: agosto;
  • U: setembro;
  • V: outubro;
  • X: novembro;
  • Z: dezembro.

Por fim, há o ano de vencimento do contrato. Então, um ticker do mercado futuro tem 6 dígitos, numa sequência com 4 letras e dois números. Se o ticker for WDOZ21, por exemplo, ele se refere a um contrato de mini dólar com vencimento em dezembro de 2021.

Por que é importante conhecer o funcionamento do ticker?

Para quem investe na bolsa de valores, conhecer o funcionamento do ticker e o significado de cada elemento é essencial para realiza operações. Ao saber qual é o ticker do ativo ou derivativo desejado, você poderá pesquisá-lo no home broker e conferir as informações.

Nesse cenário, conhecer o ticker é importante para ter segurança, pois evita erros no momento da negociação. Portanto, embora não seja necessário decorar as informações, deve-se consultá-las para identificar corretamente os ativos ou derivativos de interesse.

Agora que já sabe o que é o ticker na bolsa e para que ele serve, tenha atenção a esse código antes de fazer uma negociação. Assim, você terá a certeza de selecionar a alternativa correta para concretizar a operação.

Para operar na bolsa de valores, você precisa usar os recursos certos. Por isso, veja como escolher o home broker para acessar esse ambiente de negociações!~;