Apesar de a caderneta de poupança ser um investimento muito popular, ela não costuma ser a melhor opção para o investidor. Logo, buscar investimentos melhores que a poupança é essencial para compor sua carteira.

Isso porque a caderneta tem um rendimento mais baixo e é frequente que ela perca para a inflação. Assim, há formas de alocar seus recursos com maior capacidade de retorno, e também com vantagens como segurança e praticidade.

O mercado financeiro apresenta alternativas voltadas para todo tipo de investidor e os respectivos níveis de tolerância ao risco. Quer conhecer opções melhores que a poupança? Continue a leitura e veja 7 investimentos para considerar!

1. Títulos públicos

Caso o seu objetivo seja investir em renda fixa, mas ganhar acima dos juros da poupança, a aplicação em títulos públicos pode ser uma boa alternativa. Eles são emitidos pelo Tesouro Nacional e servem para o Governo Federal captar recursos para financiar diversos programas.

Os títulos são negociados na plataforma conhecida como Tesouro Direto e há três tipos principais:

  • Tesouro Prefixado: tem rendimento fixo, definido antes da realização do investimento;
  • Tesouro Selic: é o título pós-fixado, com retorno atrelado à taxa Selic;
  • Tesouro IPCA: tem rendimento híbrido, formado por uma parte prefixada somada à variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que é o índice de inflação.

Além de renderem mais que a poupança, eles são considerados os investimentos mais seguros do mercado. E todos os títulos públicos têm liquidez diária. Contudo, como são vendidos pelo preço de mercado do dia, há risco de perda no resgate antecipado do Tesouro Prefixado e do Tesouro IPCA.

2. CDB

Outra opção de investimento para superar o rendimento da poupança é o certificado de depósito bancário (CDB). Ele é emitido por instituições financeiras que o utilizam para captar recursos para suas operações.

O retorno do CDB também pode ser prefixado, pós-fixado ou híbrido. No caso de CDBs pós-fixados, o desempenho costuma ser dado por uma porcentagem do Certificado de Depósito Interbancário (CDI). Esse índice acompanha a Selic, ficando pouco abaixo dela.

O CDB pode ter rendimentos maiores que a poupança, e a segurança é a mesma da caderneta. Isso porque ambos são protegidos pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC). O limite é de R$ 250 mil por CPF e instituição, com um limite global de R$ 1 milhão que é renovável a cada 4 anos.

Em relação ao resgate, existem CDBs com liquidez diária e opções menos líquidas. O prazo de vencimento também varia.

3. LCI e LCA

As letras de crédito imobiliário (LCI) e do agronegócio (LCA) são voltadas para a captação de recursos para esses setores. Em termos de retorno e segurança, elas são semelhantes aos CDBs. A diferença principal é que LCIs e LCAs são isentas de Imposto de Renda.

Isso as coloca entre os investimentos potencialmente melhores que a poupança. Além de ter a mesma vantagem de isenção, costumam oferecer um potencial de retorno acima da caderneta. Por outro lado, a liquidez costuma ser menor, então é preciso avaliar a aplicação.

INVESTIR FORA DO BRASIL? DESCUBRA COMO

INVESTIR FORA DO BRASIL? DESCUBRA COMO

Aprenda a como investir no exterior de forma prática

4. Debêntures

Se você quiser obter um desempenho mais elevado, sem deixar de investir na renda fixa, os títulos do crédito privado também podem ser melhores investimentos que a poupança. Entre as opções, estão as debêntures.

Elas são títulos de dívidas emitidos por empresas. Quanto à segurança, são investimentos de risco um pouco maior, porque não há garantia do FGC. Porém, devido à relação entre risco e retorno, os juros oferecidos também são mais altos.

As debêntures incentivadas se destacam por serem isentas de Imposto de Renda, o que aumenta a rentabilidade líquida.

5. CRI e CRA

Ainda como parte do crédito privado, existem os certificados de recebíveis imobiliários (CRI) e do agronegócio (CRA). Eles são emitidos por securitizadoras e estão relacionados a esses segmentos, apresentando a vantagem de isenção de IR.

A rentabilidade dos investimentos desse tipo tende a ser maior, também por conta do risco mais alto. Afinal, as aplicações não têm cobertura do FGC. Em relação à liquidez, o CRI e o CRA — assim como as debêntures — tendem a ter um prazo mais longo para o resgate.

6. Ações

Entre os investimentos que são melhores que a poupança não existem apenas as opções de renda fixa. Se você tiver maior abertura ao risco, é possível investir na renda variável e buscar maior potencial de retorno.

Entre as oportunidades, existe o investimento em ações. Esses papéis são pequenas partes do capital social de uma empresa e comprá-los permite ter participação nos resultados do negócio — assumindo também os riscos de desvalorização.

Uma das vantagens desse tipo de investimento é a chance de obter rendimento de diversos modos. Além da venda por um preço maior que a compra, você pode receber proventos e realizar outras operações para obter ganhos, como o aluguel de ações.

7. Fundos de investimento

Já os fundos de investimento funcionam de maneira coletiva e dependem da aquisição de cotas de participação. Os recursos são movimentados por um gestor profissional, que faz a alocação de acordo com a estratégia.

Entre os tipos, existem fundos de renda fixa e de renda variável. Os fundos referenciados DI, por exemplo, priorizam o investimento em Tesouro Selic e têm alta liquidez.

Na renda variável, há fundos de ações, fundos imobiliários, fundos internacionais e outros. Como cada alternativa tem níveis específicos de riscos, é possível avaliar várias delas e selecionar aquelas mais adequadas para você.

Como saber onde investir para render mais?

Depois de conhecer esses 7 investimentos, é preciso saber como escolhê-los. Nesse caso, comece identificando seu perfil de investidor e seus objetivos financeiros. Investidores conservadores, por exemplo, priorizam aplicações de renda fixa semelhantes à poupança.

Em relação aos objetivos, fique atento aos prazos e as características necessárias. Se o objetivo for alocar a reserva de emergência, por exemplo, será necessário unir segurança e liquidez. Já se quiser investir no longo prazo, pode ser interessante correr mais riscos.

De qualquer modo, a decisão é individual. Ao escolher, lembre-se de que diversificar a carteira de investimento ajuda a diluir riscos e potencializar resultados. Logo, é importante fazer escolhas diversas para montar um bom conjunto de investimentos.

Agora que você conhece essas 7 alternativas de investimentos melhores que a poupança, avalie com critério cada uma e considere suas características. Assim, é possível montar um portfólio que faça sentido para você — e que tenha mais retorno que a poupança.

Se quiser ajuda para conhecer as oportunidades do mercado, entre em contato conosco da Renova Invest e aproveite nossa assessoria de investimentos!