Você sabia que as alternativas para investir em renda fixa não se limitam à aquisição de títulos públicos e privados? Também é possível investir via fundos de investimento, como é o caso dos fundos DI.

Essa modalidade pode auxiliar na conquista de objetivos específicos, como rentabilizar recursos com alta liquidez. Ao mesmo tempo, ela tem outras características que devem ser avaliadas para garantir uma decisão mais acertada.

Neste artigo, você conhecerá os fundos DI em detalhes e saberá quando vale a pena investir na alternativa. Confira!

O que é fundo DI?

Os fundos DI também são chamados de fundos de renda fixa referenciados DI. Eles são um tipo de fundos de investimento que fazem aportes, prioritariamente, em títulos de renda fixa.

Na prática, esses fundos têm como principal referência o índice DI, indicador baseado no desempenho dos certificados de depósitos interbancários (CDI). Como convenção, a sigla CDI também é usada para designar o índice de mercado.

Como funcionam os fundos DI?

Para entender os fundos DI é importante considerar os diferentes fundos disponíveis no mercado e o seu funcionamento. Nesse sentido, é necessário saber que um fundo é um veículo financeiro que opera como uma espécie de condomínio.

Assim, para investir, é preciso adquirir cotas de participação. Já os recursos alocados no fundo são movimentados por um gestor profissional, que faz os aportes conforme a estratégia adotada.

No caso do fundo DI, a maior parte dos investimentos é feita em títulos de renda fixa que acompanham a taxa CDI ou a Selic, que é a taxa básica de juros da economia. Logo, o objetivo é acompanhar ou superar o indicador de referência.

A seguir, veja outros pontos importantes sobre esse tipo de fundo e entenda melhor como ele funciona!

Rentabilidade

Os recursos do fundo são alocados em títulos públicos e privados pós-fixados, ou seja, atrelados a um indicador. Portanto, apesar de entender a lógica de rentabilidade, o retorno exato só é conhecimento no momento do resgate das cotas.

Liquidez

Os fundos DI apresentam liquidez diária, garantindo facilidade para converter o seu investimento em dinheiro. Também não há riscos de perdas financeiras no resgate, trazendo mais segurança ao investidor.

Tributação

Em relação à tributação, há cobrança de Imposto de Renda sobre o rendimento, seguindo a tabela regressiva. Assim, a alíquota varia entre 22,5% e 15%, dependendo do período de alocação. Além disso, o fundo DI tem incidência do come-cotas — uma antecipação semestral do tributo devido.


Quais são as vantagens dos fundos DI?

Agora que você conhece as características dos fundos DI, fica claro que um de seus pontos positivos é a segurança. Como o veículo investe a maior parte dos recursos em títulos públicos e privados da renda fixa, ele oferece mais garantias a respeito do retorno.

Outro benefício é a liquidez diária. É possível resgatar o dinheiro diariamente, o que pode torná-lo uma alternativa adequada para objetivos de curto prazo ou para a reserva de emergência, por exemplo.

Também vale destacar a vantagem em relação à diversificação da carteira de investimentos. O portfólio desse fundo é composto por diversos títulos e isso ajuda a diversificar a aplicação dos recursos.

Por fim, a alternativa proporciona praticidade. Afinal, as decisões sobre a alocação do fundo são tomadas pelo gestor profissional, conforme a estratégia definida.

Quais são as desvantagens desse tipo de fundo?

Para garantir uma decisão alinhada à sua estratégia, também é preciso considerar as desvantagens dos fundos DI. Aqui, um dos aspectos que devem ser considerados é que não há proteção do Fundo Garantidor de Crédito (FGC).

Porém, a maior parte dos títulos é considerada bastante segura, o que ajuda a reduzir os riscos existentes. Também é preciso considerar os custos envolvidos, pois eles afetam a rentabilidade real obtida.


Além dos descontos do Imposto de Renda, o cotista precisa arcar com os custos da taxa de administração. Portanto, é importante avaliar essas questões para garantir que o fundo escolhido se alinha às suas expectativas.

Quando vale a pena investir em fundo DI?

Além de ponderar pontos positivos e negativos, o investimento em fundos DI exige que você avalie as suas características. Pense, por exemplo, em qual é o seu perfil de investidor. Se for conservador, a alternativa permite diversificar o portfólio sem correr tanto risco.

Se for arrojado ou moderado, pode ser uma forma de equilibrar o risco do portfólio. Também é preciso ponderar seus objetivos financeiros. Se a intenção for construir um patrimônio, outras opções de investimento (incluindo aquelas que oferecem maiores riscos) podem ser mais interessantes.

Caso deseje aplicar a sua reserva de emergência, por outro lado, essa pode ser uma boa escolha. Portanto, para saber se vale a pena investir em um fundo DI, é preciso analisar tanto o veículo de investimento quanto as suas necessidades como investidor.

É melhor investir em fundo DI ou Tesouro Selic?

Ao tratar de fundos DI, também é comum pensar na comparação do veículo com o Tesouro Selic. Nesse caso, a decisão sobre o melhor investimento também dependerá de suas características.

O Tesouro Selic também proporciona liquidez diária e tem um retorno atrelado à taxa Selic. Ainda, tem a segurança do Tesouro Nacional. Assim, a escolha depende de cada investidor. Inclusive, é possível ter ambas as opções na carteira, dependendo dos seus objetivos.

Outra possibilidade é aplicar no Tesouro Selic de modo coletivo. Para tanto, você tem a chance de escolher fundos com essa característica — como o Tesouro Selic Simples, do BTG Pactual digital.

Como investir em fundos DI?

Caso você tenha interesse em investir em fundos DI, o primeiro passo é abrir uma conta em um banco de investimentos. Dessa forma, você terá acesso à plataforma de investimento para avaliar as alternativas do mercado financeiro.

Com a conta criada, verifique quais são as oportunidades disponíveis na plataforma da instituição. Nesse momento, avalie com cuidado as informações do fundo, como taxas e estratégia de alocação, para que não restem dúvidas sobre o aporte.

Depois, você só precisa transferir os recursos para a sua conta no banco de investimentos e adquirir a quantidade desejada de cotas. Quando precisar fazer o resgate, solicite junto ao banco de investimentos e aguarde o depósito.

Além disso, caso tenha dúvidas sobre esse fundo, vale a pena buscar o apoio de uma assessoria de investimentos. Assim, você poderá esclarecer pontos sobre esses e outros investimentos e conhecer melhor outras oportunidades para tomar uma decisão mais informada.

Com essas informações, agora você conhece os fundos DI e como eles funcionam. Desse modo, é possível avaliar se a alternativa se alinha às suas necessidades. Porém, não se esqueça de que também existem outras possibilidades na renda fixa e na renda variável, caso tenha maior tolerância aos riscos.

Se quiser investir com foco em horizontes mais próximos, conheça 5 investimentos de curto prazo e saiba como funcionam!