Analisar os fundamentos de uma empresa é essencial para quem deseja tomar uma boa decisão de investimento para o longo prazo. Com os indicadores fundamentalistas mais importantes, você poderá fazer análises completas sobre diferentes companhias.

Baseado nos resultados é possível encontrar as melhores oportunidades, entender a perspectiva da empresa para o futuro e se aprofundar no negócio antes de investir. Assim, você tem maiores chances de fazer compras de Ações mais sólidas para o longo prazo.

A seguir, veja quais são 6 indicadores indispensáveis e saiba como usá-los!

1. Lucro por Ação

Conhecido como LPA, o lucro por Ação auxilia a entender o desempenho do negócio em relação ao volume de Ações. Ele também pode ser usado para encontrar o P/L, que é o preço da Ação dividido pelo LPA.

O lucro por Ação é dado por:

LPA = Lucro líquido / Total de Ações em circulação

Imagine que uma empresa teve R$ 50 milhões de lucro líquido e tem 10 milhões de Ações no mercado. Então, o LPA é de R$ 5,00.

No geral, um valor maior é desejável, pois indica uma capacidade elevada de ganhos. Se houver distribuição de dividendos, por exemplo, há um potencial mais alto para compartilhar com os investidores em proventos.

Porém, é preciso considerar o contexto. Por exemplo, o LPA de uma empresa pode ser mais alto por ter um número pequeno de Ações em circulação.

2. P/VPA

O P/VPA é o preço por valor patrimonial por Ação. Primeiramente, é preciso entender que o VPA é dado pela relação entre patrimônio líquido e número de Ações no mercado.

A partir disso, a fórmula do preço pelo valor patrimonial é dada por:

P/VPA = Preço da Ação / Valor Patrimonial por Ação

Em boa parte dos casos, valores menores desse indicador são considerados vantajosos. Isso porque eles representam que a cotação da Ação está abaixo do seu potencial patrimonial. Contudo, é preciso ter atenção a outros indicadores, porque a análise isolada pode causar dúvidas.

3. Fluxo de caixa líquido

O fluxo de caixa líquido é um dos indicadores fundamentalistas mais importantes porque está relacionado à saúde financeira da empresa. Um dos motivos da relevância dele é porque é comum que as companhias financiem parte das suas vendas, como ao oferecer pagamento a prazo.

Por isso, o lucro não é, necessariamente, o dinheiro disponível em caixa. Nesse caso, normalmente, os prazos de recebimento são menores que os de pagamento para os fornecedores. Assim, se não houver um fluxo adequado, a empresa pode se ver diante da necessidade de solicitar empréstimos, por exemplo.

Em resumo, o fluxo de caixa líquido serve para informar quanto dinheiro realmente entrou no negócio em determinado momento.

O cálculo pode ser dado por:

Fluxo de caixa líquido = (Pagamentos – Recebimentos no período) + Saldo inicial de caixa

Se o valor for positivo, significa que a empresa possui capacidade de gerar caixa de forma líquida. Um valor negativo, por outro lado, indica a falta de recursos e pode demonstrar a possibilidade de problemas financeiros.

4. EV/EBITDA

O EV/EBITDA considera duas variáveis importantes. A primeira é o Enterprise Value ou Valor de Firma. Ele é dado pela soma do valor de mercado ao valor das dívidas do negócio menos o caixa.

Já o EBITDA é o lucro antes do desconto dos juros, dos impostos, da depreciação e da amortização. O indicador é próximo ao lucro operacional.

Então, o EV/EBTIDA é calculado da seguinte maneira:

EV/EBITDA = Valor da firma / Resultado EBITDA dos últimos 12 meses

O resultado, geralmente, é positivo e ajuda a entender a saúde financeira da empresa. Para interpretar, é importante considerar outros indicadores. Se ele for muito elevado, por exemplo, vale observar se isso é causado pelo EV alto ou se é por causa do EBITDA mais baixo.

O maior benefício de usar esse indicador é a capacidade de adotá-lo para benchmark de empreendimentos com estruturas diferentes. É possível, até mesmo, comparar negócios de países distintos, por não considerar a incidência de impostos.

5. Dívida líquida sobre Patrimônio Líquido

Conhecer o comprometimento do dinheiro de uma empresa também é essencial para saber seu grau de saúde financeira. Além disso, a informação pode indicar o seu potencial no longo prazo.

Nesse sentido, o fundamento dívida líquida sobre patrimônio líquido se destaca. Ele ajuda a avaliar o endividamento do negócio em relação ao valor consolidado em seu balanço.

A dívida líquida pode ser calculada pela soma de todas as solicitações de crédito, como os financiamentos, menos o caixa.

A equação é dada por:

Dívida líquida sobre patrimônio líquido = (Dívidas – Caixa) / (Ativos – Dívidas)

Por exemplo, se um negócio tiver R$ 200 milhões de patrimônio líquido e R$ 100 milhões de dívida líquida, o indicador tem o valor de 0,5. Quanto maior for o resultado, mais preocupante pode ser a situação do negócio.

Afinal, ele só aumentará por dois motivos: grande volume de dívidas ou baixo patrimônio. Ambos aumentam o risco de investimento em Ações da companhia.

Quando o indicador está abaixo de 1, significa que a empresa tem dívidas líquidas menores que o seu patrimônio. Assim, o grau de endividamento é menor e há maiores possibilidades de pagamento.

6. ROE

O Return on Equity é o Retorno sobre Patrimônio Líquido. Ele é considerado um dos indicadores fundamentalistas mais importantes para a sua análise no mercado financeiro. O ROE serve para indicar o quanto a empresa é capaz de gerar de lucro líquido, em relação ao seu patrimônio.

O cálculo é o seguinte:

ROE = Lucro líquido / Patrimônio líquido

O indicador serve, principalmente, para duas abordagens na análise. A primeira é que quanto maior ele for, melhor tende a ser capacidade do negócio. Porém, é preciso ter atenção porque isso pode estar associado a um patrimônio pequeno.

Além disso, é possível utilizar o ROE para comparar empresas — mas é importante que sejam do mesmo setor. Tendo em mente as outras características, há como encontrar a companhia com maior capacidade de geração de resultados, por exemplo.

Com a ajuda dos indicadores fundamentalistas mais importantes, você tem a chance de avaliar as oportunidades de investimento. Assim, torna-se viável escolher aquelas que são mais condizentes com seu perfil e seus objetivos!

Para reforçar os seus conhecimentos, veja 5 livros de investimento para quem deseja começar no mercado financeiro.