dívida liquida
dívida liquida

Dívida líquida: o que é e como calcular?

Conhecer a saúde financeira de um negócio é importante tanto para empreendedores quanto para investidores. Nessa hora, entender o conceito de dívida líquida pode fazer a diferença.

Afinal, ele trata de um ponto fundamental para qualquer organização: sua capacidade de manter os processos em pleno funcionamento. Para saber como calcular a dívida líquida, é preciso entender como ela funciona e qual sua importância.

Todos esses pontos serão abordados neste conteúdo, além de outras informações capazes de amparar a análise e construção do seu portfólio financeiro!

Sendo assim, caso deseje saber mais sobre a dívida líquida, continue a leitura!

O que é dívida líquida?

O termo dívida tende a ser assustador para muitas pessoas. Contudo, no caso das empresas, não precisa ser assim. Afinal, em muitas situações, contar com o capital de terceiros para aprimorar os processos da companhia pode ser uma boa ideia.

Muitas organizações buscam por crédito para ampliar seu capital de giro. Elas também podem desejar alavancar seu crescimento, lançar um produto, ou dar prosseguimento a outras atividades, por exemplo.

Existem duas principais conceituações por trás das dívidas organizacionais: a dívida bruta e a dívida líquida. A primeira diz respeito à soma de todas as obrigações financeiras do negócio, incluindo o curto e o longo prazo.

Já a segunda, a dívida líquida, é um indicador que aponta o grau de endividamento de um negócio. Isso é feito em relação ao seu patrimônio. Ou seja, a diferença entre o que está disponível em caixa para quitar empréstimos e financiamentos, e o quanto, de fato, é devido.

Desse modo, entende-se que a dívida líquida se refere à soma do volume de empréstimos e financiamentos realizados para alcançar um determinado fim, subtraindo o caixa do negócio. Por ela, é possível analisar as condições de pagamento da empresa.

Como a dívida líquida funciona?

Agora você sabe que, para várias empresas, a captação de recursos com o intuito de financiar atividades é comum. O que você pode não saber, porém, é que esse fato isoladamente não faz com que uma corporação seja considerada endividada.

O termo dívida líquida entra em cena somente quando as disponibilidades financeiras da organização são incapazes de cobrir o valor recebido. Tal situação pode demonstrar um endividamento maior.

Portanto, é possível dizer que existe um limite a ser respeitado na hora de buscar por capital. Nesse sentido, é importante que os gestores realizem cálculos na tentativa de prever se o retorno do empréstimo será superior à quantidade tomada.

A mesma coisa pode ser dita em relação aos juros envolvidos no processo. Afinal, se o dinheiro emprestado não for pago dentro das condições acordadas, o fluxo de caixa do negócio pode sofrer impactos negativos.

Como calcular e interpretar a dívida líquida?

Após saber o que a dívida líquida é e qual sua relevância, é preciso saber como calculá-la. De maneira simples, sua fórmula é:

Dívida Líquida = Volume de dívidas – Disponibilidades

As disponibilidades dizem respeito ao volume financeiro que está no caixa da empresa (ou em bancos) e que contam com livre circulação. Já o volume de dívidas é a soma de todos os débitos organizacionais.

Contudo, apenas conhecer a fórmula pode não ser suficiente. É necessário interpretá-la. Para isso, é importante conhecer dois conceitos. O primeiro deles é o patrimônio líquido. Ele é a diferença entre os passivos e os ativos do negócio.

Enquanto os passivos são, resumidamente, os itens que geram custos, os ativos são os bens e rendimentos capazes de gerar lucros. O patrimônio líquido mostra o que a empresa, de fato, tem de ativos, depois de diminuir os passivos.

O segundo conceito necessário é o Ebitda (Earnings before interest, taxes, depreciation and amortization). Em português, ele significa Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização. Sua sigla também pode ser encontrada como Lajida.

O termo diz respeito, conforme seu nome indica, a uma métrica que representa a soma dos lucros obtidos antes de descontos como tributos, juros, amortizações e depreciações.

Os dois itens são importantes porque representam formas diferentes de interpretar uma dívida líquida. Contudo, ambas podem ser utilizadas para calcular o endividamento. Confira!

Dívida líquida x patrimônio líquido

O significado de patrimônio líquido foi apresentado por uma razão simples. Ele é o denominador da equação de cálculo da dívida líquida.

Ao dividir a dívida líquida pelo patrimônio líquido e multiplicar o resultado por 100, chega-se ao índice de dívida líquida. Isto é, à porcentagem do patrimônio líquido que está comprometido com as dívidas do negócio.

É interessante que o índice seja baixo, pois, quanto maior ele estiver, mais endividada a companhia está. Mas lembre-se de que o endividamento deve ser avaliado em contexto e junto de outros indicadores relevantes.

Dívida líquida x Ebitda

De maneira prática, a métrica Ebitda indica algo semelhante a um resultado operacional. Ou seja, a quantidade de dinheiro que o negócio gera com suas atividades. Sendo assim, ao dividir a dívida líquida pelo Ebitda e multiplicar o resultado por 100, encontra-se também o índice de dívida líquida.

Ao analisar os dois índices encontrados, um por meio do patrimônio líquido e o outro pelo Ebitda, a organização pode realizar a proporção entre eles. Assim, conferirá de forma sólida o grau de endividamento em que se encontra. Finalmente, poderá nortear sua tomada de decisão.

Por que o indicador é importante para pessoas físicas?

Foi abordado, ao longo deste artigo, a relevância do conhecimento da dívida líquida por parte das corporações. Mas você sabia que ela também é interessante à pessoa física?

Ao incluí-lo na análise das suas finanças, será possível analisar suas dívidas, como empréstimos ou parcelamentos. A pessoa pode, por exemplo, avaliar seu caixa líquido para saber quais são suas condições de pagamento e endividamento.

Além disso, outra relevância do conceito para pessoas é no caso de quem deseja investir em Ações. O investidor pode analisar os demonstrativos financeiros das empresas e usar o indicador na sua análise fundamentalista.

Como você viu, a conceituação de dívida líquida é importante para todos. Organizações, pessoas físicas e investidores podem usá-la em seu dia a dia. Assim, poderão se certificar de buscar por um caixa mais equilibrado!

E então, gostou de saber mais sobre o assunto? Se ainda estiver com alguma dúvida, não deixe de entrar em contato conosco e conferir como podemos ajudá-lo!

Compartilhe:

Deixe uma resposta


Utilizamos cookies que melhoram a sua experiência em nosso site. Todos seguem as regras da nossa Politica de Privacidade. Clicando em "OK" você concorda com a nossa política.