Na hora de realizar especulação não basta fazer uma boa análise técnica e escolher uma estratégia que pareça ser atraente. Também é necessário considerar as oscilações do mercado financeiro e possíveis perdas, já que elas podem levar a um quadro de zeragem compulsória.

O processo é executado pela instituição financeira na qual você tem conta para adquirir os produtos e ativos financeiros e pode gerar prejuízos. Por isso, além de conhecer a situação é interessante descobrir como evitá-la.

Neste artigo, você saberá o que é zeragem automática e aprenderá como impedir que ela ocorra. Confira!

O que é margem de garantia?

Para entender o conceito de zeragem compulsória é preciso, em primeiro lugar, conhecer o que é a margem de garantia. Esse é um valor exigido para que você possa realizar operações na bolsa de valores, especialmente em relação à especulação e à alavancagem.

A margem de garantia pode ser oferecida em dinheiro ou em ativos financeiros, como títulos, certificados e ações.

O termo está relacionado, ainda, à alavancagem. Ela consiste no processo em que o trader pode fazer negociações com um valor maior do que tem em caixa. Assim, é necessário contar com o mínimo de recursos para cobrir possíveis prejuízos — exatamente a margem de garantia.

A margem também é exigida em uma venda descoberta, por exemplo. Ao operar vendido com aluguel de ações, você será obrigado a comprar os ativos para devolver a quem alugou os papéis. A margem, portanto, pode ser acionada para dar mais segurança em relação a essa obrigação.

A principal justificativa para a existência da margem de garantia é o fato de que ela ajuda a evitar problemas em relação às perdas nas operações. Ela serve para oferecer segurança, pois é consumida caso os resultados das operações de renda variável sejam negativos e não haja recursos em conta.

Sem esse valor, o investidor ou trader poderia terminar o dia com dívidas elevadas, que recairiam sobre a instituição financeira. Com a margem, o prejuízo é compensado e há mais previsibilidade e proteção.

Sem fornecer os valores mínimos exigidos, é comum que o banco de investimentos não permita a realização das operações na bolsa. Além disso, ele pode interromper suas negociações, como você verá a seguir.

O que é a zeragem compulsória?

A zeragem compulsória é o encerramento de posição do investidor ou especulador, realizado pela própria instituição financeira. O termo “compulsória” se refere ao fato de que não é o especulador que toma a decisão de fechar a posição.

Ela é mais comum em operações de day trade, mas ocorre igualmente em outras formas de especulação e mesmo no caso de investimento a longo prazo.

O processo acontece de maneira automática, com o fechamento da posição a preço de mercado. Também é comum que seja cobrada taxa de corretagem e uma espécie de multa, com um percentual sobre o valor da operação total.

Como ela funciona?

O funcionamento da zeragem compulsória se baseia, inicialmente, em um acompanhamento a respeito das operações de todos os traders. Quando ocorrem perdas acima da margem de risco da instituição, o mecanismo é acionado.

Ou seja, o fechamento pode ocorrer diante da perda de toda a margem de garantia, causada por resultados negativos ou contrários à posição assumida.

Então, a instituição financeira abrirá uma ordem de compra ou venda (dependendo do caso), de maneira automática para encerrar a posição, referente a seus ativos e derivativos da operação em questão. Feito isso, a negociação é finalizada e os valores são liquidados a preço de mercado.

No caso de operações compradas, a ordem aberta será de venda. Mas também é possível passar pela zeragem compulsória ao operar vendido. Nesse caso, a instituição emitirá uma ordem de compra para adquirir os papéis na quantidade vendida inicialmente.

Todo o processo é automático e binário. Portanto, o sistema não considera se você perdeu antes e, imediatamente, volta a ganhar. Assim que o gatilho é disparado, o fechamento da posição acontece diretamente. Por isso, é preciso ficar atento para não ter seus planos frustrados.

Quando a zeragem compulsória acontece?

A zeragem de posição ocorre em duas situações diferentes. No caso de day trade, ela pode se dar quando o especulador permanece na posição além do horário de negociação. Isso é conhecido como dormir com o papel e muitas instituições zeram a posição diante da prática.

Outra possibilidade — e que é a mais comum — envolve a margem de garantia. A cada operação de especulação, é necessário ter disponível o montante solicitado.

Ele serve, como você viu, para cobrir eventuais prejuízos, especialmente diante da alavancagem. Com as oscilações de mercado, pode ser que o total alocado como garantia seja consumido pelas perdas.

Se todo o valor for gasto, não há mais proteção, o que gera o gatilho da zeragem. Em alguns casos, a instituição pode solicitar uma margem maior. Normalmente, ocorre quando a instituição financeira estabelece uma margem de risco.

Ou seja, parte do montante fica retido e o restante pode ser consumido, sendo esse seu limite. Se o limite for de 70%, como é frequente, você passará pela zeragem compulsória se a margem for consumida pelas perdas geradas por oscilações.

Imagine que sua margem de garantia é de R$ 100 e a instituição permita o consumo de até R$ 70 do total. Se, ao longo da operação, você perder qualquer valor acima disso — R$ 71, por exemplo — todas as posições serão zeradas.

Em alguns casos, a zeragem compulsória acontece, ainda, diante da inadimplência. Quando você não quita os prejuízos de operações de dias anteriores, pode ter outras posições zeradas para custear os valores devidos para a instituição.

Para que ela serve?

Apesar de ser uma situação indesejada e que pode gerar prejuízos, a zeragem tem importância para quem atua na especulação. O mecanismo serve, principalmente, para garantir que você não tenha perdas tão elevadas do seu patrimônio.

Ela também tem o objetivo de proteger as instituições financeiras de prejuízos que poderiam ser causados pelo não pagamento por parte dos traders.

No day trade, como as operações são liquidadas diariamente, os lucros e prejuízos são consolidados nesse período. Sem o mecanismo, poderia acontecer de um trader continuar a operar sem quitar totalmente o valor de operações passadas, o que afetaria a continuidade da instituição.

Portanto, pode-se dizer que a zeragem compulsória é uma ferramenta que ajuda a proteger todo o mercado e a garantir a continuidade das operações. Afinal, se todas as instituições sofressem com prejuízos acumulados, passaria a ser impossível negociar, em um tipo de efeito dominó.

Por que a zeragem compulsória pode prejudicá-lo?

O fato de a zeragem compulsória acontecer à revelia da vontade do investidor ou trader traz consequências consideráveis para as operações e para o patrimônio, de modo geral. Como as posições são fechadas pelo valor de mercado, os prejuízos podem ser intensos.

Imagine uma situação em que um trader decide operar vendido e vende 1000 ações de uma empresa a R$ 12,00, esperando a queda e com alavancagem. No entanto, ocorre uma valorização substancial e ela passa a ser negociada a R$ 15,00.

Se a margem de risco tiver sido inteiramente consumida, há a zeragem compulsória. Então, ocorrerá a emissão de ordem de compra automática de 1000 papéis a R$ 15,00. Ao final, o prejuízo será de R$ 3 mil, mais a multa referente ao encerramento.

Mesmo que, em seguida, a ação passasse por uma grande queda, você não aproveitaria os resultados. Portanto, além da consolidação de prejuízos, existe um custo de oportunidade, pois eventuais cenários favoráveis não são explorados.

A zeragem compulsória afeta apenas uma operação?

Um ponto essencial de atenção sobre a zeragem compulsória é que ela não se limita à operação que levou às perdas e ao consumo da margem de garantia. Ela pode levar ao fechamento de todas as ordens em aberto na instituição financeira, independentemente dos resultados apresentados.

Imagine que você esteja realizando uma operação com diversos contratos futuros, fazendo com que a margem de garantia cubra todos eles.

Em um momento de ajuste diário, ocorre uma perda considerável em um dos minicontratos, consumindo toda a margem de grupo. Caso isso aconteça, tanto essa operação quanto as demais terão suas posições fechadas.

Essa é uma característica que pode aumentar o potencial de perda financeira e de desperdício de oportunidades. Como consequência, toda a sua estratégia pode ficar comprometida diante do cenário.

Além do prejuízo que será consolidado pelo encerramento de posições a preço de mercado, você terá perdido sua margem de garantia — na forma de dinheiro ou de ativos. Isso prejudicará seu desempenho acumulado e poderá até inviabilizar financeiramente outras operações.

Como evitar zeragem compulsória na bolsa de valores?

Como visto, a zeragem compulsória pode causar diversos problemas, desde a perda de boas oportunidades de ganhos a custos elevados com a operação. Sendo assim, o importante é saber como impedir que a situação se consolide.

Veja!

Conheça os prazos de encerramento

Para não correr o risco de dormir com o papel, é recomendável conhecer os prazos de encerramento para negociação dos ativos e derivativos. A saída de posição da sua parte deve acontecer dentro do limite para evitar a zeragem causada pela manutenção da posição além do horário.

Confira as condições da margem de garantia

Cada instituição financeira costuma definir regras específicas para a margem garantia, como o percentual das operações realizadas. É importante conhecer a regra para ser capaz de oferecer o montante necessário.

Também é preciso entender a margem de risco, que indica o tanto da margem de garantia que pode ser consumida. Isso permitirá que você se planeje mais quanto às perdas que podem ocorrer.

Saiba quais são os custos da zeragem compulsória

As instituições financeiras cobram taxas diferentes sobre a zeragem compulsória. É comum que o valor corresponda a um percentual da operação, mas também pode ser fixo por tipo de posição fechada.

Independentemente das características, é fundamental conhecer quais são as cobranças previstas. Isso permitirá que você se planeje melhor e tenha dimensão dos prejuízos caso a situação se concretize.

Gerencie os riscos das operações

É indispensável fazer uma boa gestão de risco e do valor alocado como garantia. Conhecendo quanto está disponível na sua margem e qual é o total que pode ser consumido, entenda o quanto isso representa em termos de oscilação do ativo ou derivativo.

Desse modo, você mesmo pode liquidar sua operação antes que tal cenário seja atingido, o que permite reduzir as perdas decorrentes. Além de oferecer mais controle, o que mitiga possíveis prejuízos, é a melhor maneira de não pagar a multa gerada por ocorrência da zeragem.

Utilize os mecanismos de stop

Como parte do gerenciamento, pode ser interessante configurar limites de stop loss e stop gain. Eles são ordens automáticas cadastradas por você e devem estar abaixo do consumo da margem de garantia que está disponível. Isso evitará o fechamento compulsório.

Tenha cuidado com a alavancagem

Alavancar suas operações aumenta o potencial de ganhos, mas também aumenta os riscos na mesma medida. Nesse caso, as perdas podem ser intensas o bastante para consumir toda a sua margem de risco, levando à zeragem.

Acompanhe operações que não sejam automatizadas

No caso do day trade, é necessário encerrar suas posições até o call de vencimento para não ser punido com a zeragem. Pode acontecer de você não programar a emissão da ordem de venda até o prazo, ao contrário do que acontece com os mecanismos de stop.

Para evitar que a zeragem compulsória aconteça, é necessário conferir as operações não automatizadas e realizar a sua execução. A ideia é que você seja capaz de encerrá-las antes que o prazo seja descumprido.

É preciso ter atenção especial ao momento em que você realiza a alavancagem e de quanto será esse movimento. Mesmo que você tenha uma estratégia arrojada, a consideração sobre a questão pode evitar problemas no futuro.

Como vimos, a zeragem compulsória é uma situação de encerramento automático de posições que passam do período de negociação (no day trade) ou que sofrem muitas perdas. Com uma boa gestão de risco e atenção aos prazos, é possível evitar a situação e seus potenciais prejuízos!

Se quiser melhorar as chances de ser bem-sucedido na especulação, veja quais são os principais indicadores da análise técnica ou gráfica!