Entender o que é alavancagem financeira em uma empresa é um dos pontos que precisam ser compreendidos por gestores e investidores. Relacionado ao risco e aos resultados do negócio, esse conceito influencia a tomada de decisão.

Você sabe o que ele significa? Apesar de ser um termo relativamente comum na economia, a compreensão sobre a sua aplicação no contexto empresarial pode trazer dificuldades.

Exatamente por isso, preparamos este conteúdo com um guia explicando o que é alavancagem financeira em uma empresa. Continue a leitura para saber mais!

O que é alavancagem?

Antes de tudo, é preciso entender qual é o conceito de alavancagem. De forma simplificada, ele trata de utilizar recursos para conseguir resultados maiores com um esforço pequeno.

O termo é derivado da alavanca. Na física, ele trata de um objeto que é usado para aumentar a força aplicada e facilitar a realização de trabalhos. No setor econômico, o entendimento é adaptado: fala sobre conseguir mais rentabilidade com menos recursos.

Mas como isso funciona? Na prática, são aplicadas oportunidades externas por meio do endividamento para buscar o aumento do lucro líquido.

Ou seja, a alavancagem é uma técnica utilizada para aumentar o potencial de retorno de um investimento. Para tanto, são utilizados diversos recursos externos — como empréstimos, financiamentos, aluguel ou derivativos.

A prática faz com que uma empresa que não tem recursos suficientes consiga aumentar a sua capacidade para realizar determinadas ações. No caso, isso não seria possível com o capital próprio. Logo, a medida é adotada visando o potencial de um investimento.

Riscos da alavancagem

Um dos pontos essenciais ao tratar desse conceito trata do risco financeiro trazido pela operação. Como ela utiliza capital de terceiros, gerando endividamento, a empresa pode ter perdas.

Ou seja, na mesma medida em que é possível maximizar os resultados com recursos externos, os prejuízos também podem ser potencializados. Afinal, foi preciso contrair dívidas.

Basicamente, se a empresa tiver sucesso, os lucros serão maiores do que ela teria sem a alavancagem. Contudo, se ela tiver prejuízos, eles também serão maiores do que se a estratégia não tivesse sido utilizada.

O que é alavancagem financeira de uma empresa?

A alavancagem empresarial pode ser de dois tipos: financeira ou operacional. Vamos começar entendendo mais a fundo o primeiro.

INVISTA EM AÇÕES COM A PLANILHA DE ANÁLISE FUNDAMENTALISTA

A alavancagem financeira de uma empresa trata do valor da dívida na estrutura do capital do negócio. Assim, ela reflete o nível de endividamento atingido para conseguir aumentar o retorno sem aplicar o patrimônio empresarial.

Quer um exemplo? Imagine que a sua empresa precisa investir em um equipamento para aumentar a produção. Para tanto, você busca soluções externas para viabilizar o investimento sem mexer no capital da empresa (ou quando ele não é suficiente).

Diante do cenário, é preciso captar recursos de terceiros para conseguir levantar os valores necessários. A alavancagem pode ser feita de diversas maneiras, como:

  • empréstimos;
  • emissão de debêntures;
  • ações preferenciais;
  • outros meios de obter capital de terceiros.

Com os recursos obtidos é possível financiar os novos investimentos. Assim, o objetivo é maximizar os efeitos da variação do Lucro Antes dos Juros e do Imposto de Renda (LAJIR) sobre os lucros por ação.

No entanto, também é importante ter estrutura para conseguir pagar a dívida contraída ao alavancar o negócio. Uma alavancagem de sucesso traz retorno superior ao custo da captação de recursos, como os juros em empréstimos.

Para os investidores e acionistas, entender o grau de alavancagem financeira (GAF) é importante para mensurar os riscos e o potencial de lucro do negócio. Como você viu, apesar de poder potencializar o retorno dos investimentos, ela também pode gerar perdas.

Como calcular o grau de alavancagem financeira?

Depois de aprender o que é alavancagem financeira em uma empresa, vale esclarecer o cálculo do GAF. Ele apresenta o reflexo das variações do Lucro Antes dos Juros e do Imposto de Renda (LAJIR) no Lucro Líquido da empresa.

Para fazer o cálculo, primeiro é preciso calcular o Lucro Antes do Imposto de Renda (LAIR). A fórmula é assim:

LAIR = LAJIR – JUROS

As informações devem constar na Demonstração de Resultado de Exercício (DRE) do negócio. Supondo que a empresa tem um LAJIR de R$ 60 mil, mais juros em relação às despesas financeiras de R$ 15 mil, o LAIR é de R$ 45 mil.

Depois de compreender essa etapa, é hora de aprender a fórmula do GAF: ele traz a relação entre LAJIR e LAIR, por meio da divisão. Veja só:

GAF = LAJIR ÷ LAIR

Seguindo o mesmo exemplo, o cálculo na prática é este:

GAF = 60.000 ÷ 40.000 = 1,5

Interpretando os resultados

Agora, você provavelmente está se perguntando o que o resultado significa. O GAF é um índice que deve ser avaliado pela empresa, então é preciso saber como interpretá-lo. Existem 3 classificações básicas para isso:

  • GAF menor que 1: nesse caso, o capital externo consumirá o patrimônio líquido, trazendo resultados negativos;
  • GAF igual a 1: demonstra que a alavancagem não traz resultados positivos ou negativos, ela é nula;
  • GAF maior que 1: esse é um resultado favorável, demonstrando que a alavancagem tem potencial para trazer um retorno adequado.

Dessa maneira, o ideal antes de optar pela alavancagem é buscar um GAF maior que 1, sendo que quanto mais acima ele estiver, maior o potencial de retorno.

O que é alavancagem operacional?

Além de entender o que é alavancagem financeira em uma empresa, é fundamental conhecer a operacional. Nesse caso, ela trata da proporção entre custos fixos e variáveis.

O objetivo é aumentar o volume de vendas em relação ao LAJIR captando financiamentos para potencializar a produção, sem aumento dos custos fixos.

Para entender esse conceito, tenha em mente que quanto menor a produção, mais difícil é arcar com os custos fixos gerados. Afinal, é preciso ter receita para cobrir os gastos e aumentar o lucro total.

Diante do cenário, a alavancagem operacional é aplicada para captar recursos de terceiros para aumentar a produtividade. Porém, isso deve acontecer sem alterações nos custos fixos.

Assim, o mais comum é que ela seja feita com a aquisição de maquinários e outros equipamentos. A princípio o tema é um pouco complexo, mas é possível simplificar. Vamos supor que você tem uma fábrica de sapatos.

Os custos fixos, entre aluguel, pagamento de funcionários etc., são de R$ 20 mil. Além disso, os custos variáveis seriam apenas os relacionados à produção dos sapatos. Aqui, eles são feitos por R$ 50 e vendidos a R$ 75 — margem de 50% de lucro.

Ao fazer a alavancagem operacional, a ideia é ter mais produção sem aumentar o custo fixo. Então, o valor é distribuído entre as mercadorias produzidas, aumentando o potencial de lucro.

Nesse caso, o risco trata das variações nos resultados. Uma alavancagem alta pode ser benéfica quando o volume de vendas é alto, mas traz prejuízo quando há queda nos resultados.

Como consequência, a alavancagem operacional aumenta a sensibilidade da empresa diante das variações do mercado.

Como calcular o grau de alavancagem operacional?

Para avaliar a viabilidade da estratégia é importante calcular o grau de alavancagem operacional (GAO). Ele vai medir a relação entre a variação do lucro em relação à variação das vendas.

Além disso, ele busca entender o quanto a empresa está distante do ponto de equilíbrio. Confira a fórmula:

GAO = variação no lucro operacional (%) ÷ variação nas vendas (%)

Quanto mais alto o GAO, mais perto a empresa fica do ponto de equilíbrio. Nesse caso, existem 4 tipos de resultados obtidos, mostrando que o grau de alavancagem pode ser:

  • negativo: há uma queda na receita bruta, com aumento de despesas fixas;
  • modesto: indica prejuízo, com aumento do custo que supera o ganho bruto na operação;
  • de equilíbrio: a receita e os custos são proporcionais. A empresa opera em prejuízo, mas a receita bruta ajuda a compensá-lo;
  • operacional: quando as variações de receita bruta e de custos sempre resultam em um percentual maior.

Quais as diferenças entre alavancagem financeira e operacional?

Se você ainda tem dúvidas sobre o que é e como diferenciar a alavancagem financeira da operacional em uma empresa, ficará mais simples entender agora.

Resumidamente, enquanto a financeira trata do uso de recursos financeiros para buscar mais rentabilidade, a operacional foca nos custos fixos no processo produtivo.

Além disso, a alavancagem financeira se relaciona à estrutura de capital, utilizando operações com encargos financeiros fixos para cobrir o investimento. Logo, ela obtém um retorno sobre o patrimônio após o uso de capital externo.

Em decorrência dos juros das operações, o potencial de ganho tem relação direta com os riscos. Por isso, a prática exige um estudo aprofundado da situação para determinar se vale a pena.

De outro lado, a alavancagem operacional é buscada quando a empresa quer aumentar a produção e o volume de vendas, sem ter mais custos fixos. O risco, nesse caso, é comercial.

Outro ponto de diferença entre os dois tipos é na avaliação de resultados. A alavancagem operacional determina o retorno das operações realizadas pela empresa. Já a financeira é usada para avaliar o lucro por ação.

Então, conseguiu entender o que é alavancagem financeira na empresa e as diferenças em relação à operacional? Saber avaliar essas práticas é importante para gestores e também para investidores que desejam investir em renda variável.

Se você quer saber mais sobre como avaliar dados financeiros das empresas, confira como funciona o Ebidta!