O principal objetivo de quem especula na bolsa de valores é obter lucro no curto prazo. Para isso, é fundamental definir estratégias e conhecer os principais indicadores da análise técnica (ou gráfica) e como eles funcionam.

Com isso, o especulador pode entender os movimentos de preço do mercado e tomar decisões de compra e venda de ativos e derivativos de forma acertada. A estratégia consiste na observação das oscilações do mercado nos gráficos, visando identificar possíveis tendências.

Neste artigo, você conhecerá os principais indicadores e verá como funcionam. Aproveite a leitura!

O que é análise técnica?

A análise técnica, também chamada de análise gráfica de Ações, é uma ferramenta muito utilizada principalmente pelos especuladores. O objetivo é encontrar as melhores oportunidades para operar na bolsa de valores no curto prazo.

A partir da análise, é possível identificar os melhores momentos para comprar ou vender um ativo ou derivativo, por exemplo. Isso reduz o risco de perda e aumenta as chances de sucesso, especialmente no curto e curtíssimo prazo.

Para isso, a análise técnica utiliza um conjunto de indicadores para observar a oscilação de preço em um gráfico. Assim, o trader pode determinar o cenário de maior probabilidade de ocorrer no futuro próximo — como queda ou subida no preço.

Dessa forma, a análise gráfica ajuda a identificar padrões e apontar se a probabilidade é que o preço de uma Ação ou demais ativos e derivativos caia ou suba dali a alguns minutos, horas ou dias. Mas é importante ficar claro que não é possível prever o que acontecerá na bolsa com certeza.

Não se trata de uma definição exata do que ocorrerá no futuro, mas sim de um direcionamento para o caminho com mais chances de ocorrer e trazer bons resultados. Por isso, a ferramenta é importante para quem quer fazer operações de curto prazo.

Como funciona?

Agora que você sabe o que é análise técnica, precisa entender como ela funciona. A ferramenta é útil e eficiente para os especuladores porque se apoia no princípio básico do mercado: a lei de oferta e de procura.

Em qualquer segmento do mercado, os preços são determinados por essa lei. Ativos e derivativos mais visados pelos investidores em um determinado momento acabam sofrendo valorização e seus preços sobem.

Se uma Ação tem o preço atual de R$ 20, por exemplo, é porque existem pessoas dispostas a pagar esse valor por ela. Se após algumas horas ela cai para R$ 15, significa que boa parte dos investidores decidiu vendê-la.

Assim, quando o número de pessoas querendo adquirir aquele papel diminui, o preço cai. Ou seja, o valor de um ativo ou derivativo é o reflexo da relação entre os compradores e os vendedores na bolsa.

Nesse tipo de investimento, tudo acontece bem rápido e a tendência de uma Ação pode mudar de alta para baixa em pouco tempo — e vice versa. É por isso que a análise técnica é tão importante para os traders.

É fundamental entender que o mercado é feito de pessoas e que elas tendem a repetir alguns padrões de comportamento. A análise gráfica utiliza, então, as informações que o mercado expressa constantemente para interpretar a interação entre compradores e vendedores naquele momento.

Assim, o especulador tem agilidade para se posicionar ao lado do cenário de maior probabilidade de ocorrer, elevando suas chances de sucesso.

Por outro lado, se houver uma mudança de planos e o mercado não reagir como o esperado, a análise também pode oferecer a possibilidade de lidar com imprevistos antes que seja tarde demais. Logo, pode evitar prejuízos maiores.

Para que serve e quando usar a análise técnica?

Como você viu, a análise técnica serve para identificar tendências no mercado financeiro. Ainda que seja improvável determinar com 100% de certeza se o preço vai subir ou descer, a ferramenta serve para identificar possíveis oportunidades.

Em relação a quando utilizá-la, você deve atentar para o fato de que ela é útil na especulação. Os dados são sobre como o mercado está se comportando, mas não sobre a qualidade das empresas listadas em bolsa.

O especulador visa obter lucros no curto prazo na renda variável. Para isso, é necessário focar na dinâmica do mercado, e não nos fundamentos das companhias. Investidores de longo prazo é que precisam se preocupar com a qualidade da empresa que estão comprando.

Portanto, se o seu objetivo é fazer trade, é interessante contar com o apoio da análise técnica. Assim, é possível montar operações de compra ou venda de acordo com seu intuito. A especulação permite lucrar tanto com a subida quanto com a queda da bolsa.

Principais indicadores da análise técnica

Depois de entender as particularidades da análise técnica, vamos apresentar os principais indicadores da análise gráfica e como eles funcionam. Conheça cada um deles antes de iniciar suas atividades de especulação na bolsa:

Suportes e resistências

Esses indicadores são básicos para quem quer operar na renda variável. Eles estão relacionados com as linhas de tendência. Por isso, estão na base de toda atividade de especulação.

Como você sabe, os preços dos ativos e derivativos na bolsa de valores não se comportam de forma linear. Em geral, existe uma relação de sobe e desce, indicando a interação entre compradores e vendedores na bolsa.

Mesmo assim, o trader pode identificar sinais que indicam uma região de preços a partir da qual é mais difícil o ativo ou derivativo ir adiante por meio dos suportes e das resistências. Eles indicam uma espécie de obstáculo à redução ou ao aumento dos preços, respectivamente.

Na análise dos gráficos, você pode perceber certa estabilidade nos níveis de suporte ou resistência. Também é possível identificar um rompimento deles. Quando isso ocorre, há um deslocamento na oferta e demanda e pode ser sinal de oportunidades de operação.

Dessa forma, é possível que haja uma inversão entre o suporte e a resistência. A análise dos indicadores pode, então, mostrar ao especulador as possibilidades de uma reversão de tendência e possíveis chances de lucro no novo movimento.

No entanto, é importante destacar que nem sempre o rompimento de um nível significa uma reversão. Em muitos casos, o movimento original volta a acontecer.

Linhas de tendência

Quando o assunto é análise técnica e especulação, não podemos deixar de citar a linha de tendência. O objetivo do especulador é justamente perceber tendências nas oscilações de preços, certo? Então, ele pode operar com ativos e derivativos aproveitando as movimentações.

Uma ferramenta fundamental para isso é a análise das linhas de tendência. Elas representam linhas adicionadas aos gráficos a partir da observação dos topos e fundos. Com isso, conseguem mostrar se há uma tendência lateral ou um movimento de alta ou de baixa.

Muitas das decisões dos traders partem da identificação das linhas de tendência. Se ele perceber, por exemplo, que há uma clara perspectiva de alta, pode adquirir ativos ou derivativos para lucrar com a valorização. Se ocorrer o oposto, pode montar posições vendidas para lucrar na baixa.

Bandas de Bollinger

As Bandas de Bollinger também servem para avaliar oscilações nos preços dos ativos e derivativos. Elas ajudam a perceber a relação entre o preço atual de mercado e o preço médio para uma Ação, por exemplo.

O indicador é composto por duas bandas: uma superior e uma inferior, além de uma média móvel. As bandas podem se aproximar e se afastar da média móvel. De acordo com a movimentação, o especulador pode analisar se a volatilidade está mais alta ou mais baixa.

O primeiro caso ocorre com a expansão das bandas e o segundo com a aproximação delas. Se o preço atual está diferente da banda superior ou inferior, também é indício de que o mercado está sobrecomprado ou sobrevendido.

Entretanto, a tendência normalmente é de que os preços voltem para a média ao longo do tempo. Dessa forma, quando eles não rompem as Bandas de Bollinger, é mais um indicativo de resistência ou suporte. A análise conjunta dos indicadores pode sinalizar informações relevantes para o trader.

Médias móveis

Percebeu que o preço é o elemento central na análise técnica? Assim, as médias são indicadores importantes para a estratégia. Médias móveis têm relação com os valores médios alcançados pelos preços em determinados períodos.

Elas são usadas pelos traders para identificar, geralmente, as mudanças nas tendências do mercado. Os dois tipos de médias móveis existentes são as simples e as exponenciais. A forma de consideração dos dados é a principal diferença entre elas.

Na média móvel simples, depois que o valor médio é calculado, ele é dividido com igualdade de peso entre os mais recentes e antigos. Já a média móvel exponencial trabalha com a média ponderada entre os preços mais recentes (com um peso maior) e os mais antigos.

As médias móveis são usadas com a junção de uma linha no gráfico. O próprio especulador define o período de tempo e também pode adicionar linhas de duas médias diferentes e buscar por pontos de cruzamento. Isso pode ser um indicador de entrada.

MACD

MACD é a sigla para Moving Average Convergence Divergence que, traduzido, significa algo como média móvel convergente e divergente. Basicamente, esse indicador de análise técnica utiliza a estratégia que considera duas médias móveis exponenciais no gráfico.

A finalidade é perceber com mais clareza alguma tendência nos preços. Por exemplo, é possível procurar por cruzamentos nas médias. Outra possibilidade é avaliar as variações de preço e também identificar divergências que podem indicar uma reversão de tendência.

Ao utilizar tal indicador, a tendência do mercado de queda, alta ou de relativa estabilidade pode ficar mais evidente. Dessa forma, existem elementos para tomar melhores decisões quanto a montar uma operação de venda, compra ou mesmo não entrar no mercado no momento.

Volume financeiro

Na análise técnica existem, ainda, indicadores que vão além do preço, mas estão relacionados a ele. Um exemplo é o volume, que indica a quantidade de dinheiro que está sendo negociada.

Ou seja, o especulador pode ver se há poucas ou muitas pessoas interessadas em um determinado ativo ou derivativo. É importante considerar o volume financeiro para complementar o estudo das suas tendências de preço.

Afinal, uma demanda de maior volume financeiro traz mais força para a tendência, o que pode elevar as oportunidades. Já um rompimento com baixo volume pode mostrar que o movimento não é forte.

Hilo Activator

O Hilo Activator é também chamado de HiLo — que é a sigla para Alto Baixo, em inglês. Ele é um indicador que pode ajudar a identificar se o ativo ou derivativo analisado está manifestando uma tendência de alta ou de baixa nos preços.

O Hilo Activator utiliza o conceito das médias móveis para cumprir seu objetivo. Ele considera as médias máximas e mínimas dos preços em um período de tempo e faz um cálculo da tendência. Então, pode parecer com uma escada no gráfico.

O indicador é útil para identificar pontos de entrada ou saída de uma operação de especulação, pois indica o movimento dos preços ao longo do tempo. Em um gráfico de candle, por exemplo, o HiLo mostra uma tendência de baixa quando está acima dos candles e de alta quando está abaixo.

Além de ser utilizado por muitos traders para compreender as tendências de forma mais clara e montar operações visando o lucro, o indicador também pode ajudar a reduzir os riscos. Para isso, ele pode ser considerado para definir o stop móvel nas operações.

ADX

O indicador Average Directional Index (ADX) visa analisar o peso da tendência no mercado. Assim, ele é útil quando o trader quer saber se existe uma tendência nos preços ou se eles apenas estão passando por momentos de variações pontuais, por exemplo.

O ADX funciona em um intervalo de valores que vai de 0 a 100. No entanto, é mais comum que ele não apresente resultados acima de 60. Quando o indicador está abaixo de 20, é sinal de que a tendência não tem grande peso. Por outro lado, números acima de 40 indicam tendências mais fortes.

Analisar o ADX pode elevar a eficiência das especulações. Afinal, se você não souber interpretar a oscilação de preços, ou fizer isso de forma errada, pode elevar o risco de montar operações equivocadas.

Estocástico

O estocástico, também conhecido como stoch, é outro exemplo de indicador de análise técnica ou gráfica. Ele foca na variação de preços e ajuda a identificar o momento de preço de um ativo ou derivativo. Ou seja, pode mostrar pontos de mudanças na tendência.

A lógica por trás desse indicador é a de que uma reversão de tendência geralmente é antecedida por alguns indicativos. É como se o mercado desse “sinais de exaustão” antes de sofrer alguma mudança nos preços.

Assim, utilizar o estocástico pode fazer com que você perceba a perda do momento da tendência, indicando o surgimento de uma nova. O cálculo do indicador é feito com a comparação entre o valor de fechamento do ativo ou derivativo e o intervalo no qual ele se moveu ao longo de um período.

Se existir uma tendência de alta, provavelmente o preço de fechamento será próximo ao valor máximo do intervalo. Já se a tendência é de baixa, é esperado que o preço estará próximo do mínimo. Um afastamento deles pode ser indicativo de reversão do movimento.

IFR

O IFR (ou RSI, Relative Strength Inde, em inglês) significa índice de força relativa e é um indicador de medida para as variações da bolsa de valores. Ele oscila entre valores que vão de 0 a 100 e ajuda o trader a ter informações sobre a velocidade na mudança dos preços.

Valores de IFR próximos ou acima de 70 podem indicar, na prática, que o mercado está em um momento de alta em relação aos preços. Já números abaixo ou próximos de 30 indicam uma sobrevenda, ou seja, a proximidade de um fundo.

A análise do IFR pode ser útil para entender se existe a possibilidade de queda ou alta no preço em breve, especialmente se for feita junto com outros indicadores. Ele também aparece como uma linha no gráfico e o cálculo é feito com a divisão do ganho médio pela perda média.

CMF

O indicador Chaikin Money Flow (CMF) é calculado a partir da análise diária da linha de acumulação ou distribuição. Ele se baseia na ideia de que a pressão realizada pelos sinais de compra e venda pode ser determinada por meio da comparação do valor de fechamento frente ao máximo e mínimo registrados no período em análise.

Com isso, é possível concluir que existe pressão para comprar um ativo ou derivativo quando ele encerra na parte superior do intervalo de valores no observados. Da mesma forma, os sinais de venda são revelados com mais intensidade quando os ativos encerram na parte inferior do intervalo.

Gaps

Por fim, o gap no gráfico representa um intervalo entre dois candles. Ele pode ser do tipo:

  • exaustão, indicando que após um candle haverá reversão;
  • comum, se fechar rapidamente;
  • corte, ocorrendo no rompimento da tendência ou de um suporte ou resistência;
  • continuidade, ocorrendo no meio da tendência.

Os gaps são úteis para o especulador identificar possíveis reversões, ou seja, a mudança da força compradora para a força vendedora, ou vice-versa. Mas, muitas vezes, acontecem por movimentações normais — como os gaps entre um pregão e outro.

Agora você conhece os principais indicadores da análise técnica ou gráfica e sabe como eles funcionam. Foi possível perceber que especular na bolsa não significa aposta ou intuição, certo? Pelo contrário, a especulação é resultado de uma avaliação cuidadosa de diversos fatores!

Você tem intenção de especular? Então complemente a leitura e confira quais as características do investidor com perfil arrojado!