Ao especular na bolsa, fazendo operações de curto e curtíssimo prazo, o especulador ou trader tem algumas ferramentas à disposição. Muitas delas podem melhorar os ganhos ou mesmo evitar perdas acima do desejado. Entre os recursos, está o stop gain.

Nesse caso, é essencial conhecer completamente essa ferramenta e entender o que ela tem a oferecer. Com isso, você poderá usá-la de modo estratégico.

Então descubra tudo sobre o mecanismo de stop gain e compreenda quando é oportuno utilizar o recurso!

O que é stop gain?

O stop gain é um mecanismo que prevê a venda automática dos ativos ou derivativos na bolsa de valores quando a cotação atingir um preço de interesse. Deve ser cadastrado um número — chamado de preço de disparo — que funciona como um gatilho para que a operação aconteça.

Na tradução livre do inglês, a expressão pode ser considerada como “parar de ganhar” e, de certo modo, é isso que ela faz. Afinal, caso o preço valorize acima do teto definido por você, não será possível aproveitar o ganho.

No entanto, o recurso também permite prevenir que você perca uma oportunidade de lucro. Além disso, ajuda a evitar perdas ocorridas diante de uma grande oscilação do mercado.

Como ele funciona?

Depois de entender o que é o stop gain, você tem uma ideia geral desse mecanismo. Antes de usá-lo, entretanto, é preciso compreender como ele funciona na prática. Para entender melhor, pense em uma espécie de passo a passo sobre o assunto.

Primeiramente, você deverá fazer uma análise do ativo ou derivativo, para definir um teto quanto aos ganhos que deseja. Lembre-se de que, quanto mais distante o valor do stop gain estiver da cotação atual, maior é a expectativa de valorização — e maiores podem ser os riscos.

Após encontrar o preço alvo, é necessário configurar o stop gain, o que pode ser feito pelo próprio home broker. Logo, fica definido que, assim que o ativo ou derivativo atingir aquele valor, a emissão da ordem de venda acontecerá automaticamente, mesmo que você não esteja online.

Quer um exemplo prático? Imagine uma Ação cuja cotação está em R$ 10,00 e você deseje obter R$ 1,00 de lucro por cada papel. É possível configurar o stop gain em R$ 11,00. Se o preço de disparo for atingido, o próprio sistema emitirá a ordem de venda e você terá o lucro consolidado.

Se a Ação chegar a R$ 10,99, por exemplo, a venda não corre. Se, por outro lado, o ativo atingir R$ 11,00 e, depois, avançar para R$ 12,00, você só terá o lucro referente ao primeiro valor que desencadeou a venda. E, por fim, se ele atingir R$ 11,00 e voltar a cair depois, você está protegido, pois já realizou a venda.

Quando utilizar o stop gain?

Ao estudar sobre o stop gain, é importante entender que estamos falando de um mecanismo mais utilizado para quem especula no mercado de Ações. Afinal, o objetivo é aproveitar as oscilações em curto e curtíssimo prazo.

Isso justifica a necessidade de abrir ordem de venda no momento considerado ideal. Sendo assim, quem decide investir na bolsa de valores em longo prazo, normalmente, não adota o recurso. Seu uso é mais recomendado para quem atua como trader e, portanto, realiza análise técnica ou gráfica.

Como os movimentos do mercado de renda variável podem transformar um lucro em prejuízo rapidamente, o recurso pode ajudar a evitar perdas e a consolidar bons resultados. Além disso, seu uso é especialmente recomendado para quem não pode acompanhar o mercado o tempo todo.

Quanto mais curto for o prazo da operação de especulação, maiores são os impactos de oscilações no preço e no volume. Como nem sempre é possível acompanhar as alterações, utilizar esse mecanismo permite realizar operações automáticas no mercado financeiro.

O uso do stop gain pode ser interessante, ainda, quando se deseja obter mais produtividade nas operações de trade. Considerando que sua atenção e sua capacidade de agir são limitadas, é uma forma de automatizar tarefas para não precisar executá-las manualmente.

Qual a diferença para o stop loss?

Um mecanismo parecido com o stop gain é o stop loss. A premissa é bem parecida e ele também serve para automatizar algumas operações realizadas no mercado financeiro pelos especuladores. A diferença principal é que o stop loss serve para estabelecer um limite de perda.

Nesse caso, o preço de disparo funciona como um limite para baixo. Se o ativo ou derivativo atingir um valor abaixo do número, a venda acontece para conter as perdas.

Pense em uma Ação que custa R$ 10,00 e você está disposto a perder no máximo até R$ 0,40 por papel. Então pode definir um stop loss de R$ 9,60. Se a Ação chegar a R$ 9,70, a venda não ocorre e você tem um prejuízo de R$ 0,30 por papel — mas que ainda é menor que a sua tolerância.

Já se a Ação bater qualquer valor abaixo de R$ 9,60, a venda acontece automaticamente. Com isso, você estabelece o quanto pode perder em determinada operação. Portanto, o stop loss limita por baixo, enquanto o stop gain serve para estabelecer um valor máximo de interesse.

Vale a pena usar o stop gain?

Como visto, tanto o stop gain quanto o stop loss podem fazer com que as suas operações de especulação tenham menos riscos. No caso do stop gain, especificamente, é uma forma de evitar que ganhos já consolidados sejam perdidos diante de uma rápida reversão no preço.

Muitos se perguntam se valeria a pena limitar o potencial de ganhos. Mas, como você pode ver, o stop gain pode ser interessante para consolidar um resultado que esteja de acordo com as suas expectativas.

De fato, há uma limitação dos ganhos até o preço estabelecido. Afinal, ao atuar manualmente, você poderia explorar picos de valorização dos ativos e derivativos e ter lucros maiores. Contudo, também estaria exposto a mais riscos.

Em resumo, a decisão de usar a ferramenta depende dos seus objetivos, do nível de risco que você pretende correr e da disponibilidade para acompanhar o mercado. Se não puder conferir todos os movimentos do mercado, recorrer à venda automática pode ajudar na consolidação de resultados.

O stop gain é um mecanismo que pode auxiliar quem especula na bolsa de valores a conseguir resultados com um pouco mais de segurança e previsibilidade. No entanto, é preciso conferir se faz sentido usar a ferramenta em sua estratégia ou se o melhor realizar manualmente as operações!

O que você pensa sobre o recurso? Ainda tem alguma dúvida? Use o espaço dos comentários e participe!