Você já pesquisou o mercado financeiro no Brasil? Ao fazer isso, é comum ler sobre o índice Ibovespa, então vale a pena aprender tudo sobre  o assunto. Porém, mesmo com tantas menções, muitas pessoas não entendem realmente como ele funciona.

O indicador traz informações sobre o cenário econômico e tem um papel importante para os investidores. Em especial, no mercado de Ações. Então que tal aprender mais a respeito do tema?

Confira este post e veja tudo que você deve saber sobre o Ibovespa!

O que é o índice Ibovespa?

O índice Ibovespa é referência da B3, a bolsa de valores brasileira. Também conhecido como IBOV, ele demonstra o desempenho das Ações mais negociadas no mercado. Assim, considera as empresas mais importantes.

A sua criação foi em 1968. Muitos confundem o índice com o termo Bovespa. Na verdade, esse é o antigo nome da B3. Para não confundir mais, vale a pena entender como aconteceu a mudança na bolsa de valores do Brasil.

Inicialmente, existiam várias bolsas no país, cada uma em um estado. A Bovespa era a bolsa de São Paulo, que se destacou em 1970 durante a crise econômica militar. Assim, ela se tornou o principal  meio de negociação de ativos do país, ultrapassando a do Rio de Janeiro.

Todavia, ao longo do tempo o mercado financeiro passou por mais mudanças. Como consequência, em 2000 houve uma integração entre as 9 bolsas que ainda atuavam no Brasil. Dessa maneira, todas as Ações passaram a ser negociadas pela Bovespa.

Já em 2008 aconteceu uma nova mudança, quando ela se fundiu à Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros (BM&F). Por fim, em 2017 aconteceu outra fusão. Agora, entre a BM&F Bovespa e a Central de Custódia e Liquidação Financeira de Títulos Privados (CETIP).

Foi assim que surgiu a B3 — sigla que faz alusão a Brasil, Bolsa e Balcão. Diante disso, vale destacar a diferença: Bovespa é um termo que se refere a nomenclatura antiga da B3. Já o Ibovespa é um índice da bolsa, que demonstra o desempenho de uma seleção de ativos negociados.

Qual é o papel desse índice?

Os resultados do índice Ibovespa são considerados como o termômetro do mercado. Geralmente, quando ele tem um bom desempenho, a economia está bem. Por outro lado, as quedas indicam problemas.

Outra das principais funções do Ibovespa é servir como benchmark para os investidores. O índice é usado como referência para avaliar o desempenho dos investimentos feitos em Ações. Logo, um investidor pode comparar sua carteira personalizada com o IBOV para avaliá-la.

Como funciona o Ibovespa?

Um dos pontos fundamentais para entender o índice é compreender como ele funciona. Como você viu, trata-se de uma carteira teórica ponderada que considera as empresas com maior liquidez e volume financeiro negociado.


Não se tratam das maiores empresas em valor de mercado, necessariamente, mas é comum que as mais negociadas sejam grandes companhias, como por exemplo Itau, Vale, Petrobras

Também não há um número fixo de Ações consideradas. Elas dependerão do volume de ativos que conseguirão cumprir os critérios impostos pela B3. Hoje são 75 empresas, entre as mais de 350 listadas na bolsa.

Conheça mais detalhes:

Composição

O índice é composto pelas Ações ON, PN  UNITS das companhias listadas na B3 que atendem aos critérios específicos da bolsa. Para isso, ela tem uma metodologia bem detalhada. Basicamente, os ativos devem cumprir estes requisitos:

  • estar entre os ativos que representem 85% em ordem decrescente de Índice de Negociabilidade (IN) (buffer 90%);
  • ter, no mínimo, 95% de presença nos pregões realizados;
  • contar com, pelo menos, 0,1% de volume de negociação no período;
  • não ser uma penny stock (Ação com valor abaixo de R$ 1 real).

Frequência de ajuste

O IBOV é reavaliado a cada 4 meses considerando o volume dos últimos 12 meses. Isso acontece nos meses de janeiro, maio e setembro. Então, são 3 variações ao ano, que valem durante os seguintes períodos:

  • janeiro até abril;
  • de maio até agosto;
  • de setembro até dezembro.

A lista com a composição é divulgada pelo site da B3 e pode ser acessada neste link. Ela indica os tickers, as Ações, os tipos, a quantidade teórica e a porcentagem de sua participação na carteira teórica do índice.

Cumpre destacar que nos ajustes, as empresas podem ser incluídas ou excluídas do IBOV. Isso é resultado das variações dos papéis no período de avaliação.

Pesos das Ações

A participação de cada ativo na carteira teórica tem um peso. Ele é determinado pelo valor de mercado total dos papéis da companhia disponíveis para negociação, que formam o free float. Além disso, uma Ação não poderá ultrapassar 20% do total da composição do índice.

Como os ativos têm pesos diferentes, isso faz com que as oscilações de preços dos papéis que compõem a carteira tragam diferentes impactos. Quanto maior o peso, maior a repercussão de mudanças na cotação ao calcular a pontuação do Ibovespa.

Atualização do desempenho do IBOV

Apesar da composição da carteira teórica variar apenas a cada 4 meses, a atualização do seu desempenho acontece em tempo real. Para isso, o investidor precisa ter ferramentas especializadas para conseguir acompanhar as mudanças, como o home broker de uma instituição de confiança.

O que significam os pontos do Ibovespa?

Por falar em desempenho do índice, você já viu os pontos do Ibovespa? Muitas vezes, as notícias sobre a bolsa de valores trazem informações indicando uma pontuação. Logo, é necessário entender o que ela significa para reconhecer seus impactos.

De maneira resumida, cada ponto do índice equivale a R$ 1. Portanto, se for divulgado que o IBOV atingiu 100 mil pontos, isso quer dizer que replicar a carteira custaria R$ 100 mil. Entretanto, essa é apenas uma representação teórica.

Além disso, a pontuação pode ser acompanhada para entender a evolução do índice. Se os pontos aumentarem, houve valorização. Quando caem, significa que os ativos sofreram desvalorização.

É possível investir no índice Ibovespa?

Não há como investir diretamente no índice. Isso porque ele é uma referência teórica das Ações mais negociadas da bolsa . Contudo, é possível investir de maneira indireta, como procurando investimentos que busquem ter a mesma rentabilidade que o IBOV.

Existem diversas estratégias que podem ser usadas pelos investidores que têm os resultados do Ibovespa como objetivo. Para facilitar a compreensão, você verá as principais maneiras de fazer isso abaixo.

Confira!

Compra individual

Uma estratégia seria a compra individual dos ativos. Mas, nesse caso, o investidor teria que adquirir todas as Ações do índice ponderado pelo peso  de cada uma das 75 ações que compoem hoje a carteira teorica,

Logo, seria custoso e muito trabalhoso adquirir os ativos na mesma proporção do IBOV e fazer a gestão da carteira. Por isso, a opção não costuma ser a mais adequada. Se o seu objetivo é ter o Ibovespa como benchmark, considere buscar investimentos que já tenham essa referência.

Investimento em ETF

A forma mais comum de investir no Ibovespa é por Exchange Traded Funds (ETFs), que são Fundos de Investimento que espelham um índice. Por isso, também são chamados de Fundos de Índice. Nesse caso, a composição do portfólio é feita para replicar os resultados de uma carteira teórica.

No caso do Ibovespa, o principal ETF que espelha o índice é o BOVA11, mas existem outras opções. Como os Fundos de Índice são negociados na bolsa de valores, você pode adquirir cotas por meio de um banco de investimentos.

Fundos de Ações

Os Fundos de Ações podem ser compostos com diversos objetivos e benchmarks. Por isso, é possível encontrar alternativas que se baseiam no Ibovespa. Contudo, o mais comum é que o gestor monte o portfólio tentando superar a rentabilidade do índice.

Contrato futuro e minicontratos

Também é possível operar com contratos futuros e minicontratos de índice. Porém, eles são mais utilizados para especulação, como no Day Trade, ou como hedge, para proteger a carteira de Ações. Portanto, considere os seus objetivos para encontrar a alternativa ideal.

Caso tenha dúvidas sobre as opções de investimento para tentar acompanhar ou superar o IBOV, é possível contar com uma assessoria de investimentos. Dessa maneira, você pode conhecer oportunidades para aportar seu capital e receber informações para ajudar nas decisões.

Porque o Ibovespa é tão importante para o investidor?

Já vimos que o índice Ibovespa tem um papel importante no mercado de Ações. Mas você sabe por que ele é tão relevante para os investidores? O principal motivo é que ele serve como parâmetro para avaliar o desempenho dos seus ativos.

É preciso ter uma referência para se basear ao verificar os resultados ou o retorno do investimento. Por exemplo, ao investir em renda fixa, um benchmark é o CDI (Certificado de Depósito Interbancário).

Na renda variável, o Ibovespa cumpre esse papel para as Ações de modo geral. Logo, quem deseja investir em Ações pode acompanhar o desempenho de sua carteira comparando-a com os resultados do IBOV. Com base nisso, você saberá se ela está acima ou abaixo da média.

Neste post você aprendeu o que é índice Ibovespa, com um resumo de tudo sobre o Ibovespa. Agora ficará mais fácil avaliar os resultados da sua carteira de Ações e, se necessário, fazer adequações nos seus ativos.

Este conteúdo esclareceu o assunto? Se você se interessou por investir em opções atreladas ao Ibovespa, confira o nosso conteúdo sobre o Fundo de Índice BOVV11!