Quem se interessa por ativos 100% digitais não pode deixar de saber o que é Litecoin (LTC). Afinal, assim como o Bitcoin, essa criptomoeda é parte das alternativas de pagamento e investimento que chamam a atenção de muitas pessoas.

O LTC é baseado no código-fonte do Bitcoin. Contudo, existem grandes e importantes diferenças entre as moedas. Para entender mais sobre esse ponto, é relevante retomar o conceito de criptomoedas e compreender mais sobre os criptoativos, em geral.

Acompanhe o post e boa leitura!

O que são as criptomoedas?

As criptomoedas são moedas virtuais. Apesar de não existirem no mundo físico, é possível realizar diversas transações com elas por meio da tecnologia. Elas são, inclusive, aceitas em muitos estabelecimentos comerciais físicos.

Na prática, trata-se de códigos virtuais — formulados para que cada criptomoedas tenha características únicas. As criptomoedas mais conhecidas são:

  • Bitcoin;
  • Etherum;
  • Lisk;
  • Litecoin;
  • Bytecoin;
  • Dogecoin

Os criptoativos são fruto de ideias anarquistas e próximas ao cyberpunk, um subgênero de ficção científica. Logo, elas estão intimamente ligadas à liberdade e privacidade, que são termos-chave ao falar sobre ambos os movimentos.

Com esses dois principais pontos em vista, alguns grupos de pessoas usaram da tecnologia para criar moedas que não precisassem prestar contas a Bancos Centrais. Além disso, que não dependessem de estruturas físicas para funcionar. Assim, surgiram os ativos digitais.

Como as criptomoedas funcionam?

Toda e qualquer movimentação feita por meio de uma criptomoedas é realizada online. Para isso, são usados sistemas computacionais descentralizados.  Portanto, elas são independentes da mediação de instituições financeiras. Tanto em termos de uso quanto de sua criação.

Também não são reguladas por nenhum Banco Central, diferente do que acontece com o real, do dólar e de demais moedas físicas. De modo geral, a organização por trás de qualquer criptomoedas é dada pela tecnologia blockchain.

Ele é uma espécie de livro virtual. Ou seja, registra as transações feitas em moedas virtuais e torna-as públicas. Porém, nesse momento, não expõe os usuários — que ficam sempre anônimos.

O que é Litecoin e qual sua diferença para o Bitcoin?

A primeira moeda virtual que ganhou espaço no mercado financeiro foi o Bitcoin. Por isso, os que estão em busca de saber o que é Litecoin precisam entender um pouco mais sobre essa criptomoeda.

Isso porque o LTC deriva do código do Bitcoin. Porém, conta com algumas diferenças importantes. O Bitcoin foi apresentado ao público em 2007, na intenção de realizar transações ponto-a-ponto.

Essas transações não são governadas por nenhuma autoridade central, simplesmente passando entre pessoas por meio, majoritariamente, da criptografia. Desse modo, apenas os envolvidos acessem dados legíveis sobre a negociação.

Durante anos, o Bitcoin foi a única criptomoeda. Porém, em 2011, surgiu o Litecoin. O LTC foi inventado por Charlie Lee. Ele, que costumava ser engenheiro de software do Google, percebeu o potencial do Bitcoin, ao mesmo tempo em que notou algumas limitações.

Em busca de solucioná-las, desenvolveu o Litecoin. Com isso, trouxe diferenciais em relação à lentidão e aos preços altos. Muitas vezes, eles impediam o Bitcoin de ser usado como meio rotineiro de pagamento.

Lee também projetou o LTC para produzir mais blocos que o Bitcoin. Assim, a moeda tem um suprimento máximo mais alto.

É interessante saber que o Litecoin é conhecido como “moeda leve” ou “prata digital”. Isso porque seu objetivo sempre foi, de fato, ser mais leve que o Bitcoin — o “ouro digital” do universo das criptomoedas.

Como o Litecoin funciona na prática?

Agora que você sabe o que é Litecoin, deve estar se perguntando como ele funciona na prática. Como mostramos, o LTC foi baseado no Bitcoin. Dessa forma, foi construído com os mesmos fundamentos — com destaque para a descentralização.

Contudo, o Litecoin é notoriamente mais rápido. Isso porque usa tecnologias para obter tempos de processamento de bloco mais rápidos, como a Segregated Witness (SegWit). Usa também o Atomic Swaps, uma tecnologia que permite a troca ágil de diferentes criptomoedas.

A tecnologia de troca citada faz com que o LTC conte com alta interoperabilidade. Ou seja, uma capacidade notável de se comunicar de forma transparente com outros sistemas.

É possível acompanhar quanto o LTC está valendo no momento em relação ao real brasileiro por meio deste link.

Como investir em Litecoin?

Você já notou que as criptomoedas têm um espaço de peso na sociedade. Ao longo dos anos, isso tem feito com que os investidores se interessem cada vez mais em investir nelas. E, ao saber o que é Litecoin, muitos desejam contar com essa moeda entre seus investimentos.

Afinal, alternativas como o LTC podem representar formas de internacionalizar a carteira de investimentos. Além disso, permite reduzir algumas taxas (quando comparado à troca de moedas físicas, por exemplo) e realizar transações com privacidade e simplicidade.

No Brasil, é possível investir em criptomoedas com o LTC por meio de corretoras — as exchanges. Além de ser possível adquirir a moeda de forma direta, os investidores também podem contar com fundos de investimento em moedas digitais.

Porém, antes de fazer isso, é importante considerar alguns pontos. O primeiro deles é a segurança das operações. Isso porque existem instituições golpistas que aproveitam a falta de regulamentação desse tipo de moeda para enganar investidores.

Então, é fundamental prezar por instituições idôneas antes de realizar os aportes. Ainda assim, os riscos são altos, já que as criptomoedas não respondem a nenhum órgão e apresentam alta volatilidade.

Agora que você sabe o que é Litecoin e como ele funciona pode decidir se vale a pena para sua estratégia. Não deixe de considerar seu perfil de investidor e objetivos ao analisar as criptomoedas!

Quer saber ainda mais sobre o investimento em criptomoedas? Então conheça a Hashdex, a gestora de fundos focada em criptoativos!