Desde o surgimento do Bitcoin, muitas outras criptomoedas foram criadas e começaram a angariar entusiastas. Porém, considerando a maioria existente, você possivelmente se surpreenderá ao conhecer o que é Dogecoin.

Afinal, essa moeda digital foi criada de maneira despretensiosa e, mesmo assim, já tem uma capitalização que atinge bilhões de dólares. Diante desse cenário, faz sentido pensar na possibilidade de investimento em tal ativo.

Mas será que a alternativa realmente vale a pena? A seguir, conheça a Dogecoin e entenda como ela funciona!

O que é a Dogecoin?

A Dogecoin é classificada como um criptoativo, fazendo parte do grupo das moedas digitais ou criptomoedas.

A sua origem não está relacionada a um processo sério ou a um manifesto real, como foi o caso do Bitcoin. Na realidade, a Dogecoin surgiu como uma espécie de meme da internet, sem pretensões de se tornar um ativo financeiro.

Sua criação aconteceu no final de 2013, quando Billy Markus, um dos responsáveis pelo desenvolvimento, passou a trabalhar em seu código. O nome foi dado em homenagem a um cão japonês, o qual representa a identidade dessa criptomoeda.

Após sua criação, ela começou a se popularizar, principalmente nos fóruns online. No início, estava restrita a poucos usuários, mas agora está aberta a diferentes interessados.

Como ela funciona?

Apesar de ter surgido como uma piada, a Dogecoin tem um funcionamento bem estruturado e semelhante ao de outras moedas digitais. Ela tem o código aberto, que está disponível para quem quiser acessá-lo.

Também é descentralizada e conta com uma boa capacidade de realizar transações, sem tanto congestionamento. Sua valorização, entretanto, ainda é pequena. No momento de pico em anos anteriores, chegou a valer pouco mais de US$ 0,001.

Bem abaixo da cotação de Bitcoin, que já atingiu uma máxima de US$ 10.750, em 2017. Mesmo assim, ela começou a ser usada para realizar trocas entre seus investidores e entusiastas, com destaque para os frequentadores de fóruns.

Quais são as diferenças para outras criptomoedas?

Sabendo o que é Dogecoin, você notará que ela é bem parecida a outras moedas. Porém, é importante saber que ela também tem diferenças e que podem ter impacto para quem pretende investir em criptomoedas.

Um dos pontos de destaque é a quantidade disponível. Em relação ao Bitcoin, há muito mais “doges”, como a moeda também é chamada. Isso torna o investimento mais acessível, mas também serve para diminuir a sua valorização relativa.

Além disso, o processo de mineração dessa alternativa é bem mais simples. Enquanto o Bitcoin exige computadores com alta capacidade de processamento, minerar Dogecoin é uma tarefa que pode ser executada com equipamentos cotidianos.

Outro ponto de distinção é que a Dogecoin tem um número ilimitado de moedas, diferentemente do Bitcoin e outras alternativas. Com mais pessoas minerando Dogecoin, ela se torna mais disponível no mercado.

Quais são suas principais vantagens?

Um dos pontos mais benéficos da Dogecoin é o fato de ela ser muito barata e disponível. Praticamente qualquer pessoa é capaz de comprar uma ou mais unidades, graças a essa característica.

Também há como minerar essa criptomoeda com facilidade, mesmo com recursos mais simples. Então, nada impede que você possa obter esse ativo por meio da mineração em um computador de uso cotidiano, por exemplo.

Além disso, suas transações são eficientes e acontecem em questão de segundos. Como o volume de negociação do Bitcoin e de outras criptomoedas é muito grande, há uma espécie de congestionamento. No caso da Doge, isso não ocorre.

A comunidade engajada é outro ponto de atenção. Apesar de não estar ligada diretamente com a valorização ou com a mineração de moedas, a comunidade pode trazer oportunidades de trocas e vendas com uso da criptomoeda entre os membros, como já vem acontecendo.

Quais são os riscos da Dogecoin?

Ao mesmo tempo em que traz alguns aspectos interessantes, a Dogecoin exige atenção. Investir em Dogecoin é arriscado, como acontece com qualquer criptomoeda. Ainda não está claro se os ativos digitais formam uma bolha de investimento ou se realmente são o futuro.

Além disso, ter uma carteira de Dogecoin pode não ser tão oportuno por causa do valor quase irrisório que ela apresenta. Pela capacidade infinita de geração de moedas, é pouco provável que ela se valorize com grande intensidade.

Ao pensar na Dogecoin no Brasil, especificamente, ela pode ser menos oportuna. Isso porque a entrada de moedas digitais para uso prático no país acontece de maneira lenta e isso tem mais impacto para a Doge, que surgiu, inicialmente, como uma piada.

Como é feito o investimento em Dogecoin?

Se, mesmo depois de conhecer os riscos, você decidir que vale a pena investir em Dogecoin, saiba que o processo ocorre por meio das exchanges. Elas funcionam como instituições financeiras de investimentos tradicionais, mas são focadas em criptomoedas e outros ativos digitais.

Após criar sua conta, basta transferir os recursos em câmbio atual (no caso, o real) e adquirir a Dogecoin. Ela será mantida em sua carteira virtual, de acordo com seus interesses. Quando desejar, poderá vendê-la e o valor será creditado em sua conta na exchange.

Como ocorreu a valorização relâmpago da Dogecoin?

Apesar de ser considerada um ativo de baixíssimo valor, em 2021 a Dogecoin viu seu preço se multiplicar. No entanto, não se pode afirmar que o movimento de crescimento continuará, já que é fruto de situações pontuais.

O aumento aconteceu na esteira de um movimento de usuários de um fórum que se uniram para elevar o preço de negociação das ações da Gamestop, uma empresa à beira da falência.

O movimento fez com que fundos de investimento de Wall Street perdessem milhões de dólares e deu origem a uma verdadeira onda de compra de outros ativos que estavam em queda.

Como a movimentação surgiu nos fóruns, ambiente de criação da Dogecoin, a criptomoeda acabou se tornando um alvo desse comportamento. Como resultado, passou por uma intensa valorização e praticamente alcançou US$ 0,02 — o maior preço de sua história.

A situação também tem a contribuição de Elon Musk, que se tornou a pessoa mais rica do mundo em janeiro de 2021. O magnata postou mensagens nas redes sociais sobre a Dogecoin e, como aconteceu com outras criptomoedas que ele citou, o interesse e a valorização dispararam.

Ao saber o que é Dogecoin, você passa a conhecer uma das criptomoedas mais inusitadas já criadas até hoje. Como vimos, é preciso ter cuidado ao vê-la como investimento, por causa dos altos riscos associados ao ativo.

O que você pensa dessa moeda digital? Tem alguma questão que não foi respondida? Deixe seu comentário!

Quer saber mais sobre as moedas digitais que estão fazendo sucesso no mundo dos investimentos?

Baixe nosso e-book elaborado por especialistas Renova Invest