FPOR11 Saiba mais sobre esse Fundo de participacoes
FPOR11 Saiba mais sobre esse Fundo de participacoes

FPOR11: Saiba mais sobre esse Fundo de Investimento em Participações

Os Fundos de Investimento são alternativas acessíveis e que permitem que você diversifique a carteira com praticidade. Entre as possibilidades, há os Fundos de Investimentos em Participações e, nesse caso, o FPOR11 chama a atenção.

Atrelado a títulos do Porto Nordeste, é um fundo com oportunidades, estratégia e riscos que devem ser conhecidos. Assim, você poderá saber se ele deve ou não fazer parte da sua carteira.

Na sequência, veja tudo sobre o Fundo de Investimentos em Participações do tipo FPOR11 e entenda como ele funciona na prática!

O que é um Fundo de Investimento em Participações?

O Fundo de Investimento em Participações reúne diversos investidores que adquirem cotas e passam a participar dos resultados do fundo. Os recursos são movimentados por uma gestão profissional, que é a responsável por definir onde o dinheiro deve ser alocado.

No caso dos FIP, há uma especificidade sobre o destino dos valores: participações em empresas. Inclusive, as de capital fechado. A gestão pode utilizar o montante para adquirir uma parte do negócio, na condição de sócio.

Além disso, pode comprar Ações de companhias de capital aberto. E até mesmo investir em Debêntures que possam ser convertidas em Ações ou direitos de subscrição.

Como ele funciona?

Como visto, o FIP se baseia no direcionamento de recursos para adquirir a participação de empresas. Tudo isso é feito pela gestão, que também passa a ter o direito de indicar membros para o Conselho Administrativo dos negócios em questão.

Há diferenças no funcionamento, ainda, de acordo com a estratégia adotada. Um fundo de capital semente, por exemplo, possibilita alocar o dinheiro em empreendimentos iniciantes. Logo, que ainda não estão consolidadas.

Já um FIP de empresas emergentes aporta em negócios que já têm alguma experiência no mercado, mas que estão em desenvolvimento. Por sua vez, o FIP de infraestrutura foca em empreendimentos desse setor e o multiestratrégia diversifica a alocação de recursos entre essas e outras alternativas.

Como o dinheiro é utilizado para comprar a participação nos negócios, é comum que a liquidez seja baixa e o prazo longo. Afinal, é preciso que haja tempo o bastante para o investimento se consolidar e oferecer resultados, de modo a possibilitar o resgate.

Qual é o objetivo de um FIP?

Conhecendo as características do FIP, é mais fácil reconhecer seus objetivos. O principal é participar da tomada de decisão dos negócios. Enquanto um fundo tradicional de Ações participa, normalmente, apenas dos resultados, um FIP tem voz ativa nas reuniões do conselho.

Assim, ele investe em empresas nas quais seja possível estar presente no direcionamento das estratégias de mercado. Normalmente, a intenção é encontrar negócios com bom potencial e atuar em sua estruturação e em seu direcionamento.

Com isso, a expectativa é que o negócio deslanche e gere desempenho acima da média para os cotistas. Para que esses resultados possam ser atingidos, a gestão do fundo não apenas escolhe a alocação, mas deve atuar diretamente no aperfeiçoamento do negócio.

O que é o FPOR11?

O FPOR11 é um exemplo de FIP de Infraestrutura. Sua estratégia envolve a aquisição de títulos ligados à operação do Porto Sudeste e que são conhecidos como PORT11. A criação do fundo se deu após a necessidade de estruturação por parte da mineradora MMX.

Os títulos PORT11 foram emitidos para que a empresa pudesse captar recursos e terminar a construção do Porto Sudeste. A partir daí, o fundo FPOR11 foi criado e substituiu as Ações MMXM11 na carteira de investimentos de quem possuía o ativo.

Quais são as suas características?

Como você pôde notar, o FPOR11 é voltado para o investimento em infraestrutura — especificamente, na área de transporte e logística. Logo, o gestor tem a chance de participar diretamente da estrutura gerencial de um terminal portuário.

O fato de ser de infraestrutura também define qual é a estratégia e determina como a gestão faz a alocação de recursos. O fundo é administrado pela BRL Trust e passa por auditorias periódicas, que buscam atestar a idoneidade dos balanços e as informações que chegam ao investidor.

Além disso, apesar de bem diferente dos fundos tradicionais, o FPOR11 tem cotas negociadas no mercado balcão tradicional da bolsa de valores brasileira. Porém, o resgate é limitado à data de liquidação.

Quanto ao desempenho, o título atrelado ao Porto Sudeste não pagou dividendos desde sua criação, até 2020. No entanto, é algo que pode ser revertido de acordo com os resultados da empresa no futuro.

A taxa de administração varia sobre o patrimônio líquido do fundo. Em relação ao público de interesse, ele é destinado a investidores qualificados. Ou seja, que tenham certificação específica do mercado financeiro ou, no mínimo, R$ 1 milhão comprovadamente investidos.

Qual é a estratégia do FPOR11?

Considerando que se trata de um fundo de infraestrutura, a estratégia está focada em direcionar recursos para a área. Na prática, o total consolidado ajuda a financiar a elaboração e a finalização do Porto Sudeste.

Ele também visa a alocação em longo prazo, considerando os riscos e o potencial de resultados. No prospecto está previsto o pagamento de dividendos, embora, como vimos, ainda não tenha ocorrido.

Quanto ao seu funcionamento, é preciso que ele tenha, no mínimo, 5 cotistas e que nenhum detenha mais de 40% das cotas emitidas. A partir daí, ele funciona com foco no investimento da construção e na operação de uma nova estrutura de transportes.

Quais são os principais riscos do FPOR11?

Apesar de ser uma alternativa para quem deseja investir em FIPs de infraestrutura, o FPOR11 apresenta riscos que não devem ser desconsiderados. O risco de liquidez surge pela obrigação de resgatar o título somente em uma data específica estabelecida pelo fundo.

Considerando que os prazos costumam ser bastante longos, isso deve ser levado em conta. Também há, em destaque, o risco econômico. Além disso, considere o risco de mercado (que envolve as oscilações nos preços).

Como você viu, o Fundo de Investimento em Participações FPOR11 é atrelado ao Porto Sudeste, com características específicas de liquidez e resultados. Depois de conhecer as principais características, você pode avaliar se ele vale a pena para o seu perfil de investidor e os seus objetivos!

Quer conhecer mais sobre essa alternativa e outros FIPs disponíveis? Entre em contato com o nosso time!

Compartilhe:

Deixe uma resposta


Utilizamos cookies que melhoram a sua experiência em nosso site. Todos seguem as regras da nossa Politica de Privacidade. Clicando em "OK" você concorda com a nossa política.