O que é um FIP
O que é um FIP

O que é um FIP – Fundo de Investimento em Participações?

Você já ouviu falar em Fundo de Investimento em Participações? O FIP é um ativo financeiro que tem funcionamento diferente da maioria dos Fundos de Investimentos mais conhecidos. Dessa forma, é interessante entender mais sobre ele.

Quer saber o que é FIP e quais são as vantagens dessa modalidade de investimentos? Confira as informações que reunimos neste post. Ao final, será possível entender os principais aspectos desse fundo e identificar as oportunidades que ele pode trazer para sua carteira.

Acompanhe!

O que é um Fundo de Investimento?

Antes de entender especificamente o que é um Fundo de Investimento em Participações, é importante conhecer os Fundos de Investimentos. Eles funcionam de forma coletiva e reúnem o dinheiro de diversos investidores com um objetivo em comum.

Para participar do fundo é necessário comprar cotas. Um gestor profissional é o responsável por reunir os recursos financeiros aportados e administrá-los. Através de políticas e objetivos previamente acordados no prospecto do fundo, ele decide o que fazer com o dinheiro.

Assim, o mercado oferece diferentes modalidades de Fundos de Investimentos, que podem ter perfis e estratégias mais ou menos adequadas às suas necessidades. É importante reforçar que a gestão profissional não garante bons resultados no futuro.

No caso do FIP, o funcionamento é um pouco diferente dos fundos tradicionais, como você verá.

O que é FIP?

Assim como os demais Fundos de Investimentos, o FIP também reúne investidores em uma espécie de condomínio, gerido por administradores profissionais. Uma das principais diferenças que ele apresenta é a possibilidade de investir em empresas de capital fechado.

Além dessas empresas, fundos desse tipo podem também comprar ações de companhias de capital aberto e investir em debêntures que possam ser convertidas em Ações, bônus de subscrição e outros títulos mobiliários conversíveis.

O objetivo de um FIP é participar do processo de decisão das companhias nas quais ele investe. Os fundos de investimento em participações também têm como foco investir em empresas em fase de desenvolvimento – injetando dinheiro nesses empreendimentos.

Dessa forma, o administrador do fundo participa ativamente da gestão da companhia. Isso pode acontecer pela compra de Ações suficientes para participar do bloco de controle, pelo acordo com acionistas ou por outros procedimentos que garantem esse direito ao FIP.

Essa participação do fundo busca obter crescimento e valorização da empresa. Assim, é possível oferecer resultados aos cotistas do FIP.

Como você pode perceber, esse é um investimento de renda variável. A seguir você aprenderá mais sobre algumas das principais características do FIP e descobrirá como ele funciona.

Quais são os tipos de FIP?

Quando falamos em FIP precisamos considerar os tipos de Fundo de Investimento em Participações existentes no mercado. Confira quais são eles:

Capital semente

O objetivo de FIPs desse tipo é investir em empresas que tenham uma receita bruta anual menor que R$ 16 milhões. Para o cumprimento desse critério são analisados os exercícios sociais dos últimos três anos anteriores ao primeiro aporte do fundo.

Empresas emergentes

Um FIP do tipo empresas emergentes foca o seu investimento em companhias cuja receita bruta anual não ultrapassa R$ 300 milhões. O critério é o mesmo da opção anterior: considera-se os últimos três exercícios sociais da empresa.

Infraestrutura

Nesse caso, o foco do Fundo de Investimento em Participações é injetar dinheiro em empresas cuja área de atuação é a de infraestrutura. As companhias podem ter capital aberto ou fechado.

Como o nome indica, FIPs desse tipo estão interessados em investir o patrimônio dos cotistas em empresas cujo interesse é desenvolver pesquisas e inovações. Em geral, são buscadas companhias que foquem em áreas prioritárias — como energia, água, transporte, etc. Esse tipo de fundo tem um importante beneficio aos cotistas que é a isenção fiscal tanto para os dividendos como na venda das cotas.

Multiestratégia

Por fim, há um tipo de FIP que não segue uma das estratégias específicas que citamos até aqui. O FIP multiestratégia recebe esse nome por poder investir em múltiplas categorias dessas que foram apresentadas.

Como o FIP funciona?

Como falamos, o funcionamento de um Fundo de Investimento em Participações se diferencia dos fundos tradicionais. Isso se deve, principalmente, ao intuito de poder participar ativamente da gestão das empresas.

Com isso, quem investe em um FIP não está apenas procurando participar dos lucros de uma companhia. Mais do que isso, os cotistas têm influência nas decisões relevantes do negócio — representados, claro, pelo administrador do fundo.

 

Uma das funções mais importantes exercidas pelo gestor do FIP é indicar membros do conselho de administração das empresas. Esse é um exemplo de como esse fundo de investimento exerce seu papel na política das companhias.

Outro detalhe sobre o funcionamento dos FIPs é que eles precisam investir pelo menos 90% do seu patrimônio em Ações, Debêntures, bônus de subscrição e títulos que possam ser convertidos em Ações. Os 10% podem ser usados para investir em cotas de outros fundos.

Além disso, há um limite máximo de 33% para ser aplicado em Debêntures. O patrimônio do Fundo de Investimento em Participações também pode ser utilizado para comprar ativos do exterior — desde que não ultrapasse 20%.

É preciso saber, ainda, que esse tipo de fundo é voltado para investidores qualificados, pois o investimento inicial é alto. Ou seja, apenas pessoas físicas ou jurídicas que possuam mais de R$ 1 milhão comprovadamente investidos ou profissionais do mercado financeiro podem investir.

O foco no longo prazo é mais um aspecto fundamental. Como investem no crescimento de empresas, os FIPs costumam ter um período maior de carência.

Quais os riscos de investir em FIP?

Embora possa ser muito vantajoso para grandes investidores e empresas, os FIPs estão expostos a alguns riscos. Conheça os três principais fatores relacionados aos riscos dos Fundos de Investimento em Participações.

1.      Risco de mercado

O FIP se expõe a riscos mais elevados ao investir, preferencialmente, em empresas menores. Nesse sentido, as companhias podem não performar como esperado e enfrentar dificuldades em sua evolução.

Assim, se o negócio não conseguir ter lucros ou mesmo vier à falência, os cotistas terão prejuízos com o investimento.

2.      Riscos econômicos

Riscos macroeconômicos também estão envolvidos nos FIPs. Eles são relacionados às dificuldades econômicas em escala regional, nacional ou global. O grande problema é que, normalmente, empresas pequenas estão mais vulneráveis aos períodos de instabilidade.

Além disso, nesses momentos, fica mais difícil para o negócio crescer. Com isso, em épocas de crise econômica, os riscos para quem investe em FIP aumentam.

3.      Risco de liquidez

A liquidez é outro fator que deve ser considerado, pois é importante lembrar que o FIP tem participação na gestão de uma empresa. Isso resulta em algumas características específicas desses fundos.

Normalmente, eles não são fundos líquidos no mercado. Se você precisar transformar o investimento em dinheiro, poderá encontrar dificuldades. Além disso, o caráter do investimento o torna mais adequado para o longo prazo.

Vale a pena investir em FIP?

Agora você já conhece as principais informações sobre o que é e como funciona um FIP, além de saber os seus riscos. Mas, será que vale a pena fazer esse investimento?

A seguir, vamos apresentar as vantagens do FIP, assim como algumas desvantagens. Confira!

Gestão profissional

Da mesma forma como acontece com os demais fundos de investimentos, um dos pontos positivos de investir e um FIP é contar com a gestão de um profissional. As decisões acerca de em quais empresas investir são tomadas por um especialista.

É importante lembrar também que esse mesmo gestor profissional será o responsável por influenciar as decisões da própria companhia. Isso significa que a expectativa por bons resultados pode aumentar caso o administrador seja alguém bastante eficiente.

Normalmente, os gestores de FIPs procuram por empresas com um bom potencial de crescimento. Assim, os cotistas participam do desenvolvimento da companhia e podem receber bons resultados ao final do período estipulado pelo fundo.

Oportunidade de ganhos relevantes

Outra vantagem está na possibilidade de lucro. A maioria das empresas que os FIPs investem está em fase de desenvolvimento e, com isso, podem ser investimentos com alto potencial de retorno no longo prazo.

Além disso, o fundo tem participação ativa na gestão da empresa. Uma companhia com potencial e que é guiada por bons gestores tende a ter bons resultados, resultando em oportunidades de ganhos relevantes.

Permite a diversificação

A estratégia de diversificar os investimentos é bastante utilizada por muitos investidores. Como o FIP permite a participação em diferentes empreendimentos, independentemente de serem de capital aberto ou fechado, há redução do risco global da carteira.

Além disso, o FIP pode investir uma pequena parcela de seu capital em ativos no exterior. Isso significa que investir nesse fundo é uma forma de ter acesso descomplicado a companhias internacionais.

Parte superior do formulário

Dividendos menos frequentes

Com relação às desvantagens, os FIPs podem pagar dividendos menos frequentes que outros fundos. Eles possuem em seus regulamentos o benefício do pagamento de proventos, mas a frequência tende a ser menor, de acordo com as definições nas normas do FIP.

Alto investimento

Outro revés relacionado aos fundos de investimento em participações é o seu alto custo. Eles são destinados a perfis de investidores qualificados — em muitos casos, empresas do ramo de investimentos, instituições financeiras ou profissionais do mercado financeiro.

É preciso, portanto, se atendar a essa questão e ter em mente que, para investir em FIP, normalmente, é necessário disponibilizar recursos maiores para aportes.

O FIP tem liquidez?

Apesar de esse fator representar um risco, como você viu, o FIP geralmente tem liquidez quando negociado na bolsa de valores. Um exemplo é o FIP Apollo administrado pela Perfin.

No entanto, a maioria deles não funciona como fundos de investimento tradicionais, que têm suas cotas sendo negociadas na bolsa.

O mais comum é que um FIP tenha uma data de vencimento estabelecida. Nesse sentido, não é possível fazer o resgate antecipado ou vender as cotas antes desse período. A exceção acontece quando há uma assembleia entre os cotistas e isso é autorizado.

Além de não ser possível resgatar o investimento, também não é viável investir mais dinheiro ao longo do tempo. A entrada no fundo se dá uma vez só e, depois disso, é necessário aguardar a finalização dele.

Como escolher um FIP?

Depois de entender que existem possibilidades bastante diversas de FIPs, é importante saber quais são as mais adequadas para você. Confira algumas dicas do que considerar na hora de avaliar um Fundo de Investimento em Participações e tomar a decisão de investir.

Conheça seu perfil e seus objetivos

O primeiro ponto é saber qual é o seu perfil de investidor. Como você acompanhou, existem diversos riscos associados ao investimento em FIPs. Com isso, é fundamental estar disposto a correr maiores riscos.

Também vale ressaltar que a opção está disponível apenas para investidores qualificados e que o valor do investimento pode ser elevado. Com isso, é necessário avaliar o montante disponível para investir.

Seus objetivos também precisam estar alinhados ao prazo do FIP. Devido às características do investimento, é essencial se preparar para o longo prazo.

Conheça o prospecto

O prospecto contém informações básicas sobre o FIP que você deve conhecer. Ele permite conhecer as estratégias e os objetivos do fundo, que servirão como base para a sua tomada de decisão.

Além disso, o documento apresenta as políticas de investimento e as regras aos quais os investidores devem se submeter. Procure saber também sobre o aporte mínimo, os prazos para solicitar resgate, entre outras informações relevantes.

Analise a gestão

A gestão é um dos principais fatores que devem ser avaliados no momento de escolher um Fundo de Investimento em Participações. Nesse caso, os gestores não apenas controlam e organizam os recursos do investimento, mas também têm participação na administração das empresas nas quais o FIP investe.

Ou seja, a gestão tem responsabilidade direta nos resultados que o investimento pode ter. Analise os critérios que os gestores seguem, a qualidade da administração e a transparência na comunicação das informações.

Confira o tipo de FIP

Outro ponto que você deve ter atenção é com relação ao tipo de FIP que pretende investir. Afinal, a carteira do fundo pode ser composta por diversos ativos. Portanto, é essencial conhecer os detalhes antes de investir.

Se possível, estude as particularidades dos negócios nos quais o fundo investe. Isso faz com que você possa tomar uma decisão mais segura e adequada às suas expectativas.

Essas são as principais características de um Fundo de Investimento em Participações (FIP). Trata-se de mais uma opção da renda variável para investidores qualificados, que pode ser considerada para fazer parte da carteira de alguns investidores.

Afinal, com uma boa gestão, os resultados de um FIP podem ser muito atrativos.

E você, tem interesse em encontrar as melhores oportunidades de investimento? Entre em contato conosco e fale com a mais qualificada equipe de assessores.

Compartilhe:

Deixe uma resposta


whatsapp icon chatbot Renata

Quer fazer seus investimentos renderem mais?

Clique aqui e fale com os nossos Assessores

Utilizamos cookies que melhoram a sua experiência em nosso site. Todos seguem as regras da nossa Politica de Privacidade. Clicando em "OK" você concorda com a nossa política.