Quando se fala em investimentos, um termo que aparece constantemente é a rentabilidade. Junto à liquidez e à segurança, eles formam o tripé dos investimentos. Portanto, cada um desses elementos tem sua importância na avaliação das alternativas do mercado financeiro.

Por essa razão, os investimentos devem ser avaliados criteriosamente antes de tomar a decisão sobre o aporte. Logo, é necessário que o investidor saiba exatamente o que é e como calcular a rentabilidade. Desse modo, ele poderá fazer uma melhor escolha na composição da carteira.

Neste post, você aprenderá o que é rentabilidade, por que é tão importante conhecê-la e como calculá-la. Boa leitura!

O que é rentabilidade?

É comum que surjam dúvidas sobre o que, de fato, significa a rentabilidade. Na prática, ela é o percentual de remuneração ou de valorização do investimento. Ou seja, a porcentagem de quanto o investimento teve ou terá de retorno.

Além disso, é preciso ter atenção porque também pode existir rentabilidade negativa. Afinal, o mercado de investimentos apresenta riscos.

Como funciona a rentabilidade na renda fixa e na renda variável?

Existem duas classes de investimentos: renda fixa e renda variável. E, dentro de cada uma delas, há alternativas diferentes. Contudo, como a dinâmica de rentabilidade é o principal ponto de distinção entre as classes — e vale a pena entender como funciona!

Renda fixa

Na renda fixa, os investimentos funcionam como um empréstimo ao emissor, que pagará os juros acordados como remuneração ao investidor. A lógica de rentabilidade é conhecida no momento do aporte, podendo ser:

  • um percentual fixo;
  • atrelada a um índice de mercado;
  • atrelada a um índice mais um percentual fixo.

Renda variável

Já na renda variável, não é possível saber qual será o retorno obtido antes do aporte ou, até mesmo, se o ativo trará ganhos. Isso pode aumentar o potencial de rentabilidade, mas também eleva os riscos envolvidos.


Quais são as diferenças entre rentabilidade nominal e real?

Após entender o conceito, é importante entender que o rendimento pode ter subdivisões. Na realidade, é possível avaliar a rentabilidade nominal e a rentabilidade real.

Entenda a diferença entre elas:

Rentabilidade nominal

A rentabilidade nominal é o percentual do valor bruto do rendimento em determinado período. Ela consta nas informações do investimento e se refere à remuneração do dinheiro aplicado.

Por exemplo, ao investir em um CDB (certificado de depósito bancário), será informado sobre a rentabilidade, como 120% do CDI.


A rentabilidade nominal ainda pode ser dividida em duas: a líquida e a bruta. A diferença é que a primeira considera o pagamento de Imposto de Renda e outros custos — como taxas e emolumentos. Assim, oferece uma percepção melhor do retorno que poderá ser obtido com o aporte.

Ademais, vale lembrar que a rentabilidade nominal bruta é facilmente identificável na renda fixa, já que é apresentada no título. Na renda variável, a informação pode ser consultada na plataforma de do banco de investimentos, avaliando cada ativo da sua carteira.

Rentabilidade real

Já a rentabilidade real é o rendimento descontado a variação da inflação. Como esse índice afeta diretamente o poder de compra, é necessário considerá-lo para identificar se houve o crescimento do capital.

Para entender melhor a questão, saiba que, se a rentabilidade real for positiva, há valorização do dinheiro. Em contrapartida, se for negativa, há a perda do poder de compra — ainda que o investimento tenha gerado retorno.

Sendo assim, mesmo que a rentabilidade nominal seja atrativa, é necessário calcular a real para avaliar os resultados ou o seu potencial.

Por que conhecer a rentabilidade real de um investimento?

Após entender as diferenças entre rentabilidade nominal e real, você já deve ter percebido a importância de conhecer o retorno real de um investimento. Para quem tem objetivos de maior prazo, ela é ainda mais relevante.

Isso porque, ao longo do tempo, a rentabilidade nominal pode ser menor que a inflação. Então, o resultado seria uma rentabilidade real negativa. Em outras palavras, essa perda do poder de compra geraria prejuízo ao patrimônio do investidor.

Qual é a diferença entre rentabilidade real e lucratividade?

Não é incomum que os termos rentabilidade real e lucratividade gerem confusão. Mas saiba que, enquanto a primeira aponta o percentual de ganho referente ao capital investido, o segundo demonstra o retorno efetivo.

O motivo para essa diferença está no fato de que existem custos que devem ser considerados ao calcular os ganhos. Desse modo, é preciso descontar do retorno obtido todas as taxas e tarifas que são cobradas, de acordo com o tipo de investimento.

O resultado desse cálculo será o lucro, expresso pelo total de ganho em reais. É muito comum que a lucratividade seja calculada em investimentos de curto prazo. Afinal, eles podem não sofrer tantos impactos da inflação, mas são afetados pelos custos.

Já a rentabilidade real é frequentemente utilizada na avaliação de investimentos de longo prazo. Isso porque a inflação é mais atuante nesse tipo de investimento, influenciando no ganho real.

Como calcular a rentabilidade real?

Você já aprendeu que a rentabilidade real é importante para considerar se um investimento pode ser vantajoso. Agora, é necessário saber fazer o cálculo para descobrir a rentabilidade real do investimento.

Nesse momento, não basta diminuir a taxa de inflação para chegar ao resultado. O cálculo é mais complexo, exigindo que o retorno nominal seja considerado para identificar a diferença.

Portanto, para fazer o cálculo da rentabilidade do investimento, pode-se usar a seguinte fórmula:

rentabilidade real = (1 + rendimentos) ÷ (1 + inflação) – 1

Se for interessante, é possível calcular os lucros subtraindo do resultado o valor das taxas de administração, tarifas e impostos. Lembre-se também de verificar a alíquota de Imposto de Renda, caso haja incidência do tributo.

Com a informação da lucratividade, pode-se entender melhor se o patrimônio foi valorizado e de quanto foi o aumento, em caso positivo, ou identificar as perdas. Assim, é possível fazer uma avaliação detalhada e ter mais segurança para fazer as melhores escolhas de investimento.

Neste post, você pôde compreender o que é rentabilidade e a importância de saber como calcular o retorno real dos investimentos. Porém, lembre-se de que esse não é o único fator que deve ser avaliado. Observe também a liquidez e os riscos, para entender se as opções são adequadas ao seu perfil e objetivos.

Ficou alguma dúvida ou quer saber mais sobre investimentos? Então entre em contato conosco e converse com um de nossos assessores!