A renda fixa é uma classe que conta com diversos tipos de investimentos, atendendo a diferentes objetivos e perfis de investidor. Por isso, é necessário conhecer as alternativas disponíveis no mercado e as suas características para realizar uma boa escolha na composição da sua carteira.

Note que os títulos dessa classe têm muitos elementos em comum, mas também existem distinções importantes entre eles que merecem atenção. Então buscar mais informações acerca do assunto pode ajudar na sua estratégia de investimentos.

Quer saber mais sobre o tema? Continue a leitura para conferir os principais tipos de investimento em renda fixa!

O que é a renda fixa?

Antes de conhecer os tipos de investimentos de renda fixa, é importante entender o que é essa classe. Trata-se da denominação utilizada para um grupo de investimentos que tem como principal característica a previsibilidade em relação aos rendimentos.

Os títulos de renda fixa funcionam como um empréstimo ao emissor. Assim, o investidor aplica o seu dinheiro e recebe a quantia de volta com uma remuneração. No momento do aporte, ele sabe quais serão as regras e como acontecerá a rentabilidade — logo, essa classe é considerada mais segura.

Quais são as características dos investimentos de renda fixa?

Os diferentes tipos de investimentos da renda fixa têm algumas características em comum. Confira as principais delas!

Rentabilidade

A rentabilidade das aplicações de renda fixa é determinada antes do aporte e pode acontecer de três formas. Veja só:

  • prefixada — os títulos rendem a partir de uma taxa de juros fixa;
  • pós-fixada — os títulos são remunerados conforme a variação de um indicador da economia, como o CDI (Certificado de Depósito Interbancário);
  • híbrida — as aplicações rendem uma taxa de juros fixa mais a variação de um indicador econômico, por exemplo, o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo).

Prazos

Os investimentos da renda fixa costumam ter um prazo de vencimento. Ou seja, um período determinado para o fim da aplicação. Ele depende de cada emissor e é possível encontrar títulos de curto, médio e longo prazo.

Liquidez

A liquidez de um investimento se refere ao tempo necessário para ele ser convertido em dinheiro disponível. Na renda fixa existem alternativas variadas. Por exemplo, é possível encontrar títulos com liquidez diária, que permitem o levantamento rápido do montante, ou com resgate apenas no vencimento.

Riscos

Como foi possível aprender, a renda fixa concentra alternativas de investimentos consideradas mais seguras e previsíveis. Mas isso não significa que ela é isenta de riscos. Como são aplicações semelhantes a um empréstimo, elas contam com o risco de crédito.

Assim, é possível que o emissor dos títulos fique inadimplente e o investidor tenha dificuldade em receber o seu dinheiro, por exemplo. Por isso, o ideal é avaliar os riscos antes de escolher suas aplicações.

Além disso, existem títulos que têm a cobertura do Fundo Garantidor de Créditos (FGC). Essa é uma proteção em caso de problemas financeiros para o emissor, que assegura o pagamento de até R$ 250 mil por CPF ou CNPJ e instituição. O total coberto é de R$ 1 milhão, renovável a cada 4 anos.

INVESTIR FORA DO BRASIL? DESCUBRA COMO

INVESTIR FORA DO BRASIL? DESCUBRA COMO

Aprenda a como investir no exterior de forma prática

Impostos

Também é relevante saber que a maioria dos investimentos de renda fixa é tributada pelo Imposto de Renda (IR). A alíquota incide sobre os lucros e segue a tabela regressiva:

  • até 180 dias — 22,5%;
  • de 181 a 360 dias — 20%;
  • de 361 a 720 dias — 17,5%;
  • acima de 720 dias — 15%.

Além disso, as aplicações resgatadas com menos de 30 dias do aporte têm a cobrança do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). A tarifa é de 96% no primeiro dia e reduz diariamente até chegar a zero no trigésimo dia.

Quais são os principais tipos de investimentos em renda fixa?

Agora que você já sabe as informações gerais sobre os investimentos em renda fixa, é o momento de conhecer os principais títulos disponíveis no mercado financeiro.

Acompanhe!

Títulos do Tesouro Direto

Os investimentos públicos de renda fixa, emitidos pelo Governo Federal, são negociados na plataforma Tesouro Direto. É possível encontrar diferentes tipos de títulos, com características distintas.

Eles são considerados os investimentos mais seguros do mercado, pois têm a garantia do Tesouro Nacional — que é tradicionalmente um bom pagador. Além disso, o Governo garante a recompra dos produtos financeiros a qualquer momento, gerando alta liquidez.

Debêntures

As debêntures são emitidas por empresas, como recurso para captar fundos para as suas atividades. É interessante observar que elas podem ser simples ou incentivadas. As debêntures incentivadas são destinadas a empresas de infraestrutura e são isentas de Imposto de Renda (IR). Vale destacar que esses títulos não são cobertos pelo FGC.

CDB

Os certificados de depósitos bancários (CDBs) são títulos emitidos por bancos. Eles estão entre as alternativas mais populares da renda fixa, pois o aporte é simples e costuma ser acessível. Essas aplicações têm a cobertura do FGC e são tributadas pelo IR.

CRI e CRA

No campo dos títulos de emissão privada da renda fixa, também estão o certificado de recebíveis imobiliários (CRI) e do agronegócio (CRA). Os recursos captados com os investimentos são direcionados a esses setores específicos.

A operação é intermediada por securitizadoras, que transformam os direitos creditórios de empresas em títulos para serem negociados no mercado. Um diferencial do CRI e CRA é a isenção de IR, mas eles apresentam maior risco por não terem cobertura do FGC.

LCI e LCA

A letra de crédito imobiliário (LCI) e do agronegócio (LCA), similarmente ao CRI e CRA, têm seus recursos destinados a esses setores específicos.

Mas, nesse caso, não há participação das securitizadoras. Na verdade, os títulos são emitidos por bancos e instituições financeiras. Esses investimentos são isentos da tributação de IR e contam com a proteção do FGC.

LC

Por fim, outro exemplo de investimento da renda fixa é a letra de câmbio (LC). Ela funciona de maneira semelhante ao CDB, porém, a emissão é feita por financeiras e instituições bancárias.

Como investir em renda fixa?

Após conhecer os principais títulos de renda fixa, também é importante saber como fazer o investimento nessa classe. Para isso, você precisará ter uma conta ativa em um banco de investimento de sua confiança.

Na plataforma do banco, você terá acesso aos títulos de renda fixa disponíveis. Assim, basta selecionar o produto financeiro desejado, transferir os recursos para a conta de investidor e confirmar o aporte.

Agora que você já sabe quais são os tipos de investimentos de renda fixa mais importantes, pode verificar se eles fazem sentido para a sua estratégia. Para tanto, observe o alinhamento ao seu perfil de investidor e objetivos a fim de realizar uma boa escolha.

Se ainda tiver dúvidas sobre as alternativas do mercado financeiro, você pode contar com a assessoria de investimentos. Entre em contato com a Renova Invest e veja como podemos ajudar!