Fundo de Investimento em Participações (FIP): conheça o PICE11
Fundo de Investimento em Participações (FIP): conheça o PICE11

Fundo de Investimento em Participações (FIP): conheça o PICE11

Você sabe do que se tratam os fundos de investimento em participações — como o PICE11? Esse tipo de fundo de investimento tem ganhado espaço na carteira de investimentos de alguns brasileiros. Isso porque podem trazer oportunidades de diversificação e ganhos.

Assim como outros fundos, os FIPs reúnem os recursos de diversos investidores em torno de um objetivo em comum. Contudo, ele apresenta particularidades importantes, especialmente em relação ao risco.

Acompanhe o conteúdo e entenda mais sobre essa modalidade de investimento!

O que é um FIP?

É possível encontrar diferentes fundos de investimentos no mercado financeiro. Como você viu, o FIP é um deles. Ainda que ele também reúna investidores em torno de um objetivo em comum, seu funcionamento é um pouco diferente de outros fundos.

A primeira diferença entre o FIP e demais alternativas é o fato dele apresentar a possibilidade de investir em empresas de capital fechado. Por exemplo, uma sociedade anônima cujo capital social se divide entre poucos acionistas.

Além disso, os FIPs também podem:

  • comprar ativos de empresas de capital aberto;
  • investir em bônus de subscrição;
  • aplicar recursos em debêntures;
  • injetar dinheiro em empresas em fase de desenvolvimento etc.

De modo geral, o objetivo central de um FIP é participar do processo decisório das organizações nas quais investe. Sendo assim, quem administra o fundo exerce participação ativa na gestão da empresa.

Isso é feito na intenção de otimizar a valorização e o crescimento do negócio. Afinal, eles serão convertidos em resultados aos cotistas do fundo.

Desse modo, fica evidente que os FIPs são investimentos de renda variável. Logo, apresenta riscos significativos. É fundamental analisar atentamente as condições do fundo e conhecer seu perfil de investidor antes de investir.

O que é o PICE11?

Agora você sabe o que é um fundo de investimento em participações. Mas, o que é o PICE11? Essa sigla diz respeito ao código de negociação na B3 (bolsa brasileira) do PATRIA INFRAESTRUTURA ENERGIA CORE FUNDO DE INVESTIMENTO EM PARTICIPAÇÕES EM INFRAESTRUTURA.

Esse FIP foca os recursos a serem investidos no setor de energia. Em especial, no segmento de geração ou transmissão de energia elétrica.

Quais as principais características do PICE11?

Confira alguns dos principais pontos envolvidos no investimento do FIP a seguir!

Investimentos

Os investimentos do PICE11 focam-se em:

  • bônus de subscrição;
  • ações;
  • debêntures, simples ou conversíveis;
  • cotas de fundos de investimento em participações que invistam nos valores mobiliários mencionados;
  • outros títulos e valores mobiliários conversíveis ou permutáveis em ações, emitidos por companhias, de capital aberto ou fechado.

Objetivo

O objetivo central do fundo é levar a valorização dos recursos investidos aos cotistas no longo prazo. Para isso, o gestor adquire os ativos citados, considerando sempre o foco em geração e transmissão de energia do país.

Alguns projetos que podem ser inclusos são:

  • solares;
  • térmicos;
  • pequenas centrais hidrelétricas (PCH’s);
  • cogeração.

Público-alvo

O PICE11 é direcionado aos investidores qualificados. Isso significa que apenas aqueles com mais de 1 milhão de reais investidos ou que sejam profissionais certificados do mercado financeiro com cadastro na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) poderão comprar as cotas.

O Fundo deverá ter, no mínimo, 5 cotistas. Cada um deles não poderá ter mais do que 40% das cotas emitidas pelo fundo.

Em função do público-alvo descrito, o PICE11 é considerado diversificado e adota o Tipo 3 nos termos do Código ABVCAP / ANBIMA (Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital / Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais).

Equipe

O administrador do PICE11 é o PLURAL S.A. BANCO MÚLTIPLO. Já o gestor é o Patria Investimentos Ltda.

Em relação aos riscos, os aportes não contam com garantia do Administrador, dos Coordenadores, do Gestor ou de qualquer mecanismo de seguro. Também não é possível contar com a cobertura do Fundo Garantidor de Crédito (FGC).

Taxas e tributos

O fundo está sujeito à cobrança de taxa de administração e de gestão. Por outro lado, não são cobradas taxas de performance, ingresso e saída.

Os cotistas pessoa física do PICE11 são isentos do Imposto de Renda sobre os rendimentos auferidos por ocasião de resgate e amortização de cotas, bem como no caso de liquidação do fundo.

Prazo

O prazo do FIP está estabelecido em 99 anos — desde a data da primeira integralização de cotas de emissão.

Vale a pena investir no PICE11?

Antes de tomar qualquer decisão sobre investimentos, é primordial que o cotista conheça seu perfil de investidor e delimite objetivos. Você deve também analisar os riscos da aplicação para saber se vale a pena investir no PICE11.

No caso do FIP, existe a possibilidade de perda do capital investido. Afinal, trata-se de um investimento de renda variável, estando sujeitos a flutuações típicas do mercado.

Outros riscos inclusos no fundo incluem:

  • risco sistêmico;
  • condições adversas de liquidez e negociação atípica nos mercados de atuação;
  • risco de crédito.

Isto posto, não deixe de avaliar se seu perfil condiz com os riscos em questão e de avaliar a lâmina dessa modalidade de investimento.

Após conhecer as informações deste conteúdo, você poderá nortear a tomada de decisão sobre investir ou não no PICE11 com maior clareza. E, se precisar de ajuda para conhecer melhor esse FIP ou outras alternativas do mercado, conte com a Renova Invest!

Você se interessa por fundos de infraestrutura? Conheça o FIP de infraestrutura do BTG Pactual!

Compartilhe:

Deixe uma resposta


Utilizamos cookies que melhoram a sua experiência em nosso site. Todos seguem as regras da nossa Politica de Privacidade. Clicando em "OK" você concorda com a nossa política.