Ao iniciar os investimentos em renda variável, é comum que os investidores se perguntem sobre como começar a investir na bolsa. Afinal, as negociações realizadas nesse ambiente sofrem mais impacto das oscilações do mercado, deixando o capital do investidor mais exposto a riscos.

Por esse motivo, antes de iniciar os investimentos na bolsa de valores, é importante estudar para entender o mercado e se essa classe de investimentos se encaixa em sua estratégia. Dessa maneira, é possível obter confiança para tomar decisões mais acertadas ao investir.

Quer entender mais sobre o assunto? Então continue a leitura e saiba como começar a investir na bolsa de valores!

Vamos lá?

Como funciona o ambiente da bolsa de valores?

Antes de saber o passo a passo para investir na bolsa de valores, é importante entender como funciona esse ambiente. A bolsa é um espaço de negociação de investimentos de renda variável, reunindo lançadores de ativos, emissores de títulos e investidores.

Nesse sentido, ela funciona com a emissão de ordens de compra e de venda. Assim, quem deseja comprar emite a primeira ordem, e quem deseja vender emite uma ordem de venda. Quando as ordens apresentam preços equivalentes, a negociação é concluída.

Todas as negociações são feitas de maneira online, por meio de uma plataforma chamada home broker. Essa ferramenta é oferecida por um banco de investimentos, então você precisará abrir conta em uma instituição de sua confiança para começar a investir.

Vale destacar que a bolsa de valores não se limita ao mercado de ações. Na bolsa de valores brasileira (B3), por exemplo, existem outros ativos e veículos financeiros negociados nesse ambiente, como:

  • fundos de investimento imobiliário (FIIS);
  • certificados de valores mobiliários (BDRs);
  • fundos de índice (ETFs).

Ainda é possível negociar derivativos, que são instrumentos que derivam de ativos, como índices, commodities e ações. Entre os derivativos, estão os contratos futuros, contratos a termo e opções. Nesse caso, eles são utilizados para fins de especulação ou hedge (proteção) da carteira.

Passo a passo para começar a investir na bolsa

Após entender mais sobre o ambiente da bolsa de valores e os ativos negociados, é o momento de conhecer o passo a passo para começar a investir na bolsa.

Confira a seguir!

Organize as finanças e tenha uma reserva de emergência

O primeiro passo para começar a investir na bolsa é organizar as suas finanças. Isso porque é necessário ter dinheiro disponível para alocar, sem comprometer o seu orçamento e a qualidade de vida. Portanto, elabore um planejamento financeiro completo.

INVESTIR FORA DO BRASIL? DESCUBRA COMO

INVESTIR FORA DO BRASIL? DESCUBRA COMO

Aprenda a como investir no exterior de forma prática

Anote todos os ganhos e despesas, para identificar se os seus gastos e padrão de vida condizem com os seus ganhos, ou se é necessário cortar custos e fazer renda extra para investir.

Além disso, para ter as finanças organizadas, é essencial contar com uma reserva de emergência. Esse montante serve como proteção financeira, caso aconteça alguma situação imprevista — como uma urgência médica ou perda do emprego.

A reserva de emergência costuma ser equivalente a, pelo menos, 6 meses dos seus gastos médios mensais. Para que ela também proporcione rendimentos e não perca seu valor para a inflação, é interessante investir a reserva em uma alternativa com maior segurança e liquidez diária.

Entenda os riscos da renda variável

O passo seguinte é entender os riscos da renda variável. Nessa classe de investimentos, não há como prever a rentabilidade a ser obtida ou, até mesmo se haverá rendimento ou prejuízos. Por essa razão, a classe envolve mais riscos.

Em contrapartida, a renda variável oferece oportunidades de ganhos maiores, especialmente no longo prazo. Ademais, é possível utilizar estratégias para diluir os riscos e potencializar o rendimento, como a diversificação da carteira.

Ela consiste em alocar os recursos em alternativas de diferentes classes, tipos, riscos e setores, escolhendo alternativas descorrelacionadas ou com correlação negativa. Assim, se houver prejuízo em um ativo, o ganho em outros poderá compensar as perdas.

Identifique seu perfil de investidor

Além de entender os riscos da renda variável, você deve saber qual é a sua tolerância aos riscos. Para tanto, é preciso identificar o seu perfil de investidor. Ele pode ter 3 classificações:

  • conservador: tem menor tolerância aos riscos, priorizando a segurança dos investimentos;
  • moderado: tem uma abertura maior ao risco, mas ainda busca segurança;
  • arrojado: assume maiores riscos de maneira estratégica, visando uma maior rentabilidade da carteira.

Geralmente, os investidores moderados e arrojados são os que tendem a investir na bolsa de valores, pois toleram melhor a volatilidade desse ambiente. Entretanto, isso não impede que investidores conservadores tracem estratégias que incluam alternativas de renda variável em sua carteira.

Defina objetivos

Como você viu, até mesmo investidores com menor tolerância aos riscos podem investir na bolsa de valores, a depender dos objetivos. Por essa razão, é tão importante definir as metas financeiras ao investir, pois elas ajudam a escolher investimentos mais alinhados às suas expectativas.

Nesse contexto, vale saber que os investimentos na bolsa de valores tendem a ser mais adequados para objetivos de médio e longo prazo. O motivo é que período maior de aporte ajuda a minimizar os impactos da volatilidade no desempenho dos ativos.

Faça aportes frequentes

É comum acreditar que investir na bolsa é privilégio de quem tem muito dinheiro para alocar, mas essa ideia está equivocada. Isso porque é possível adquirir ativos com preços acessíveis, permitindo iniciar a estratégia de investimentos mesmo com poucos recursos.

Além disso, é possível comprar uma única ação, por meio do mercado fracionário. Assim, não é necessário de um amplo capital para seguir investindo.

Depois, você pode realizar aportes frequentes para que a atuação dos juros compostos possa multiplicar o seu patrimônio. Além disso, começar a investir na bolsa com um valor mais baixo permite aprender mais sobre as operações e as possibilidades, sem expor muito capital.

Assim, conforme você sentir mais segurança no ambiente de negociação, pode realizar aportes maiores, caso tenha condições e isso faça sentido para a sua estratégia.

Conte com uma boa assessoria de investimentos

Outra dica é contar com ajuda especializada. Uma assessoria de investimentos pode apresentar as alternativas disponíveis na bolsa e esclarecer as suas dúvidas. Com essas informações, você terá mais segurança para elaborar a sua estratégia e escolher investimentos para o seu portfólio.

Como você viu, começar a investir na bolsa de valores exige planejamento. Afinal, ela disponibiliza alternativas de renda variável e pode apresentar maiores riscos por conta de sua volatilidade. Caso tenha dúvidas, busque o suporte de uma assessoria de investimentos para aprender mais sobre o mercado.

Está em busca da assessoria de investimentos ideal para você? Então acesse o nosso site e conheça os serviços da Renova Invest!