BEEM39- Conheça o BDR do ETF iShares MSCI Emerging Markets
BEEM39- Conheça o BDR do ETF iShares MSCI Emerging Markets

BEEM39: Conheça o BDR do ETF iShares MSCI Emerging Markets

Quem deseja se expor a ativos do exterior pode fazer isso por meio dos BDRs. Uma dessas opções é o BEEM39, que é lastreado no ETF que busca replicar um índice de empresas de mercados emergentes.

Mas você sabe como esses ativos funcionam e quais são suas principais características? Ao aprender sobre eles, suas decisões farão mais sentido para o seu perfil de investidor e os objetivos financeiros que quer alcançar.

Por isso, neste conteúdo você conhecerá o BEEM39, o ETF no qual ele é lastreado e suas principais características. Continue a leitura!

O que é um BDR e um ETF?

Antes de conhecer o BEEM39 é fundamental saber o que é um BDR e um ETF. Assim, você poderá entender melhor as alternativas e verificar se elas são realmente adequados ao seu perfil.

Acompanhe a seguir:

BDR

BDR é a sigla para brazilian depositary receipt, ou certificado de depósito de valores mobiliários. Eles são certificados emitidos no Brasil e que possuem lastro em ativos do exterior. Dessa forma, têm o intermédio de uma instituição depositária.

Ela é responsável pela emissão e distribuição aqui no país e garante que os BDRs estejam, de fato, lastreados em ativos do exterior. Com isso, o preço deles sofre oscilações semelhantes aos desses ativos e os investidores brasileiros podem se expor aos resultados deles.

Logo, quem pensa em investir em ações, ETFs e outros ativos estrangeiros pode fazer isso por meio dos BDRs que são listados na bolsa brasileira. Dessa maneira, não é necessário ter contas no exterior, fazer conversão de moeda e outros procedimentos.

ETF

Os ETFs, ou exchange traded funds, são mais conhecidos como fundos de índice. Eles funcionam como um fundo de investimentos em que a finalidade é espelhar as variações de um determinado índice financeiro.

Ou seja, o gestor do ETF tem a responsabilidade de negociar os ativos do portfólio para acompanhar a oscilação do índice. Nesses casos, os investidores interessados compram cotas do fundo e participam dos resultados obtidos com essas negociações.

O que é o BDR BEEM39?

Agora que você entendeu o que são os BDRs e os ETFs, é hora de conhecer o BEEM39. Ele é um BDR disponibilizado na bolsa brasileira, a B3, e está lastreado em cotas do ETF EEM. Esse ETF estrangeiro, por sua vez, busca replicar o índice MSCI Emerging Markets Index.

Até o começo de 2021, os BDRs lastreados em ETFs eram acessíveis apenas aos investidores qualificados. Eles são as pessoas que possuem, pelo menos, R$ 1 milhão investidos ou são profissionais certificados do mercado financeiro.

Entretanto, a partir de abril de 2021, a B3 informou que alguns BDRs lastreados em cotas de ETF foram abertos aos investidores em geral. Entre eles está o BEEM39 e outros certificados importantes no mercado.

Para entender melhor como o BEEM39 funciona, é fundamental conhecer o ETF ao qual ele está atrelado. Por isso, a seguir você saberá mais sobre o iShares MSCI Emerging Markets Index:

O ETF iShares MSCI Emerging Markets Index

O ETF EEM foi lançado no mercado em julho de 2003 e sua gestora é a Blackrock, empresa de Nova Iorque. Essa instituição é a maior gestora de fundos do mundo em valor de mercado e possui centenas de ETFs sob gestão.

O objetivo do EEM é seguir o índice MSCI que acompanha as empresas de mercados emergentes. Assim, ele considera companhias de 28 países, como China, Coreia do Sul, Arábia Saudita e Brasil.

Esse índice é composto por diversas empresas, sendo que a maioria é originária da China. Desde o seu lançamento, em 2003, até o final de 2020, o ETF teve uma valorização de mais de 530%. Ele também paga dividendos aos seus cotistas.

Quais são as principais características do BEEM39?

Após conhecer o ETF que serve de lastro para o BEEM39, é preciso entender suas características. Confira algumas informações importantes sobre esse BDR:

Dividendos

Você viu que o ETF iShares MSCI Emerging Markets Index paga dividendos aos seus cotistas. Contudo, uma dúvida comum diz respeito ao pagamento desses proventos a quem investe em BDRs.

Nesse sentido, é fundamental saber que os BDRs também pagam dividendos, caso os ativos em que eles estão lastreados façam o mesmo. Assim, se o ETF distribuir dividendos aos cotistas, quem tem BDRs também receberá sua parcela.

Tributação

Em relação à tributação, é fundamental se atentar ao recolhimento de Imposto de Renda (IR). No caso dos BDRs, será cobrada uma alíquota de 15% sobre o ganho de capital no mês nas negociações comuns. Já nas operações de day trade a alíquota sobe para 20%.

Vale lembrar que, diferentemente das ações, não há faixa de isenção para os rendimentos com o BDR. Dessa maneira, se houver ganho de capital, o investidor terá que recolher o imposto por meio da DARF (Documento de Arrecadação de Receitas Federais).

Em relação aos dividendos, é importante considerar que, apesar de serem isentos no Brasil, a cobrança de ganhos oriundos de outros países é diferenciada. Assim, há uma alíquota progressiva que varia de 7,5% até 27,5%, conforme o provento recebido.

Contudo, os dividendos já podem ser tributados no país de origem. No caso do BEEM39, por exemplo, a alíquota cobrada nos EUA é de 30%. Então, é possível compensar essa cobrança, visto que o Brasil possui acordo de reciprocidade com os Estados Unidos.

Variação cambial

É comum que os investidores analisem os históricos de cotação dos ativos e percebam discrepâncias. Como o BDR BEEM39 é lastreado no ETF EEM, tem-se a ideia de que as oscilações de preços deveriam ser sempre iguais.

Entretanto, você deve entender que, apesar de haver a correlação, o BDR também sofre a influência da cotação do dólar. Dessa maneira, pode haver algumas diferenças nas oscilações dos dois preços, dependendo da relação da moeda estrangeira e do real.

Essa pode ser vista como uma vantagem. Afinal, você consegue ter exposição cambial e pode obter ganhos na sua carteira quando o dólar se valorizar. Logo, é uma maneira de enfrentar menos os riscos da desvalorização do real.

Como você viu, o BEEM39 é um BDR lastreado no ETF MSCI Emerging Markets Index da Blackrock. Conhecendo todas essas características ficará mais fácil analisar se esse aporte faz sentido para a sua carteira, não é?

Ficou interessado no investimento em BDRs? Então conte com a assessoria da Renova Invest para esclarecer melhor esse assunto!

Compartilhe:

Deixe uma resposta


Utilizamos cookies que melhoram a sua experiência em nosso site. Todos seguem as regras da nossa Politica de Privacidade. Clicando em "OK" você concorda com a nossa política.