Renova Invest Facebook

REVE11: o ETF ESG que investe em empresas verdes

REVE11
REVE11

Os investimentos sustentáveis estão despertando a atenção de muitos investidores, devido à crescente discussão social acerca da sustentabilidade. Para fazer esse tipo de investimento, uma das oportunidades da bolsa brasileira, a B3, é o ETF REVE11.

Esse fundo foi lançado no mercado brasileiro em 2021 e sua carteira é formada por cerca de 50 ações com foco em ESG. Porém, antes de investir, é essencial descobrir quais são as características desse ETF, incluindo vantagens e riscos envolvidos no aporte.

Neste artigo, você conhecerá mais sobre o REVE11 — um ETF ESG voltado para empresas globais. Confira!

O que são ETFs?

Para conhecer o REVE11, é importante compreender mais sobre a modalidade de investimento da qual ele faz parte. A sigla ETF corresponde ao termo exchange traded fund, também chamado de fundo de índice.

Ele é um fundo de investimento — ou seja, uma modalidade de investimento com funcionamento coletivo. Para investir, é necessário adquirir cotas de participação. Isso permite que diversos investidores integrem o veículo.

Além disso, o dinheiro é movimentado por um gestor profissional, que escolhe os ativos conforme a estratégia adotada por cada fundo. No caso do fundo de índice, o objetivo é espelhar o resultado de um indicador de mercado.

Para tanto, a carteira do fundo é formada pelos mesmos ativos que compõem a carteira teórica do benchmark escolhido. Desse modo, a performance do ETF segue o desempenho do índice.

Além de adquirir os mesmos ativos da carteira teórica, esse veículo de investimento também pode espelhar outro fundo de índice. É o caso de um fundo negociado no mercado nacional que espelha um ETF de outro país, por exemplo.

O que são investimentos sustentáveis?

Outro aspecto importante de conhecer antes de saber as características do REVE11 é que o mercado financeiro oferece os chamados investimentos sustentáveis. Eles consistem na alocação de recursos em títulos, ativos e veículos financeiros que sejam ligados à sustentabilidade.

É o que acontece ao investir em ações de empresas que tenham responsabilidade socioambiental e foquem no desenvolvimento sustentável, por exemplo. Também existe a chance de investir em fundos verdes e títulos ligados à sustentabilidade.

Para selecionar os ativos nessa estratégia sustentável, é comum utilizar a metodologia conhecida como ESG. Ela foca em três conceitos: meio ambiente (environment), social e governança corporativa (governance).

Com isso, as companhias consideradas sustentáveis e parte da economia verde são aquelas que adotam boas práticas relacionadas aos critérios citados. E existem índices específicos para selecionar essas empresas.

O que é o REVE11?

Unindo os conceitos de fundo de índice e de sustentabilidade, há ETFs de sustentabilidade ou ETFs que seguem os critérios ESG. No Brasil, um dos principais indicadores desse campo é o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE).

Porém, não é preciso se limitar a essa alternativa. Existem fundos que seguem outros índices — inclusive, internacionais. O REVE11, por exemplo, é o ticker do fundo It Now Russell 1000 Green Revenues 50 Fundo de Índice na B3.

Trata-se de um ETF focado no mercado global e que realiza o investimento em ações de empresas sustentáveis. Para que isso seja possível, ele replica o indicador Russell 1000 Green Revenues 50.

A seguir, entenda melhor as características desse indicador e compreenda o funcionamento do ETF!

Composição do índice

O Russell 1000 Green Revenues 50 é um indicador de ações que foi lançado em fevereiro de 2021. Ele é composto por ações de empresas que:

  • apresentam alta capitalização;
  • são negociadas nas bolsas de valores dos Estados Unidos;
  • adotam uma proposta de atuação verde.

Entre as companhias que compõem o indicador, o REVE11 seleciona as 50 que têm maior porcentagem de ganhos oriundos de atividades verdes. Alguns exemplos são Tesla, Cisco Systems, Danaher Corp, Waste Management, Eaton Corp e outras.

Para manter a composição alinhada aos critérios escolhidos, o fundo passa por rebalanceamento de carteira a cada 6 meses. Ainda, visando evitar concentração de ativos, há um nível máximo de participação de 10% para cada ação.

Gestora e lançamento na bolsa

O responsável pela criação do fundo REVE11 é o Itaú Unibanco S.A., por meio da gestora It Now. Além disso, o ETF foi lançado na bolsa de valores brasileira, em julho de 2021.

Taxas e tributos

É importante conhecer os custos de investir no ETF, já que eles impactam nos seus resultados. Um dos principais é o Imposto de Renda (IR) — com uma alíquota fixa de 15% sobre os lucros. Além disso, há uma taxa de administração que remunera a estrutura do fundo.

Quais são as vantagens dos investimentos sustentáveis?

Depois de conhecer o REVE11 como alternativa de investimento sustentável, você pode se perguntar se vale a pena considerar essa estratégia. Ao selecionar investimentos sustentáveis, um benefício importante é o apoio a uma causa globalmente relevante.

Desse modo, enquanto você rentabiliza a sua carteira, ainda tem a chance de incentivar empresas conscientes. Mas as vantagens não se limitam ao aspecto da responsabilidade ambiental.

Isso porque as empresas que se adéquam aos critérios de sustentabilidade, em geral, estão relacionadas às tendências do futuro. Assim, elas podem ser mais comprometidas com as melhorias do mercado.

Nesse sentido, as companhias podem se posicionar de maneira mais competitiva. Afinal, os consumidores têm valorizado cada vez mais as marcas comprometidas com o desenvolvimento consciente.

Cabe também destacar que o desempenho das empresas pode ser favorecido pelo melhor uso de recursos. Como elas atendem a diversas normas em sua rotina, costumam estar mais alinhadas às determinações legais.

Por fim, é relevante ressaltar que a proposta da sustentabilidade deve se tornar progressivamente mais presente no mercado, com legislações que fiscalizem as práticas das organizações. Assim, as empresas que já se alinham a essa necessidade estão um passo à frente.

Quais as vantagens do investimento em ETF?

Até aqui, você conheceu o conceito de fundo de índice e seu funcionamento. Mas quais são os benefícios de realizar esse tipo de investimento? Na prática, escolher um ETF é uma forma de acesso mais fácil a oportunidades diversificadas do mercado.

Com a compra de cotas, você expõe seus recursos a uma variedade de ativos de uma só vez. Logo, é possível reduzir custos em relação ao que seria necessário para adquirir todos os ativos individualmente.

Ainda, o ETF tende a ter uma taxa de administração menor em comparação a outros fundos de investimento. Isso acontece porque ele apresenta uma gestão passiva. Além disso, o ETF permite diversificar a carteira com maior facilidade.

Também é válido mencionar a vantagem de poder investir em ativos temáticos. Em relação ao REVE11, especificamente, o investidor se expõe a uma carteira com diversos ativos que têm foco sustentável.

Como você viu, as mudanças no comportamento do consumidor apontam que companhias sustentáveis podem apresentar vantagens. A ideia de investir com propósito também pode ajudar a desenvolver esse mercado cada vez mais.

Outra vantagem de ETFs é a possibilidade de exposição internacional. O REVE11, por exemplo, é composto por ações americanas — trazendo praticidade para investir no exterior. Você pode diversificar os riscos nacionais sem sair do Brasil.

Quais são os riscos de investir em ETF?

Embora apresente benefícios, o ETF é um investimento de renda variável, cujas cotas são negociadas na bolsa de valores. Portanto, ele apresenta riscos significativos — e que devem fazer parte da sua análise antes de investir.

O principal ponto de atenção de um ETF é o risco de mercado. Afinal, as movimentações no comportamento de compra e venda dos investidores podem afetar o preço das cotas. Além disso, há o risco referente ao desempenho dos ativos que compõem a carteira do ETF.

Se ele replica um índice de ações, as alterações nos resultados das empresas também se refletem na performance das cotas. No caso do REVE11, especificamente, ainda existe um fator a mais a ser observado: a variação do câmbio.

Como é um investimento com exposição ao dólar, por tratar de empresas negociadas nos EUA, o desempenho do ETF pode variar com o comportamento da moeda norte-americana. Assim, é preciso entender se ele se alinha ao seu nível de tolerância aos riscos para tomar decisões acertadas.

Quando investir em REVE11?

Após conhecer as principais informações sobre o REVE11, você pode ter mais elementos para avaliar quando faz sentido investir nessa alternativa. Como esse ETF faz parte da classe da renda variável, o veículo tende a ser mais recomendado para investidores com perfil moderado ou arrojado.

Em relação aos objetivos, o ETF pode ser válido para a diversificação dos investimentos na bolsa de valores. Assim, é importante observar o alinhamento aos seus objetivos pessoais e ao interesse em investir no segmento da sustentabilidade.

Agora você já sabe que o REVE11 é um fundo de índice focado em ações de empresas globais com atuação verde. Caso ele faça sentido para o seu perfil de investidor e para seus objetivos financeiros, essa pode ser uma alternativa para montar uma carteira com foco em ESG.

Se você quiser conhecer as oportunidades do mercado e tirar dúvidas sobre esse e outros investimentos, conheça a assessoria da Renova Invest!

 

Veja também:

Inscreva-se
Notificar-me de
Esse campo só será visível pela administração do site
botão de concordância
0 Comentários
Feedbacks
Visualizar todos os comentários

Utilizamos cookies que melhoram a sua experiência em nosso site. Todos seguem a nossa Politica de Privacidade. Clicando em "OK" você concorda com a nossa política.