Os fundos ESG podem ser alternativas de investimento desconhecidas por muitos investidores. Mas, se você já investe e tem interesse no bem estar da sociedade e da natureza, precisa conhecê-los.

Trata-se de uma estratégia de investimento que está se tornando tendência em todo o mundo. Com o objetivo de aliar sustentabilidade e investimentos, os fundos ESG podem agregar valor ao portfólio de diversos investidores.

Por isso, este artigo será dedicado a essa modalidade. Reserve alguns minutos e acompanhe tudo o que precisa saber sobre fundos ESG!

Fundos ESG e a sustentabilidade: qual a relação?

Antes de conhecer o investimento ESG, é preciso entender sua relação com a sustentabilidade. É possível encontrar diversos fundos de investimento no mercado. Muitos não têm, necessariamente, um propósito além de escolher ativos e produtos que possam gerar resultados para seus cotistas.

Os fundos ESG são diferentes. Apesar de ter como objetivo obter lucros para os investidores, sua carteira é composta a partir de uma estratégia peculiar: investir em projetos sustentáveis. Mas, por que isso é importante?

Por muito tempo, companhias lucravam sem dar a devida importância ao meio ambiente e à sociedade como um todo. Contudo, nos últimos anos, as empresas passaram a avaliar com mais cuidado suas operações e a apoiar projetos sustentáveis.

Foi neste contexto que surgiram os investimentos ESG – que estão se tornando uma alternativa cada vez mais buscada por investidores pessoa física e investidores institucionais.

Sustentabilidade e mercado financeiro

A sustentabilidade é um assunto cada vez mais relevante em diversos setores da sociedade. Há estudos, por exemplo, que demonstram que as pessoas preferem consumir produtos e serviços de marcas que são sustentáveis e não agridem o meio ambiente.

No mercado financeiro, essa realidade não é diferente. Assim como a população tem optado por consumir de empresas que apoiam projetos sustentáveis, os investidores estão observando cada vez mais valor em negócios preocupados com a sustentabilidade.

O contrário também se aplica: organizações não sustentáveis, que não demostram cuidado com pautas relacionadas à sustentabilidade, sociedade e meio ambiente têm sofrido com o desinteresse de parte dos investidores.

É por isso que alternativas de investimentos focadas na sustentabilidade – como os fundos ESG – estão ganhando espaço no mercado.

A seguir você conhecerá em detalhes essa modalidade de investimento e descobrirá como ela funciona. Acompanhe!

O que são fundos ESG?

ESG é a sigla para environmental, social and governance. Ou seja, meio ambiente, sociedade e governança. Os fundos ESG, então, têm como intuito investir em projetos sustentáveis, baseando-se nesses três princípios citados.

Isso significa que as companhias ESG são aquelas que apresentam um maior compromisso com o meio ambiente, com a sociedade como um todo e com as questões relacionadas à governança corporativa.

Os principais objetivos de um fundo ESG são:

  • obter um bom retorno financeiro – ao menos próximo ou igual a de outras alternativas do mercado;
  • gerar um impacto positivo na sociedade – demonstrando responsabilidade e consciência na gestão.

Vale destacar que, normalmente, os fundos ESG são do tipo multimercado ou de ações.

Qual a história dos fundos ESG?

Esses fundos surgiram há alguns anos, devido à preocupação com investimentos mais responsáveis no mercado financeiro. No Brasil, essa realidade é bastante recente, mas uma avaliação mais criteriosa dos investimentos já existe há anos em países como os Estados Unidos.

Por exemplo, a Guerra do Vietnã, na década de 1970, despertou o interesse e um forte ativismo em relação ao assunto. Isso levou à criação do primeiro fundo de investimento sustentável dos Estados Unidos, o Pax World Fund.

O PWF buscava não investir em organizações que contribuíam para o conflito armado no Vietnã, demonstrando preocupação com o fator social. Na década seguinte, de 1980, houve cancelamento de investimentos realizados na África do Sul por conta do regime de apartheid, que estava vigente na época.

Atualmente, consumidores e investidores se preocupam em saber se estão investindo seu dinheiro em empresas que não respeitam a sociedade e o meio ambiente. E principalmente, se atentam em não financiar atividades consideradas abusivas.

Dessa forma, as organizações têm enfrentando certa pressão da sociedade e dos investidores em garantir a transparência em relação ao seu nível de comprometimento com o meio ambiente, com a sociedade, com seus colaboradores e com a ética nos negócios.

Logo, a criação de fundos ESG vem de uma preocupação antiga. Contudo, vem se propagando no mundo devido às exigências – cada vez mais presentes – dos investidores e da sociedade por um mundo mais sustentável.

Como os fundos ESG funcionam?

Agora que você entendeu o que é um fundo ESG, precisa compreender o seu funcionamento. Essa modalidade é bastante semelhante a outros fundos de investimento. Ou seja, operam sob a forma de condomínio, no qual diversos investidores aplicam recursos com um objetivo em comum.

Para participar dos resultados do fundo, é preciso adquirir cotas – tornando-se, assim, um cotista. Como em outros fundos de investimento, os fundos ESG têm um gestor – responsável por gerir o dinheiro dos cotistas.

Seu diferencial, portanto, está nos critérios utilizados para analisar os ativos e compor a carteira do fundo.

Entenda melhor o que é considerado pelos gestores na hora de selecionar os investimentos que farão parte do portfólio dos fundos ESG:

Meio ambiente

Nessa esfera, são verificadas as práticas de sustentabilidade das empresas. Aqui, podem ser avaliados, por exemplo, o descarte de lixo e poluição, utilização de matéria-prima sustentável ou não, emissão de carbono, relação com o meio ambiente, uso dos recursos naturais, entre outros.

Social

O posicionamento social da companhia – ou seja, sua relação com as pessoas e a sociedade – também é considerado pelo gestor.

A avaliação, nesse quesito, engloba as condições de trabalho, saúde dos colaboradores, relacionamento com a população, responsabilidade com o consumidor, valorização da diversidade, direitos trabalhistas, segurança no ambiente empresarial, etc.

Governança

O fator governança diz respeito às práticas e políticas utilizadas para direcionar e controlar o negócio. Nesse sentido, são critérios de avaliação a estrutura da diretoria, ética nos negócios, condição financeira da instituição, capacidade de liderança, direitos dos acionistas, composição do Conselho de Administração, políticas de remuneração da diretoria, fraudes, dentre outras.

A avaliação desses aspectos, no entanto, não elimina a análise fundamentalista do negócio. Afinal, é preciso considerar informações acerca da empresa como um todo antes de tomar uma decisão de investimento.

Como esses fundos selecionam seus ativos?

Para conquistar investidores cada vez mais conscientes, exigentes e que buscam por mudanças em relação à sustentabilidade, os fundos ESG trabalham para atender a essa necessidade. Isso não significa, no entanto, que eles excluam empresas de determinados setores de atuação.

Antigamente, por exemplo, a estratégia inicial dos fundos com essa estratégia visava criar portfólios de fundos de ações que excluíssem companhias não consideradas “limpas”. Era o caso das fabricantes de cigarros, companhias de extração de recursos não renováveis, petroleiras, e outras.

Conforme o passar dos anos, no entanto, surgiram as certificadoras – que tem o trabalho de avaliar e premiar empresas pelo seu desempenho e trabalho em prol da sustentabilidade. Hoje, as certificadoras têm um papel importante no processo de seleção dos ativos por parte das gestoras.

Por isso, atualmente, cada fundo compõe sua carteira de acordo com critérios particulares – sem, necessariamente, excluir um determinado setor de atuação.

Qual a tendência do investimento ESG no mundo?

Como você já sabe, os investimentos ESG são tendência no mercado mundial não apenas devido à preocupação com a sustentabilidade, mas também devido aos resultados que eles têm alcançado.

Afinal, o desempenho das companhias ESG e o retorno financeiro alcançado pelos fundos que apostam nessa estratégia têm se mostrado positivo – atraindo ainda mais os investidores.

Nos Estados Unidos, por exemplo, segundo uma pesquisa da RBC Capital Markets, 64% dos fundos ESG administrados ativamente superaram seus benchmarks, contra apenas 49% dos fundos tradicionais. Eles também apresentaram uma volatilidade menor.

Por isso, além dos aspectos sustentáveis, os fundos ESG têm chamado cada vez mais a atenção dos investidores em todo o mundo – incluindo no Brasil.

Fundos ESG no Brasil

Se, depois de conhecer mais sobre essa alternativa os fundos ESG fazem sentido para você, saiba que o mercado brasileiro também está colhendo os frutos dessa tendência no mercado financeiro.

Logo, já é possível sim encontrar oportunidades ESG na bolsa brasileira – a B3. E as opções de investimento têm crescido dia após dia.

Como investir em fundos ESG?

Para investir em fundos ESG, é preciso conhecer alguns índices importantes ligados a eles. Descubra a seguir tudo o que precisa saber sobre como investir em fundos ESG no Brasil:

Índice de sustentabilidade empresarial

Também chamado de índice de sustentabilidade da bolsa, o ISE foi adotado em 2005. É utilizado para analisar as empresas listadas na B3 sob o critério da sustentabilidade corporativa.

Atualmente, segundo dados de setembro de 2020, o ISE conta com cerca de 36 ações de 30 empresas. Para atender aos requisitos para compor a carteira, a companhia deve cumprir diversas exigências relacionadas ao equilíbrio ambiental, eficiência econômica, governança e justiça social.

O ISE não é um investimento. Contudo, ele pode servir como benchmark para fundos de índice (ETFs) disponíveis na bolsa brasileira.

Índice Carbono Eficiente

O índice carbono eficiente (ICO2) também pode ser um índice de referência para ETFs na bolsa, assim como o anterior.

É composto por ativos de empresas que integram o índice IBrX-50 e que adotam práticas transparentes em relação à emissão de gases que causam o efeito estufa.

Índice de governança corporativa

O IGCT é mais um índice que utiliza como critério a ética nos negócios para escolher as companhias para compor sua carteira teórica. Assim, fundos de índice que possuem o IGCT estão intimamente ligados às estratégias ESG.

Índice S&P/B3 Brasil ESG

Esse indexador foi lançado em setembro de 2020 pela B3 e pela S&P Dow Jones. Ele seleciona empresas brasileiras e monta sua carteira baseando-se nos critérios do ESG, vistos anteriormente. Assim, ETFs que utilizam o índice como referência também têm relação com a sustentabilidade.

Fundos de ações e multimercados ESG

Por fim, também é possível se expor às estratégias ESG a partir dos fundos de investimento.

Como você já sabe, eles podem ser do tipo ações ou multimercados – sempre com foco em escolher ativos de empresas que atendem aos critérios de sustentabilidade no quesito social, do meio ambiente e governança.

Quando investir em fundos ESG pode valer a pena?

Investir em fundos ESG podem gerar ao investidor um melhor desempenho em relação aos fundos tradicionais, e podem apresentar menor volatilidade. Contudo, não são apenas essas questões que podem atrair investidores.

Quem investe em ações e busca encontrar alternativas relacionadas aos critérios de seleção dos fundos ESG podem também se interessar pela alternativa. Afinal, empresas sustentáveis tendem a apresentar boas perspectivas de crescimento e lucro. E costumam passar maior credibilidade ao mercado como um todo.

Ainda, os fundos ESG podem fazer sentido para aqueles que buscam diversificar o portfólio de investimentos a partir da exposição a empresas preocupadas com questões cada vez mais importantes para toda a população global.

Contudo, investidores com menor tolerância a riscos – como aqueles com perfil conservador – podem não se interessar por essa opção, já que se trata de um investimento de renda variável.

Portanto, antes de escolher investir ou não em um fundo ESG, considere o seu perfil de investimento e seus objetivos enquanto investidor. Além disso, vale a pena conhecer as alternativas do mercado que mais se alinham às suas expectativas.

Assim, ficará muito mais fácil aliar investimento e sustentabilidade e fazer investimentos inteligentes, que colaboram com a sociedade como um todo e que podem, ainda, lhe oferecer bons retornos ao longo do tempo.

E então, os fundos ESG parecem interessantes para o seu portfólio? Tem alguma dúvida sobre eles? Entre em contato conosco e conte com nossa ajuda na hora de investir!