Operar na bolsa de valores exige ter as informações necessárias para tomar decisões adequadas. No caso de quem opta por especular, a análise técnica é essencial. E ela pode ser fortalecida pelo cruzamento de média móvel.

Essa é uma estratégia que considera as variações de preços ao longo do tempo e pode apresentar tendências relevantes. Porém, é necessário entender como usá-la para aproveitar em suas negociações.

Neste artigo, você poderá conferir o que é o cruzamento de média e como adotá-lo em sua avaliação. Continue a leitura para saber mais!

O que são as médias móveis?

A média móvel mostra a média de preços de um ativo ou derivativo ao longo do tempo. Ela é calculada a cada período estipulado e, portanto, muda com o passar do tempo. Nesse caso, os dados antigos são substituídos pelos mais recentes, representando a evolução de cotações.

No mercado de Ações, a média móvel simples costuma usar o valor de fechamento dos candles em cada pregão. Se a média móvel for de 5 dias, considerará a soma dos valores dos últimos 5 dias, com o número sendo dividido por 5, por exemplo.

Para que elas servem?

Um dos principais papéis da média móvel é realizar uma espécie de filtragem dos dados. Por causa da forma de cálculo, ela é levemente defasada, já que aborda dados históricos e já consolidados.

Por outro lado, também é mais representativa, porque desconsidera flutuações pontuais e que não se consolidam como tendência. Portanto, ela ajuda a entender melhor o padrão de comportamento de preços, como os de fechamento das Ações.

Por causa de tal característica, são muito utilizadas na análise técnica ou gráfica. Como essa modalidade de avaliação considera as oscilações de preços para perceber tendências, as médias são uma ideia clara do comportamento e das alterações.

Sendo assim, a média móvel pode ser indicada para quem adota uma estratégia de especulação na bolsa, em busca do aproveitamento de condições de curto ou curtíssimo prazo.

Como a média móvel pode compreender diversas faixas de períodos, pode servir tanto para quem faz day trade quanto para quem faz swing trade ou scalping. Afinal, ela se adapta a prazos diferentes para as operações.

Na prática, a média móvel pode ser utilizada para identificar uma tendência de alta ou de baixa nos preços, com base no período adotado. Assim, é possível basear sua tomada de decisão e saber se é o momento de comprar ou de vender ativos e derivativos.

Quais são os principais tipos de média móvel?

Quando explicamos o cálculo da média, você conheceu a chamada média móvel simples. Trata-se do cálculo mais básico e que traz uma representação simples das variações. Porém, há outro tipo existente: a média móvel exponencial.

Nesse caso, existe um fator de multiplicação que faz com que os dados mais recentes tenham um peso maior. Então é feita uma alteração na análise com o objetivo de entender melhor quais são os impactos das mudanças de preço de forma recente.

Em relação à média móvel simples o tipo exponencial se torna um pouco menos defasado, porque dá menor importância para os dados mais antigos. Contudo, a filtragem pode não ser tão efetiva, de modo que oscilações pontuais podem interferir nos resultados.

Como funciona a estratégia de cruzamento de médias móveis?

Uma das maneiras de explorar o potencial da média móvel é por meio de estratégias que envolvam o seu uso para análises contextualizadas. Nesse sentido, há a proposta de cruzamento de média, cuja análise dá origem ao sinal de entrada ou saída.

De forma simples, eles se baseiam em avaliar se o mercado está comprando ou vendendo os papéis, o que indica o momento de agir.

Para entender como usar essa estratégia, veja quais são os passos para colocar em prática!

Criação das médias móveis

O primeiro passo consiste em estabelecer as médias móveis com prazos distintos. O recomendado é que uma seja mais longa e outra mais curta.

É comum que os especuladores utilizem uma média curta de 7 períodos e uma longa de 21 períodos, por exemplo. A menor aponta para a tendência de preço no curto prazo, enquanto a maior indica a tendência de longo prazo.

O principal motivo para usar dois períodos diferentes é o comportamento das médias. Afinal, uma média curta é mais impactada por grandes oscilações. Diante de uma grande variação no preço, você poderá notar que ela mudou de direção rapidamente.

Também é por isso que elas podem ser utilizadas, ainda, para a identificação de suporte ou resistência. Já uma média longa não é tão afetada por alterações nas cotações recentes. Logo, é necessário um esforço maior e mais constante para que haja uma mudança de direção.

Portanto, é como se as duas se complementassem. Afinal, usar duas médias longas desconsideraria alterações recentes importantes, enquanto duas médias curtas ignorariam o histórico de valores e a possível tendência.

Cruzamento de médias móveis

Com as duas médias criadas, é o momento de fazer uma sobreposição com elas e entender como se comportam e se cruzam. Se a média curta passar acima da média longa, pode ser um sinal de entrada. A possibilidade de uma tendência de alta no preço pode indicar a realização da compra.

Já quando a média móvel curta passa por baixo da média móvel longa, há o sinal de saída. Significa que pode haver uma tendência de queda, o que indicaria que é a hora de vender.

Confirmação do cruzamento

No entanto, convém entender que a média móvel é calculada com base na média dos preços de fechamento do candle, independentemente se estivermos falando de média simples ou exponencial.

Sendo assim, deve-se considerar que o candle pode passar por grandes mudanças ao longo do pregão. Logo, o cruzamento pode ter ocorrido de forma temporária.

Nesse caso, a confirmação de que houve o cruzamento e, portanto, um sinal de entrada ou de saída, só acontece após o fechamento. Então, na prática, o posicionamento se dá na abertura do candle do pregão seguinte.

Para que serve o cruzamento de média?

Como vimos, a avaliação do gráfico e a adoção do cruzamento da média móvel podem auxiliar a tomada de decisão quanto às operações de especulação. A ferramenta aponta tendências sobre o comportamento dos preços.

Então permitem a antecipação desses movimentos e podem ajudar na conquista de melhores resultados. Os sinais de entrada e saída, por exemplo, servem para indicar os melhores momentos para comprar ou vender um papel.

Também é um jeito de entender melhor o mercado, tanto em curto prazo quanto em prazos mais longos. Isso, claro, quando o trader conhece o funcionamento do indicador e utiliza em conjunto com mais ferramentas eficientes da análise técnica.

Quais são as outras formas de usar a média móvel?

O cruzamento de média móvel em dupla é uma estratégia muito adotada, mas não é a única possibilidade. Também há como usar esse cálculo de outras maneiras, até mesmo para ter análises diferentes e que estejam mais alinhadas aos seus objetivos.

Confira algumas alternativas!

Média móvel x preço

Há como, por exemplo, comparar apenas a média móvel longa com a curva de preços do gráfico. Normalmente, a média é calculada com base de 100 períodos. Quando o preço passa sobre a média móvel, pode ser um indicativo de compra.

A manutenção dessa posição, por sua vez, aponta para uma tendência de alta. Já quando o preço passa sob a média móvel, há um sinal de venda. Caso ele fique nessa posição abaixo, pode ser consolidada uma tendência de queda.

Porém, uma limitação é quando diversos fatores compõem o preço e a filtragem de oscilações pontuais já não é tão intensa.

Três médias móveis

Além de usar apenas uma média móvel ou de utilizar duas delas, é possível adotar três linhas do tipo. Nesse cenário, há o uso de uma média rápida, uma intermediária e uma lenta.

É viável usar valores como 7, 21 e 100, por exemplo. Ou utilizar uma sequência no estilo 30, 100 e 200, entre outras configurações.

Nesse caso, a avaliação usa a média lenta como um referencial. Somente se a média rápida e a intermediária estiverem acima dela que é recomendado fazer a compra. Do mesmo modo, apenas quando ambas estiverem abaixo que a venda é recomendada.

Inclinação da curva

Apesar de não ser exatamente o cruzamento de média móvel, é possível usar informações da curva para entender o comportamento em termos de tendência. Pela medição da inclinação da curva, há como notar uma tendência de alta ou de baixa, de modo parecido com o Índice de Força Relativa.

Com a definição de limites, também é possível ter informações sobre quando vale a pena comprar e quando vale a pena vender. De qualquer forma, é importante se lembrar de que a média móvel é apenas um de tantos indicadores da análise técnica.

Também é necessário usar demais elementos para confirmar análises. Alguns exemplos são a presença de gaps e outras formas gráficas para reconhecer melhor a situação e identificar oportunidades e ameaças. Por isso, outros indicadores não devem ser ignorados.

Em resumo, o cruzamento de média móvel é uma estratégia da análise gráfica que pode ajudar quem especula a reconhecer tendências de compra e venda. Com a associação dela aos demais indicadores é possível ter uma ideia completa sobre o cenário e quando é o momento de agir!

Quer conferir outras informações e acompanhar as novidades do mercado? Curta nossa página no Facebook e siga nosso perfil no Instagram!