Tanto na hora de gerir uma empresa quanto de analisar os ativos por trás dela é importante basear-se em dados sólidos e confiáveis, certo? Portanto, é interessante contar com alguns indicadores financeiros, como a margem bruta.

Os indicadores permitem a visualização de um panorama realista do negócio. Com isso, a tomada de decisão de quem busca aprimorar resultados operacionais se torna mais simples.

A mesma coisa pode ser dita em relação a possíveis acionistas. Ao saberem mais sobre a realidade financeira do negócio, eles têm mais informações para decidir como investir.

Você quer entender mais sobre indicadores organizacionais? Confira este conteúdo!

O que é a margem bruta?

Toda companhia tem uma finalidade ao operar. Independentemente do segmento no qual se insere, ela visa o lucro. Nesse sentido, como saber se o negócio está ou não no caminho desejado? Os indicadores financeiros são bons aliados na análise.

Eles apresentam dados que mostram a realidade financeira da empresa, como a adequação de seu preço de venda ao mercado. Como você viu, tal informação pode beneficiar tanto a própria empresa quanto os interessados em investir nela.

Um dos indicadores mais relevantes é exatamente a margem bruta. Basicamente, ela mostra o percentual de lucratividade em determinado período. Para entender melhor o conceito, é preciso conhecer outros dois termos. São eles: lucro bruto e receita líquida.

Lucro bruto

Na sua atividade de buscar ganhos para o negócio, toda empresa também gera gastos. Seja qual for o segmento em questão, haverá custos e despesas por trás da produção. E o lucro bruto se refere a essa relação.

O conceito representa a diferença entre o que a empresa ganha e o que ela gasta para produzir ou oferecer um serviço. Contudo, é importante ter em mente que, no caso do lucro bruto, não são inclusas na conta as deduções de impostos, juros e folhas de pagamento.

Receita líquida

Por outro lado, o conceito de receita líquida pode ser definido como o lucro bruto após os descontos citados. Ou seja, ela leva em consideração os impostos, salários e eventuais juros pagos pela companhia.

Para que serve a margem bruta?

Agora você já sabe que a margem bruta é fundamental na hora de saber se o negócio consegue gerar bons resultados. Mas qual é a utilidade dela para empresas e investidores?

Confira a seguir!

Empresas

O papel da margem bruta é imperativo às empresas. Em união com outros indicadores financeiros, ela permite o estudo dos resultados da organização. Preferencialmente, a análise é feita considerando a evolução dos resultados. Isto é, avaliando a margem bruta ao longo dos meses ou anos.

Ao saber, por exemplo, que uma empresa tem cada vez menos prejuízo a cada período, os gestores entendem sua possibilidade de sucesso futuro. Já ao olhar para o resultado de apenas um período isolado, os líderes das empresas podem ter dados enviesados.

Em resumo, os indicadores financeiros, como a margem bruta, servem para orientar os próximos passos das organizações. Informações sobre as finanças são essenciais, já que toda decisão em um negócio envolve as possibilidades financeiras.

Investidores

Assim como no caso das companhias, a margem bruta é muito útil aos investidores. Afinal, um acionista ou alguém que tenha interesse nas Ações de uma empresa está cogitando ser sócio do negócio. Logo, precisa avaliar seus resultados.

Por exemplo, empresas que apresentam valores altos da margem bruta podem ser promissoras. Dessa forma, ao analisar o indicador, os investidores conseguem entender o potencial de suas operações. Com isso, decidem se o investimento pode ser vantajoso ou não.

Como calcular a margem bruta?

Conhecer o conceito de margem bruta e saber sua importância é útil para sua rotina como investidor. Contudo, para aproveitar, de fato, seu potencial, pode ser preciso saber calculá-la. O cálculo é relativamente simples.

A fórmula para encontrar a margem bruta é a divisão entre os dois conceitos que você conheceu no início deste conteúdo: o lucro bruto e a receita líquida. O cálculo se dá da seguinte forma:

Margem bruta = Lucro bruto/receita total x 100

Ao realizá-lo, você terá em mãos um indicativo financeiro capaz de amparar sua estratégia. Vale destacar que nem sempre será necessário realizar o cálculo, pois a informação pode ser encontrada nos relatórios da empresa.

Como interpretar o indicador antes de investir?

Ao considerar a fórmula apresentada, é possível perceber que quanto maior a margem bruta, mais interessante a empresa pode ser para o investidor. Entretanto, é preciso tomar alguns cuidados na hora de interpretar o indicador.

Saiba quais são eles a seguir!

Atenção às especificidades do segmento

O primeiro cuidado que você deve ter é a análise do setor no qual a empresa se insere, para não enviesar o dado. Segmentos mais competitivos tendem a ter margens mais baixas, por exemplo. O contrário é válido em setores com menor competitividade.

Observação das variações

Lembre-se, ainda, que é imprescindível analisar o comportamento das margens brutas e outros indicadores ao longo do tempo. Ou seja, o dado não deve ser interpretado de maneira pontual, com a margem de apenas um período ou ano.

O melhor é considerar a evolução histórica da margem bruta. Desse modo, será possível entender como a empresa tem se comportado ao longo dos anos. Então o investidor tem mais informações antes de decidir se compra ou não as Ações.

Independentemente do valor atual da margem, um percentual crescente pode representar uma vantagem competitiva por parte do negócio.  De outro lado, a margem que decresce pode significar que os custos estão crescendo mais rápido do que a capacidade de receita.

Dessa maneira, confiar em um resultado de um período isolado tende a limitar a criação de uma estratégia de investimento (ou otimização de processos).

Realização de uma análise multifatorial

Finalmente, outro cuidado central para os acionistas ou investidores interessados é não se limitar à margem bruta. Na hora de analisar uma empresa, é preciso combinar outros fatores na análise fundamentalista.

Isso proporciona um contexto de avaliação dos indicadores. Afinal, a margem sozinha pode não lhe oferecer muitas informações. Além de considerar as especificidades do setor, é interessante avaliar a situação econômica, as perspectivas de crescimento da área e o valor intrínseco da Ação, por exemplo.

Como você viu neste post, a margem bruta não é relevante apenas para os gestores. Também é importante conhecer esse indicador financeiro antes de investir. Com a ajuda das nossas informações, pode se tornar mais simples analisar seus investimentos!

O que você achou deste artigo? Caso deseje dar a sua opinião sobre o assunto ou esclarecer alguma dúvida, deixe seu comentário abaixo!