Você provavelmente já sabe que o valor do dinheiro se altera com o tempo, por causa das condições de mercado. Com a taxa de juros, a inflação e a mudança de panorama, por exemplo, os mesmos R$ 5 mil hoje não valem o mesmo que valiam no passo ou valerão no futuro. Por isso, um conceito essencial na hora de investir é o de calculo de valor presente.

Por meio da equação dele, é possível considerar o efeito dos juros compostos ao longo do tempo. O resultado fornece informações relevantes e é usado tanto por empresas quanto por quem pretende investir.

Considerando tais pontos, veja como calcular o valor presente e entenda para que ele serve!

O que é o cálculo de valor presente?

Para começar, você deve entender que o valor presente nada mais é que o valor de um montante do futuro trazido para o momento atual. Então, ele serve basicamente para analisar o valor do dinheiro no tempo, considerando as variações que acontecem.

Assim, o cálculo de valor presente traz para o momento atual um valor que poderá ser obtido no futuro. Por isso, ele pode ser usado tanto pelas empresas, quanto por investidores que desejam avaliar uma alternativa de aporte.

Pelas empresas, pode ser usado para conhecer o real valor do negócio. Afinal, a teoria propõe trazer o fluxo de caixa futuro que a companhia é capaz de gerar para o momento presente. Logo, a análise pode ser mais realista.

Você verá adiante como esse cálculo ajuda os investidores. No entanto, já é possível adiantar que ele pode servir para indicar o quanto será preciso aportar para chegar a um valor futuro desejado.

Como fazer o cálculo?

Para calcular o valor presente de determinado montante, é preciso entender o conceito de juros compostos e a forma como eles geram acúmulo. Outras variáveis incluem o tempo de incidência da taxa, bem como o valor que se pretende obter no futuro.

Assim, pode-se trazer o montante para o momento presente. A equação é dada por:

VP = VF / (1 – i) ^ n

Nesse caso, temos as seguintes variáveis:

VP = valor presente;

VF = valor futuro;

i = taxa de juros ou de desconto;

n = número de períodos

Em um exemplo prático, imagine que a avaliação de uma empresa revela que ela é capaz de gerar um fluxo de caixa de R$ 30 milhões em 12 meses. Considerando uma taxa de 2% ao ano, representativa da Selic em outubro de 2020, o cálculo será:

VP = 30000000 / (1 + 0,02) ^ 1

VP = 29411764,71

Então, significa que o valor presente da empresa é de R$ 29,4 milhões, o que representa uma diferença de mais de R$ 500 mil. Percebe a importância dessa métrica?

Qual a aplicação do indicador no MOI?

Até aqui, você sabe que o cálculo de valor presente serve para análises de empresas e de investidores, considerando o dinheiro no tempo. No entanto, ele também pode dar origem a outras análises. É o caso da margem sobre investimento (MOI).

De forma simples, o MOI serve para mostrar a capacidade de multiplicação do valor, considerando o tempo e a taxa de juros. Por isso, a fórmula é dada por:

MOI = Valor futuro / Valor presente

Se quiser saber em porcentagem, essa é a equação:

MOI = 1 – (Valor futuro / Valor presente) x 100%

Por exemplo, considere um investimento de valor futuro R$ 20 mil e com valor presente de R$ 15 mil. Nesse caso, o MOI será:

MOI = 20/15

MOI = 1,33

Então, significa que a multiplicação do patrimônio foi de 1,33 ou que a margem foi de 33% sobre o valor presente no nosso exemplo. No geral, quanto maior for o MOI, maior é a capacidade de aumento do valor, o que pode tornar uma possibilidade mais interessante.

Qual é a importância do valor presente para investimentos?

Como visto, o cálculo de valor presente serve tanto para empresas quanto para investidores. Quem deseja aportar recursos em uma alternativa pode usar esse indicador de duas formas. A primeira você conhece: conhecer o quanto é preciso investir para alcançar um valor em determinado período.

A outra está ligada a investimentos mais específicos, como o mercado de Ações. Como o cálculo está relacionado ao valor de uma companhia, você pode usar a fórmula em sua análise fundamentalista. Assim, é possível entender quanto vale um negócio em relação à sua perspectiva futura.

A partir disso, será mais fácil definir se o investimento na Ação faz sentido. Também é uma forma de avaliar se o preço dela está abaixo do que deveria ou se está mais caro que o desejável. Desse modo, há como encontrar o momento para investir, considerando os seus objetivos.

No caso da compra de um lote de Ações, você pode aplicar a fórmula no valor total aportado ou no custo de cada ativo. Assim, tem análises completas ou relativas. Além disso, o cálculo ajuda a tomar decisões melhores e definir se uma carteira recomendada é interessante, por exemplo.

A importância do valor presente líquido (VPL)

Convém saber que, para investimentos, também há como usar o valor presente líquido (VPL). Ele traz todos os fluxos de caixa ao longo do tempo para o momento presente. Então, cada rentabilidade mensal é trazida por meio de um somatório.

No caso do VPL, a análise muda. Se ele for positivo, significa que o investimento deu resultados. Caso seja negativo, o indicativo é o contrário. Se ele for nulo, é sinal de que a alternativa não gerou ganhos nem perdas.

Com o VPL, você ainda consegue saber se uma possibilidade é mais vantajosa que um título público, que costuma oferecer menos riscos. Então, pode usar as fórmulas até mesmo para balancear os riscos na hora de diversificar a sua carteira de investimentos.

Como vimos, o calcular o valor presente permite conhecer o valor do dinheiro no tempo e a influência dos principais fatores. Usado para empresas ou por investidores, o indicador auxilia a tomar decisões mais embasadas, em conjunto com outros elementos fundamentalistas!

Quer ajuda para avaliar melhor essa métrica e para saber como interpretá-lo na prática? Entre em contato com a Renova!