Quando se fala em investir na renda fixa, é comum associar o mercado a títulos que oferecem um alto nível de segurança e retorno limitado. Porém, não é isso que acontece, necessariamente, em todas as situações. É diferente nos títulos que têm classificação high yield, por exemplo.

Conhecê-los é importante para tomar decisões melhores, mais informadas e alinhadas com a sua estratégia. Desse modo, é possível ter acesso a alternativas diferentes e mesmo buscar caminhos mais rentáveis no mercado de renda fixa.

Na sequência, você conhecerá quais são os ativos de renda fixa conhecidos como high yield e poderá analisá-los de forma completa. Confira!

O que é o high yield?

Apesar de a renda fixa oferecer previsibilidade quanto às condições de pagamento, ela conta com o chamado risco de crédito. Ele representa o risco de o emissor se tornar inadimplente no pagamento de acordo com os critérios acordados.

Para contornar essa questão, muitos títulos apresentam mecanismos que aumentam a segurança, como a cobertura do Fundo Garantidor de Crédito (FGC). Outros, entretanto, trazem um risco de crédito maior, sem garantias. Para compensar, podem oferecer mais ganhos.

Assim, os títulos high yield são uma classificação que indicam as aplicações de renda fixa que oferecem um pagamento superior à média do mercado. Isso só é possível porque o risco de crédito é mais elevado nesses casos, ficando bem acima de outras alternativas do mercado.

Como funcionam esses títulos?

Conhecer as características específicas dos títulos classificados como high yield ajuda a entender como eles funcionam e quais impactos eles podem provocar. Como vimos, o ponto mais marcante sobre eles é o alto risco, embora sejam de renda fixa.

Essas aplicações podem ser públicas ou privadas, e se caracterizam pelo fato de os emissores apresentarem menores probabilidades de pagarem segundo as condições acordadas. Em troca, oferecem um alto rendimento, para remunerar o maior risco.

Também vale saber que eles são classificados dessa forma devido à nota de avaliação de risco recebem das agências de rating. Normalmente, os títulos de renda fixa classificados como high yield são os que apresentam grau especulativo.

Outra característica deles é a baixa liquidez. Como não são todos os investidores que estão dispostos a assumir riscos tão intensos, o volume de negociação é menor. Então, desfazer-se dos títulos pela venda no mercado secundário pode não ser tão fácil.

Além disso, é fundamental considerar que eles têm baixa sensibilidade à mudança da taxa de juros e pagam valores maiores diante de diversas condições. Por outro lado, são mais voláteis e sensíveis à situação financeira do emissor. Se as condições piorarem, eles perdem valor de mercado.

Quais são as vantagens de investir em ativos do tipo high yield?

As características únicas do título high yield fazem com que ele tenha vantagens, a depender dos seus objetivos e perfil de investidor. O rendimento consideravelmente elevado é o ponto principal, embora esteja atrelado a um alto risco.

Outro aspecto positivo é que, se o emissor precisar liquidar suas operações, esses títulos costumam ter preferência no pagamento em relação às ações, por exemplo. Então podem ser uma forma mais interessante de investir em empresas que oferecem alto risco no mercado financeiro.

Eles também podem ser alternativas para diversificar a carteira, principalmente quando são descorrelacionados de outros tipos de investimentos. Assim, podem ajudar na rentabilização do portfólio devido ao potencial de ganhos.

Quais são os riscos de tê-los na carteira?

Além de conhecer as vantagens dos títulos high yield, é fundamental entender quais são os riscos que eles oferecem. Como visto, o risco de crédito é o mais elevado, diante da chance de o emissor não conseguir fazer o pagamento.

O risco é definido por agências de rating e pode se basear em situação financeira ou operacional deficiente, histórico de inadimplência ou condições de mercado. Uma empresa saudável, mas que esteja em um cenário instável, pode ter seus títulos classificados como sendo de grau especulativo.

Além disso, existe o risco de liquidez, devido ao baixo volume de negociação. Em geral, quanto maior é o número de investidores, mais fácil tende a ser repassar os títulos no mercado secundário — o que não acontece nesse caso.

O que avaliar antes de escolher esse investimento?

Até aqui, você conheceu as vantagens e os riscos associados a títulos do tipo high yield. Agora é preciso definir se vale a pena investir nessa alternativa e, em caso afirmativo, saber como escolhê-lo para a carteira.

Veja o que avaliar!

Conheça seu perfil de investidor

O primeiro passo é conhecer seu perfil de investidor e, consequentemente, sua tolerância ao risco. Como você viu, mesmo sendo um investimento de renda fixa, o risco dos títulos high yield é mais elevado. Então é necessário ser capaz de suportar perdas e volatilidade.

Considere os objetivos

Também é importante pensar em quais impactos o título causará em sua carteira. Ele pode fazer sentido para objetivos mais voltados à rentabilidade no médio e longo prazo, mas não é recomendado para reservas de emergência ou planos de curto prazo, por exemplo.

Entenda a composição de risco

Caso decida que ele faz sentido para seu portfólio, é preciso avaliar com cuidado as características do título. É o caso do pagamento oferecido, do emissor e dos motivos de sua classificação de alto risco.

É preciso saber se o grau especulativo é dado por condições externas ao emissor, por exemplo. Então, dependendo da sua análise e das suas projeções, pode fazer mais sentido escolher um título high yield em detrimento de outro.

Conheça os fundos de high yield

Se preferir ter mais praticidade, há a chance de escolher fundos de investimento baseados em títulos high yield. Nesse caso, a ideia é adquirir cotas de participação, com a alocação ficando sob responsabilidade de um gestor profissional.

Diversifique a carteira

Independentemente das escolhas sobre esses títulos, é fundamental diversificar suas escolhas e a carteira. Assim, é possível diluir os riscos e melhorar o potencial de retorno, tendo outras opções de renda fixa mais segura ou de renda variável.

Agora que você conhece os títulos high yield, passa a ter mais uma possibilidade para incluir em seu portfólio. Caso faça sentido para seu perfil, essa pode ser uma forma de diversificar a carteira e de melhorar a rentabilidade dos investimentos em renda fixa.

Achou essas informações úteis? Ajude a deixar mais investidores atualizados sobre o assunto. Compartilhe este artigo em suas redes sociais e marque seus contatos!