Direcionar parte dos seus investimentos para ativos norte-americanos permite aproveitar os ganhos com empresas, fundos e títulos da maior economia mundial. Por isso, uma dúvida de investidores brasileiros é saber como investir na bolsa americana.

Estamos falando de um mercado de empresas gigantes, com ações de Apple, Google, Facebook, Disney, Coca-Cola e outras. Além disso, há muitas oportunidades em títulos, fundos, ativos e derivativos. Mas de que formas é possível se expor a esse mercado?

Se você busca essa resposta, gostará das informações deste artigo. Continue a leitura, descubra por que vale a pena investir nos EUA e conheça 5 alternativas de investimento para alcançar esse objetivo!

Por que vale a pena investir na bolsa de valores dos Estados Unidos?

Os EUA são a maior potência econômica mundial, o que se reflete no mercado de investimentos. Afinal, o país concentra as duas maiores bolsas de valores do mundo:

  • New York Stock Exchange (NYSE);
  • National Association of Securities Dealers Automated Quotations (Nasdaq).

Dessa forma, quem busca informações de como investir na bolsa americana pode diversificar seu capital com muitas oportunidades. Em relação às ações, por exemplo, existem papéis tanto de empresas tradicionais e consolidadas, como de companhias mais novas, focadas em tecnologia.

O volume de negociações no mercado norte-americano é muito grande, oferecendo uma maior liquidez ao investidor. As bolsas americanas oferecem, ainda, condições para boa alavancagem nas operações de especulação.

Além da oportunidade de se expor a um mercado forte — com empresas gigantes que não são negociadas no Brasil — e da maior liquidez, existem outras vantagens. Uma delas é que a diversificação internacional permite proteção da sua carteira.

Você pode equilibrar seu portfólio, pois diante de quedas dos ativos brasileiros, a parcela norte-americana da carteira pode ter outro desempenho. Ademais, a exposição ao câmbio também influencia na proteção, pois os ativos em dólar podem compensar a perda de valor do r               eal.

Como investir na bolsa americana diretamente do Brasil?

Realizar investimentos internacionais, no entanto, pode ser uma tarefa burocrática. Afinal, você precisa abrir conta em outro país (entendendo as regras e o idioma), enviar dinheiro, realizar o câmbio e lidar com diversas taxas.

A boa notícia é que nem sempre isso é necessário. Existem formas de se expor a investimentos da NYSE ou Nasdaq a partir da bolsa brasileira, a B3, ou via plataformas de bancos de investimentos brasileiros. Assim, é possível investir na bolsa americana diretamente daqui.


Basta ter uma conta em um banco de investimentos: um jeito prático e seguro de aproveitar os ganhos com o mercado externo. Dessa maneira, você também faz os resgates com mais facilidade e acompanha o home broker ou plataforma no seu idioma, fazendo todas as operações em reais.

E em relação à incidência de Imposto de Renda, tudo fica mais simples. O pagamento e a declaração do imposto ocorrem apenas no Brasil, com as regras que você já conhece.

Quais são 5 das alternativas para investir no exterior pelo Brasil?

Você acabou de ver que é possível ter investimentos internacionais sem sair do Brasil. Agora, confira 5 das possibilidades principais!

1. ETFs ligados a índices americanos

ETF é a sigla para exchange traded fund — também conhecido como fundo de índice. Isso porque é uma modalidade que replica índices do mercado. No caso do investimento em bolsas americanas, são fundos que podem replicar os seguintes índices:

  • S&P 500;
  • Dow Jones;
  • NASDAQ Composite;
  • NASDAQ 100.

O S&P 500, por exemplo, agrega as 500 maiores empresas de capital aberto da bolsa dos EUA. Assim, os ETFs atrelados a esse índice podem ser atrativos, devido à diversificação e ao alto volume de negociações.


Como se trata de um fundo, você e outros investidores adquirem cotas de participação, e a responsabilidade pelas estratégias e escolha de ativos fica a cargo de um gestor profissional. Nesse caso, a função dele é realizar os investimentos de acordo com o índice.

Assim, a estratégia é passiva, o que costuma reduzir a taxa de administração. Além disso, uma vantagem é diversificar sua carteira com os ETFs, o que promove maior manejo de risco. Afinal, a perda de um ativo pode ser compensada pelo bom desempenho de outro.

2. BDRs

BDRs é a sigla para brazilian depositary receipts, um certificado de depósito que representa investimentos estrangeiros. Recentemente, essa alternativa se tornou mais acessível na B3, já que até 2020 era restrita aos investidores qualificados.

Os certificados funcionam assim: instituições depositárias adquirem ativos no exterior e emitem um recibo que possui lastro neles. Os investimentos podem ser ações, títulos de dívidas, ETFs internacionais e outros.

Assim, quando você investe em BDRs pode expor seu patrimônio à bolsa americana, apesar de fazer as negociações pela bolsa de valores brasileira. Seus resultados dependerão da valorização ou desvalorização do investimento internacional — tendo influência também do câmbio.

3. COE

Mais uma alternativa para saber como investir na bolsa americana, aproveitando o potencial dos EUA, é o COE. Sigla para certificado de operações estruturadas, trata-se de um produto criado por instituições de investimento.

Essa modalidade reúne investimentos variados — inclusive, ativos internacionais em alguns casos. Assim, o investidor se expõe a uma carteira específica, com condições próprias de rentabilidade e risco. Existem diversas opções para sua escolha.

4. Fundos multimercados

Um fundo multimercado tem uma gestora responsável pela escolha de ativos do portfólio — que pode ser bastante diverso. Desse modo, caso considere uma boa estratégia, pode investir recursos também dos Estados Unidos.

Dessa maneira, o investidor expõe parte do seu capital à bolsa de valores dos EUA de forma indireta com os fundos multimercados. Contudo, é importante saber que nem todos os seguirão essa estratégia. Além disso, a parcela exposta pode ser bem pequena em relação ao total do patrimônio.

Portanto, avalie com cautela a estratégia do fundo e identifique se ele está exposto ao mercado internacional.

5. Fundos internacionais

Por fim, os investidores brasileiros que desejam investir na bolsa americana podem optar também pelos fundos internacionais. Eles representam fundos que podem ter uma alocação percentual maior em ativos internacionais.

Nessa modalidade, o gestor tem mais liberdade para expor parte do patrimônio ao mercado externo. Contudo, por envolver maior complexidade, já que muitos fundos desse tipo estão acessíveis apenas para investidores qualificados.

Agora você sabe como investir na bolsa americana com 5 alternativas de investimento. Todos são maneiras de expor seu patrimônio no mercado exterior sem precisar enfrentar a burocracia de abrir uma conta internacional. Avalie o que faz sentido para a sua carteira antes de investir!

Gostou de conhecer as formas para direcionar os investimentos para bolsas de valores de outros países? Então aproveite para descobrir por que e como investir na bolsa da China!