Suporte e Resistência entenda esses conceitos

Suporte e Resistência: entenda esses conceitos

Na hora de aproveitar as oportunidades da bolsa de valores não é preciso se limitar ao investimento de longo prazo. Também existe a chance de especular, buscando o lucro por meio de operações de curto ou curtíssimo prazo. Nesse cenário, vale conhecer os conceitos de suporte e resistência.

Isso porque eles são elementos essenciais na observação de preços do mercado. O trader utiliza a análise técnica ou gráfica para basear a tomada de decisão. Assim, elementos como esses dois são pilares para entender as tendências em busca de bons resultados.

Portanto, veja o que são suporte e resistência e entenda o que é essencial sobre o assunto!

O que é a análise técnica e como funciona?

A análise técnica ou gráfica se baseia na avaliação de um gráfico que considera as variações de preço e de volume de negociação de ativos ou derivativos na bolsa de valores. Portanto, o especulador utiliza as flutuações pontuais para encontrar oportunidades de compra e venda.

Para realizar a análise, é comum utilizar ferramentas como indicadores. Eles concentram dados relevantes para as operações. Assim, são recursos essenciais para quem especula.

O que é e como funciona o suporte?

O suporte é uma região que serve como piso para os preços de negociação de um ativo ou derivativo. Trata-se de um ponto que sempre fica abaixo do preço atual e que indica que, provavelmente, a cotação não cairá abaixo desse ponto.

Graficamente, o nível de suporte se posiciona no chamado fundo, que corresponde ao ponto mais baixo da linha de tendência naquele momento de avaliação. Assim, é dado pelo menor preço alcançado em determinado período.

Ele existe indicando que na região a força compradora é maior que a força vendedora. Quando um suporte é testado e não é ultrapassado, a mensagem para o mercado é que o ativo ou derivativo provavelmente não alcançará um preço menor do que aquele.

O que é a perda de suporte?

De modo geral, é menos provável que os níveis de suporte sejam ultrapassados. Ou seja, a expectativa é que o preço do ativo atinja as linhas de suporte e logo em seguida passe por uma elevação, indicando que o preço mínimo não foi superado.

No entanto, em determinadas situações pode acontecer de a força vendedora superar a força compradora nesse ponto de suporte. Quando isso acontece, o ativo cai abaixo do que estava estabelecido pelo limite.

Ao fenômeno damos o nome de perda de suporte — ou rompimento. Normalmente, a queda se torna acentuada e o cenário pode indicar uma reversão das linhas de tendência, o que muda o cenário para quem especula.

Em caso de reversão de tendência, o suporte se transforma em uma resistência. Com isso, os preços passam a se mover em um novo intervalo, de modo que as referências de maior ou menor cotação são outras.

O que é e como funciona a resistência?

A resistência é o oposto do suporte. Trata-se de uma região do gráfico que funciona como um tipo de teto para o preço do ativo ou derivativo. Sendo assim, um nível de resistência delimita qual é o provável preço máximo.

Em termos gráficos, a resistência fica no topo da linha de tendência. Logo, níveis de resistência representam os maiores números obtidos, diante das oscilações.

A resistência, portanto, fica em uma região acima do preço atual de negociação e denota que, provavelmente, o preço não subirá acima daquele patamar. Significa que a força vendedora supera a compradora, pois é um intervalo em que muitos traders consolidam seus lucros vendendo.

Assim, quem está operando comprado pode ter a resistência como sinal para realizar a venda dos ativos ou derivativos. Logo, ela pode funcionar como ponto de saída da operação — ou ponto de entrada, no caso de uma operação vendida.

O que é o rompimento de resistência?

Quando pensamos em suporte e resistência, é importante entender que, apesar de serem opostos, eles têm comportamentos parecidos. Por isso, a resistência pode funcionar como um indicador do teto dos preços, mas não há garantias — assim como o suporte não garante o preço mínimo.

Dependendo do que acontece no mercado, pode ocorrer uma subida de preço acima do que, até então, seria o máximo. Quando tal situação ocorre, temos o chamado rompimento de resistência.

Uma vez que o preço seja rompido, a tendência é que ele suba rapidamente, devido ao ganho acentuado de volatilidade. Há também a expectativa quanto a uma reversão de tendência em muitos casos.

Se a reversão de tendência se consolidar, a antiga resistência se torna o novo suporte. Logo, os preços se movem em outro intervalo, como você viu anteriormente.

Como esses patamares atuam no gráfico?

Agora que você já sabe o que são suporte e resistência, é interessante considerar os impactos dos conceitos no gráfico. Na prática, eles ajudam a criar uma zona intermediária, na qual a linha de tendência se mantém em uma média e que reúne as maiores probabilidades de negociação.

Basta considerar que você terá um limite superior dado pelos níveis de resistência e um limite inferior composto pelos níveis de suporte. Entre eles há a linha de tendência, que costuma se mover para cima ou para baixo, conforme os acontecimentos do mercado.

Então o especulador pode observar o comportamento e verificar, por exemplo, se há testes constantes de suporte ou resistência. Em caso afirmativo, pode significar que eles são fortes o bastante e que, pelo menos no curto prazo, o preço tende a ficar nesse intervalo.

Tal entendimento é útil porque ajuda a identificar as oportunidades com maior eficiência, além de permitir antecipar certos comportamentos, de acordo com os números observados.

Por que é importante conhecer suporte e resistência?

Para a análise técnica, suporte e resistência estão entre os elementos mais importantes e podem definir os resultados da avaliação quanto ao ativo ou derivativo de interesse. Afinal, são pontos importantes que revelam o comportamento do mercado e indicam onde estão as oportunidades.

Por isso, vale a pena saber como usá-los e o que os torna tão importantes. Veja por que é indispensável conhecer esses conceitos e saiba o que eles podem fazer em sua análise!

Identificar tendências

Não é porque o preço de um ativo ou derivativo sofreu um aumento nas últimas posições que, necessariamente, ele está em alta. Da mesma forma, quedas em momentos pontuais não representam, obrigatoriamente, a formação de uma tendência.

Com os conceitos de suporte e resistência é possível avaliar melhor as condições e encontrar quais são as tendências existentes no mercado. Isso é feito, principalmente, com ajuda sobre o posicionamento de suportes e resistências.

Se os próximos suportes estiverem mais baixos que os anteriores é sinal de que existe uma tendência progressiva de queda. É algo que pode revelar até mesmo a existência de um canal de baixa, que é marcado pelo comportamento diagonal da linha de tendência.

Já se as próximas resistências estiverem acima das anteriores, o mais provável é que exista uma tendência de alta. Novamente, pode até representar a existência de um canal de alta, o que ajuda a consolidar uma avaliação de valorização.

Verificar padrões gráficos

Pensando na análise técnica, o suporte e a resistência podem estar envolvidos em padrões gráficos, os quais favorecem a análise das condições de mercado e das possíveis oportunidades de negociação, em busca dos lucros.

O padrão ombro cabeça ombro, por exemplo, é interligado por uma linha de suporte, que funciona como o pescoço. Nesse caso, há a indicação de reversão de tendência e usar o suporte é fundamental para reconhecer isso e poder se antecipar.

Já o retângulo é formado por linhas de suporte e resistência, entre as quais surgem topos e fundos consecutivos. Logo, pode indicar uma estabilização ou mesmo uma congestão quanto ao preço de negociação.

Definir mecanismos de stop

Para diminuir as chances de sofrer perdas além do que você julga ser tolerável, as operações de especulação podem contar com os chamados mecanismos de stop. O stop loss, por exemplo, determina um preço limite no qual os ativos ou derivativos devem ser vendidos.

Também é possível estabelecer o stop gain, que define um limite máximo de ganhos. Assim, ele ajuda a controlar possíveis perdas ocorridas após uma valorização.

Os stops são estabelecidos com base em números de referência — que devem ser escolhidos pelo trader. Assim, é válido usar o suporte e a resistência para defini-los. O stop loss, por exemplo, pode ser definido próximo ao suporte.

Já o stop gain pode ficar próximo à resistência, o que permite consolidar lucros em determinadas situações. Contudo, é preciso ter cuidado de não definir exatamente os preços apontados como suporte ou resistência, pois a volatilidade é maior em tais pontos.

Tomar decisões sobre operações

Por fim, a existência e o conhecimento sobre suporte e resistência permitem que você especule de forma mais condizente com a sua estratégia. É possível montar e desmontar diversas operações seguindo as linhas do gráfico.

Além disso, vendo que há a chance de um preço romper o suporte ou a resistência, você pode definir que é o momento de abrir ou fechar uma posição. Analisando o volume das operações também é possível verificar se uma reversão de tendência é provável ou não.

O suporte e a resistência são pontos importantes da análise técnica e interferem em sua tomada de decisão. Sabendo reconhecer e usar tais recursos a seu favor, você terá mais chances de conquistar os lucros esperados!

Ainda tem alguma dúvida sobre esses conceitos importantes? Conte nos comentários e participe para saber mais sobre o tema!

(Visited 13 times, 1 visits today)

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Deixe uma resposta


Postagens Relacionadas

Mais Lidos

Categorias

Utilizamos cookies que melhoram a sua experiência em nosso site. Todos seguem as regras da nossa Politica de Privacidade. Clicando em "OK" você concorda com a nossa política.