Qual a importância da B3 no cenário mundial?

Qual a importância da B3
Qual a importância da B3

Ao analisar o mercado financeiro brasileiro, você notará que a B3 é uma das estruturas mais importantes. Essa é a bolsa de valores brasileira e, por meio dela, são negociados bilhões de reais diariamente.

Porém, além de entender a dinâmica da bolsa no contexto interno, vale saber qual é o seu papel e relevância em relação ao mercado internacional. Afinal, esse conhecimento pode auxiliar em suas análises e estratégias de investimentos.

Na sequência, descubra melhor a relação entre a bolsa de valores brasileira e os mercados mundiais!

Qual é a história da B3?

Para começar a conhecer a bolsa de valores do Brasil, vale a pena entender o histórico desse ambiente organizado para negociação de valores mobiliários. Ainda no tempo do Império — antes de 1889 —, existiam diversas bolsas de valores espalhadas entre os diversos estados do país.

Essa estrutura foi mantida ao longo das décadas até que, em 1966, o sistema financeiro nacional passou por um processo de regulação. Como resultado, as bolsas se tornaram entidades com liberdade de funcionamento, mas com fiscalização periódica.

Pouco tempo depois, a Bovespa — como era chamada a bolsa de valores de São Paulo — se tornou a principal bolsa do Brasil. Em segundo lugar, estava a bolsa de valores do Rio de Janeiro.

Já nos anos 2000, restavam apenas 9 bolsas no mercado brasileiro. Na época, devido à importância das bolsas de São Paulo e do Rio de Janeiro, elas se integraram. Enquanto a primeira negociava títulos privados e ações, a segunda negociava títulos públicos.

Essa estrutura foi mantida até 2006, quando as bolsas se fundiram. Em 2008, a Bovespa abriu seu capital e se uniu à Bolsa Mercantil & de Futuros. Assim, foi criada a BM&F Bovespa.

A próxima grande mudança ocorreu em 2017. Nesse ano, houve a integração entre a BM&F Bovespa e a Central de Custódia e Liquidação Financeira de Títulos Privados (CETIP). Foi assim que surgiu a B3, sigla para Brasil, Bolsa, Balcão.

Como funciona a bolsa de valores brasileira?

Após conhecer a história do surgimento da bolsa de valores brasileira e a sua evolução, é interessante entender como ela funciona. De modo geral, trata-se de um ambiente no qual os investidores podem negociar ativos e derivativos com proteção operacional.

Afinal, todas as operações são verificadas e regulamentadas, o que garante a integridade do mercado. Além disso, é preciso emitir ordens de compra ou de venda em relação aos ativos e derivativos, dependendo do movimento que você deseja fazer.

Em relação à liquidação, normalmente, é necessário esperar 3 dias úteis (D+2) para que a operação seja concluída, conforme regras vigentes em 2022. Logo, é após as 72 horas úteis que o ativo passa a fazer parte da sua carteira — porém, esses prazos podem mudar com o tempo.

Ainda, você deve considerar outra questão importante: a divisão da B3 de acordo com os mercados de negociação. Veja quais são eles:

  • mercado à vista: é o mais conhecido e permite a negociação de ativos e cotas de fundos pelo preço estabelecido no pregão no momento da operação;
  • mercado a termo: prevê a negociação de ativos de referência com pagamento de juros definidos previamente e em uma data específica;
  • mercado de opções: realiza a negociação de opções, que são derivativos que dão o direito de compra (call) ou venda (put) de ativos e derivativos. A operação tem um preço de exercício (strike) que pode ser exercido em uma data futura;
  • mercado futuro: é composto por contratos futuros, os quais permitem se posicionar contra ou a favor o desempenho de um ativo de referência até determinada data.

Qual é a importância da bolsa de valores brasileira para o mundo?

O próximo passo para conhecer sobre a B3 é entender como a bolsa de valores do Brasil é relevante para o restante do mercado global. Para analisar as maiores bolsas mundiais, é comum utilizar o valor de capitalização em dólares.

Por essa medição, a bolsa de valores de Nova York (NYSE) é a maior do mundo, sendo acompanhada pela Nasdaq. As duas são as maiores bolsas de valores dos Estados Unidos.

Ademais, vale saber que a B3 não está no ranking das 10 maiores bolsas do mundo. Porém, ela aparece como a maior bolsa de valores da América Latina. Logo, esse é um dos mercados mais importantes no contexto de investimento internacional.

Outro ponto relevante é que a B3 costuma ser um destino para investidores e especuladores estrangeiros. Por fazer parte de um mercado emergente, a bolsa brasileira pode ser uma alternativa interessante a quem busca melhorar a relação de risco e retorno da carteira.

Mesmo em um cenário desafiador, como diante da guerra entre Rússia e Ucrânia, em 2022, o mercado se mostrou resiliente e capaz de atrair aportes de investidores estrangeiros.

Para realmente entender o potencial da bolsa brasileira no contexto internacional, vale compreender o volume de negociação. Em março de 2022, esses foram os valores movimentados divulgados pela B3, segundo o tipo de investidor:

  • institucionais: R$ 361 bilhões;
  • instituições financeiras: R$ 51 bilhões;
  • investidores estrangeiros: R$ 777 bilhões;
  • investidores individuais: R$ 221 bilhões;
  • outros: R$ 14 bilhões.

Como investir na bolsa de valores do Brasil?

Agora que você compreende a relevância da bolsa de valores brasileira, vale a pena entender como participar desse mercado organizado. Para começar, é preciso identificar o seu perfil de investidor e os seus objetivos financeiros.

Reconhecer qual é a sua tolerância ao risco é essencial para determinar se investir na bolsa faz sentido em sua realidade. Afinal, ela concentra alternativas da renda variável, que tem maior exposição à volatilidade. Logo, os riscos são maiores.

Já sobre os objetivos, o investimento na bolsa costuma ser adequado para o longo prazo. Com períodos estendidos, pode haver a maturação do investimento e a diluição de parte dos riscos.

Caso entenda que investir na bolsa é interessante para você, é necessário abrir conta em um banco de investimentos. É por meio da instituição financeira que você terá acesso ao home broker — plataforma que permite negociar ativos, veículos financeiros e derivativos disponíveis na B3.

Depois, basta analisar o código de identificação do investimento que você deseja fazer e emitir a ordem de compra. Uma vez que a liquidação seja concluída, o investimento passará a fazer parte da sua carteira.

Agora você sabe como a bolsa de valores brasileira se relaciona no cenário internacional e como ela pode ser importante. Para aproveitar o potencial que ela oferece, você pode começar a investir nas oportunidades disponíveis na bolsa, entre ações, cotas de fundos e mais.

Gostou dessas informações? Se quiser ajuda para explorar a bolsa brasileira, entre em contato conosco da Renova Invest!

 

 

Veja também:

Inscreva-se
Notificar-me de
Esse campo só será visível pela administração do site
botão de concordância
2 Comentários
Feedbacks
Visualizar todos os comentários

Utilizamos cookies que melhoram a sua experiência em nosso site. Todos seguem a nossa Politica de Privacidade. Clicando em "OK" você concorda com a nossa política.