Atingir o sucesso com os investimentos, muitas vezes, depende de cenários que estão além do controle do investidor. Um deles é o de risco fiscal — que pode ser responsável por impactar toda a economia.

Esse risco se caracteriza como a união de uma série de fatores, principalmente políticos. Assim, compreender esse conceito e como ele influencia o mercado financeiro é essencial para gerar uma maior clareza aos seus investimentos.

Pensando nisso, neste artigo você entenderá o que é o risco fiscal e como ele impacta o mercado e a o seu portfólio. Acompanhe a leitura!

O que é risco fiscal?

O risco fiscal consiste na possibilidade de um Governo não conseguir cumprir o seu planejamento financeiro. Como consequência, é possível que ele não atenda algumas obrigações fiscais — gerando um aumento na dívida pública.

Esse tipo de situação acontece quando a receita não é suficiente para cobrir seus gastos. Ou seja, se cria um cenário de déficit público. Esse, por sua vez, pode causar uma intensa crise financeira quando não administrado de maneira correta.

Dessa forma, o risco funciona como uma espécie de indicador para os investidores — visto que existe como uma forma de orientá-los. Assim, um país ter risco fiscal elevado significa que ele pode não ser o ambiente mais seguro para novos investimentos.

Esse tipo de indicador depende de uma série de fatores. O mais comum deles é o aumento das despesas públicas, alinhado a uma baixa atração de novos recursos. Desse modo, o mercado indica um aumento no risco fiscal naquele país.

Como ele impacta o mercado?

As incertezas em relação às finanças de uma nação são capazes de impactar todo o mercado financeiro. Isso se dá porque o setor privado também sofre com as indefinições. Assim, é comum que empresários se sintam inseguros em seu planejamento.

Além disso, a possibilidade de não pagamento das dívidas dificulta a negociação de empréstimos e financiamentos — o que pode agravar ainda mais a situação. Com isso, há também a saída do capital estrangeiro do país.

Além disso, o cenário de alto risco fiscal também pode influenciar a taxa básica de juros — que, no Brasil, é a Selic. Quando o Governo opta por elevá-la com intuito de conter a inflação, por exemplo, o acesso ao crédito fica mais caro e, consequentemente, o poder de compra da população diminui.

Esse cenário pode ser o catalisador de problemas gerais e uma grande crise financeira. Logo, todo o mercado financeiro e a população em geral sentirão os impactos negativos.

O que considerar na hora de investir?

Você acabou de ver que o risco fiscal traz efeitos relevantes na economia de um país. Dessa forma, é preciso tomar alguns cuidados ao realizar investimentos.


Saiba mais o que considerar!

A situação econômica do país

O primeiro passo, e possivelmente mais importante, é buscar se atualizar sobre a situação econômica do país. Compreender o cenário de momento e fazer projeções para o futuro é ideal para investir com mais segurança — mesmo em um cenário de risco fiscal.

Além disso, outro ponto que o investidor deve acompanhar é a reação dos investidores estrangeiros. Por representarem uma parcela significativa do capital investido no Brasil, sua retirada pode trazer impactos negativos já no curto prazo.

Os ciclos da taxa básico de juros

Como você viu, a taxa básica de juros também é um indicador relevante quando falamos em risco fiscal. No âmbito brasileiro, um aumento da taxa Selic tornará o crédito mais caro — dificultando seu acesso à população em geral.

Por isso, é importante ficar atento a esses ciclos. Uma Selic alta, por exemplo, impacta também o setor privado. Assim, ter conhecimento sobre os ciclos e as expectativas para os próximos meses é essencial tanto para quem investe em renda fixa quanto em renda variável.

Como proteger os investimentos?

Com essas informações em mãos, é natural que você se pergunte como é possível proteger os seus investimentos em um contexto de maior risco fiscal. Para isso, é preciso seguir uma estratégia que proporcione essa segurança.

Conheça alguns passos!

Avaliar o risco dos investimentos

Antes de realizar um aporte é imprescindível que o investidor avalie seus riscos. É importante não esquecer que qualquer investimento gera um nível de risco para o seu patrimônio. Por isso, é fundamental estudar as opções com cautela.

Quando se fala em risco fiscal, essa questão se refere às chances de um Governo não pagar suas dívidas. Portanto, quem investe em títulos do Tesouro Direto, por exemplo, precisa ter uma atenção especial a essa questão.

Embora ele seja um dos investimentos mais seguros disponíveis no mercado, o investidor está emprestando seu dinheiro ao Governo. Assim, com o aumento da dívida pública federal sem o devido controle, a chance de inadimplência existe.

Além disso, as ações e os demais ativos de renda variável também sentem impactos. Como esse contexto de risco fiscal impacta as empresas e o setor privado, é possível que esses investimentos sejam afetados na sua rentabilidade.

Portanto, é fundamental que o investidor se dedique a avaliar as alternativas. Lembre-se de basear suas escolhas em seu perfil de risco e em seus objetivos para curto, médio e longo prazo.

Diversificar o portfólio

Além de cumprir o passo acima, uma forma essencial para se proteger de riscos é dedicar tempo para diversificar seu portfólio. Isso significa fazer aportes em uma série de produtos e ativos e, possivelmente, em diferentes classes de investimento.

Contar com um portfólio amplo e diversificado é uma estratégia para diluir os riscos da carteira no geral. Dessa forma, enquanto um dos seus investimentos está apresentando uma má performance, outros podem estar em um período de alta, por exemplo.

Assim, é possível tentar equilibrar os impactos e até mesmo atingir uma maior rentabilidade. Afinal, será possível aproveitar ativos de maior risco, tendo uma parcela da carteira em maior segurança.

Como vimos, o risco fiscal é um conceito que pode impactar a economia como um todo. Por isso, entender como ele funciona é fundamental para que você possa proteger seu patrimônio e definir melhores estratégias para os seus investimentos.

Quer entender melhor os conceitos do mercado financeiro? Fale com um de nossos assessores na Renova Invest para que possamos lhe dar o suporte necessário!