Na hora de investir na renda fixa é preciso decidir entre obter rentabilidade pré ou pós-fixada. Os fundos também podem apresentar essas divisões e, por isso, é relevante aprender como funciona um fundo pós-fixado.

Ele acompanha indicadores de mercado e pode ser interessante em determinados momentos e situações econômicas. Ao mesmo tempo, é fundamental saber fazer a análise corretamente, para tomar a melhor decisão para a sua carteira de investimentos e para os seus objetivos.

Na sequência, descubra quais são as características dos fundos pós-fixados e confira as oportunidades que eles oferecem!

O que é um investimento pós-fixado?

Um investimento pós-fixado é uma alternativa de renda fixa que tem rentabilidade atrelada a um indicador econômico. Então, por um lado, existe uma regra específica quanto à rentabilidade, mas o valor varia com a flutuação do indicador.

No mercado financeiro brasileiro, há três indicadores que costumam ser usados. O primeiro é a taxa Selic, que é a taxa básica de juros da economia. A cada 45 dias, o Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central, faz uma reunião para decidir o valor da taxa.

O outro é o Certificado de Depósito Interbancário (CDI), que acompanha a Selic, ficando um pouco abaixo dela. Investimentos pós-fixados atrelados a ele tendem a definir o rendimento na forma de um percentual do CDI.

Por fim, há o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que é a taxa oficial de inflação do Brasil. O indicador é mais utilizado em investimentos de rendimento híbrido, ou seja, com uma taxa fixa mais a variação pós-fixada.

O que é um fundo pós-fixado?

Agora que você conhece os investimentos de renda fixa pós-fixados, é o momento de conhecer os fundos. Nesse caso, o fundo pós-fixado se caracteriza por investir em títulos com rentabilidade atrelada a um indicador econômico com resultado que pode variar ao longo do tempo.

Em comparação, os fundos prefixados são aqueles que investem em títulos com rentabilidade que é definida no momento do contrato, por meio de uma taxa fixa. Com isso, os fundos com títulos prefixados permitem saber quais serão os ganhos no resgate, ao contrário dos pós-fixados.

Como funciona o fundo pós-fixado?

Quando se fala em fundos de investimento é preciso entender que eles envolvem a participação de diversos investidores que adquirem cotas. O portfólio do fundo, então, é movimentado por um gestor. O profissional define como alocará os recursos.

No caso de fundos pós-fixados, a prioridade é dada aos títulos com esse tipo de rentabilidade. É comum que os títulos do Tesouro Nacional estejam presentes, com foco no Tesouro Selic. O Tesouro IPCA também pode fazer parte de fundos de longo prazo.

No momento previsto para encerramento do investimento, é possível resgatar os valores, somando a rentabilidade obtida por incidência do indicador financeiro escolhido.

Quais são as principais estratégias?

Para saber como funciona o fundo pós-fixado também é essencial entender que podem ser adotadas diversas estratégias. Como o retorno obtido está atrelado a um indicador, há mais possibilidades para o gestor atuar para encontrar oportunidades atraentes.

Como visto, os títulos do tesouro costumam receber prioridade e a maior parte dos recursos. No entanto, pode ocorrer o investimento em alternativas de renda fixa do mercado financeiro, em busca de mais rentabilidade.

Um fundo moderado ou arrojado pode aumentar o valor alocado no crédito privado, por exemplo. Com isso, o patrimônio pode ser composto por certificados de recebíveis imobiliários (CRI) e do agronegócio (CRA), além de debêntures.

Há, ainda, os fundos que alocam a maior parte dos recursos para adquirir cotas de outros fundos pós-fixados. Com a variação de estratégias, o perfil de risco também oscila, bem como o potencial de retorno financeiro.

Quais são as vantagens e desvantagens?

Os fundos pós-fixados podem ser positivos para determinados objetivos. Por exemplo, podem ser úteis para alocar reservas de emergência, em especial quando apresentam alta liquidez. Porém, é preciso conferir o perfil de risco, já que a segurança é um aspecto importante nesse objetivo.

Outra vantagem é que podem oferecer resultados em um momento de oscilação positiva dos juros. Se a expectativa para a Selic for de alta, essa pode ser uma escolha interessante. Afinal, é provável que o retorno do Tesouro Selic seja maior.

Em relação às vantagens também é preciso considerar que o investimento em renda fixa é potencialmente mais seguro, especialmente se comparado à renda variável. Essa classe é conhecida por ter previsibilidade nos rendimentos.

Além disso, como os fundos costumam investir em diversos ativos simultaneamente, podem ser alternativas para quem pretende diversificar a carteira. É possível se expor a títulos diferentes, manejando os riscos.

Ao mesmo tempo, é preciso ter atenção às desvantagens. Por exemplo, limitação na rentabilidade ou resultado menor em momento de queda de juros. Avalie também cada fundo com atenção, para conhecer eventuais riscos e desvantagens específicos.

Vale a pena investir em fundo pós-fixado?

Até aqui, você conferiu as principais características e como funciona um fundo pós-fixado. No entanto, será que essa alternativa realmente é atraente e deve fazer parte da sua carteira? Para responder isso, é preciso fazer uma análise do mercado financeiro e das suas expectativas.

Em um cenário de queda de juros, talvez não seja tão oportuno alocar uma grande quantidade de recursos nesse tipo de fundo. Porém, se você prioriza a liquidez e espera poder resgatar quando quiser, esse pode ser um investimento que atende às suas demandas.

O investimento nesse fundo também não precisa excluir a modalidade prefixada. É possível unir alternativas prefixadas e pós-fixadas para diversificar a carteira ou para atender a múltiplos objetivos.

Portanto, é preciso ponderar o que faz sentido para a sua realidade, considerando as características individuais que são apresentadas na lâmina de cada fundo. Caso ele seja adequado para sua carteira, é fundamental avaliar a estratégia para selecionar aquela que fizer mais sentido.

Sabendo como funciona um fundo pós-fixado, você pode adicionar essa alternativa à sua carteira de investimento. Porém, não deixe de considerar o potencial dos fundos prefixados e sempre considere as suas características, como perfil de investidor e objetivos.

Se quiser acompanhar outras informações e novidades, confira nossas publicações no Facebook, Instagram, LinkedIn e Youtube!