Investir no exterior nem sempre significa assumir todos os riscos da renda variável. Também é possível aproveitar alternativas da renda fixa para expor seu capital a outro mercado — inclusive, sem sair do Brasil. Para tanto, é fundamental saber o que são bonds.

Esses títulos apresentam algumas semelhanças aos produtos disponíveis no mercado nacional, mas também têm aspectos que exigem atenção. Logo, é importante entender como eles funcionam e de que forma podem fazer sentido para sua carteira.

A seguir, descubra o que são os bonds e entenda quando pode ser interessante investir nesses títulos internacionais!

O que são bonds?

Os bonds são títulos de renda fixa emitidos por um Governo ou por empresas. O nome se refere aos títulos de investimento no exterior. Os bonds americanos, por exemplo, são negociados nos Estados Unidos e fazem referência a instituições americanas.

No caso, os bonds de países se assemelham aos títulos públicos como conhecemos. Já os títulos de companhias são semelhantes às debêntures, por exemplo. Eles podem ser encontrados na bolsa de valores — como a bolsa americana — ou em plataformas de instituições.

Como funcionam esses títulos de renda fixa?

Já que você aprendeu o que são bonds, é importante compreender o funcionamento desses títulos e suas principais características. Assim como acontece com os investimentos tradicionais de renda fixa, um bond é um título de crédito. Ele serve para que o emissor possa captar valores.

Esses recursos são obtidos com os aportes feitos pelos investidores. Por essa operação, o investidor recebe um retorno sobre o valor aplicado. Os ganhos dependem da taxa de juro oferecida ou acordada com o emissor.

Nos bonds americanos, por exemplo, empresta-se dinheiro para empresas dos Estados Unidos ou para o próprio Governo do país. Eles costumam ser prefixados ou atrelados à taxa de juros da economia ao qual se referem.

O vencimento dos bonds varia com cada título emitido. É possível encontrar alternativas do curto ao longo prazo, sendo que o rendimento costuma crescer com o tempo de aplicação.

A remuneração também pode acontecer de forma antecipada. Um bond conhecido como coupon realizará o pagamento de juros periódicos, por exemplo. Há, ainda, os bonds de resgate apenas no vencimento e os que permitem converter o título em ações.

Quais são as vantagens de investir em bonds?

Outro ponto importante para conhecer sobre os bonds é o conjunto de vantagens que ele pode oferecer. Com o investimento direto nesses títulos, é possível aproveitar um risco menor, já que são de renda fixa.

Também podem apresentar boa liquidez (e facilidade de resgate), rendimento de juros semestrais e outras características que atendam às suas necessidades.


Além disso, os bonds são forma de investir fora do Brasil com um pouco mais de segurança. Em vez de assumir os riscos ligados a ações, por exemplo, você pode dar preferência aos títulos de renda fixa que trazem retorno previsível.

Essa exposição do capital a um mercado diferenciado por meio do investimento no exterior ajuda na diversificação da carteira. Como consequência, há a chance de diluir riscos e mesmo de potencializar ganhos, de acordo com a estratégia.

Dependendo do caso, pode ser uma forma de dolarizar sua carteira. Com isso, passa a haver um nível de proteção contra as oscilações do câmbio.

Quais são os principais riscos?

Ao mesmo tempo, é preciso conhecer quais são os riscos dos bonds e o que deve ser observado antes da tomada de decisão. Por serem de renda fixa, o risco é menor, mas não significa que ele deixe de existir.

O principal ponto é o risco de crédito, que existe em relação à probabilidade do emissor não conseguir realizar o pagamento. No caso dos títulos de renda fixa do Brasil, alguns contam com a proteção do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), dentro do limite previsto.

Porém, nos bonds internacionais não há cobertura da entidade. Alguns títulos podem apresentar garantias, mas nem sempre é o caso, então é importante avaliar as informações do título. Além disso, é preciso avaliar o rating para entender o risco do país ou empresa em questão.


O Governo americano, por exemplo, é considerado um ótimo pagador. Já títulos de países emergentes podem apresentar maiores riscos. Ao mesmo tempo, a rentabilidade de títulos muito seguros pode ser mais limitada.

Quando vale a pena investir em bonds?

Além de saber o que são bonds e como eles se caracterizam, deve-se entender quando pode valer a pena realizar o investimento. Antes de tomar a decisão, é necessário avaliar seu perfil de investidor e seus objetivos.

Os bonds podem fazer sentido para quem busca mais segurança, mas e deseja diversificar a carteira internacionalmente, por exemplo. Quanto aos objetivos, eles devem estar alinhados com o prazo dos investimentos.

Ainda é interessante avaliar as condições de mercado. Um momento de alta de juros pode trazer oportunidades melhores, já que a renda fixa fica mais atraente. Além disso, é preciso pensar se a exposição a um mercado internacional ajudará na conquista dos seus objetivos.

Como investir em bonds sem sair do Brasil?

Agora que você conhece os bonds, pode ser que o investimento seja interessante para o seu portfólio. Vale saber que há formas de investir neles sem precisar ter conta no exterior ou realizar câmbio. Em vez disso, há alternativas disponíveis no mercado brasileiro.

Entre os exemplos, estão os brazilian depositary receipts (BDRs) ou certificados de depósito em valores mobiliários. Eles são criados por instituições intermediárias, que adquirem os ativos no mercado externo, emitem o certificado com lastro neles e o negociam no mercado brasileiro.

Portanto, é uma forma de investir indiretamente nesses ativos internacionais. Desde o final de 2020, os BDRs passaram a contemplar os bonds e fundos de índice (ETFs), já que antes focavam apenas em ações.

Por meio desse investimento, será possível se expor aos bonds e seus resultados. Porém, tenha atenção quanto ao risco. Embora envolvam títulos de renda fixa, os BDRs são negociados na bolsa de valores — e isso deve ser contemplado na sua análise.

Além dos BDRs, também é possível encontrar na bolsa brasileira ETFs que foquem em bonds. Para fazer o investimento, é preciso abrir uma conta em um banco de investimentos e acessar o home broker.

Agora que você sabe o que são os bonds, aproveite essas informações para avaliar se o investimento é adequado para o seu portfólio. Caso decida aproveitá-los, é possível encontrar alternativas disponíveis na bolsa brasileira!

Ainda tem dúvidas sobre o assunto? Deixe um comentário!