A política monetária de um país é um dos elementos mais importantes para controlar a economia e seu desempenho. Nesse sentido, a definição da taxa de juros é um ponto principal e pode ser orientada por duas propostas diferentes: hawkish e dovish.

Cada uma dessas políticas tem características e objetivos específicos ao cenário econômico. Ao conhecê-las, você poderá avaliar melhor os impactos das decisões e se preparar para realizar os investimentos de modo consistente.

Na sequência, descubra como essas duas políticas se diferenciam e saiba por que é importante explorar tais conceitos!

O que é uma política hawkish?

A política monetária hawkish tem origem no termo “hawk”, traduzido como falcão. Ela está diretamente relacionada ao aumento das taxas de juros da economia de um país.

Quando essa política é aplicada, existe um processo de austeridade fiscal. Assim, os órgãos competentes pela política monetária, fiscal e cambial preveem a manutenção de uma taxa alta ou o aumento da taxa de juros.

Isso encarece o crédito, diminui a demanda e pode ser útil para controlar a inflação. Ao mesmo tempo, é uma alternativa que pode afetar o desenvolvimento. Dependendo do cenário econômico, algumas consequências são as quedas da produção, do consumo e da geração de empregos.

O que é uma política dovish?

Uma política dovish, cujo nome deriva de “dove” ou pomba, tem o comportamento contrário à política hawkish. Nesse caso, o foco passa a ser diminuir ou manter baixa a taxa de juros da economia.

Essa medida estimula o consumo, o que pode favorecer o crescimento econômico. Na prática, o crédito se torna mais barato, então mais consumidores recorrem a linhas de financiamento e outras modalidades.

Ao mesmo tempo, a política aumenta o volume de dinheiro em circulação e pode elevar o nível de inflação.

Quais as principais diferenças entre elas?

Pensando no que diferencia as políticas hawkish e dovish, a atuação sobre a taxa de juros é o ponto principal. Com isso, os impactos de cada uma também são distintos.

A abordagem dovish é conhecida como política expansionista, já que busca fomentar o crescimento econômico. Se mais pessoas consomem, a produção aumenta, os negócios se expandem e contratam mais.

Essa situação leva à redução do desemprego, o que amplia a renda média da população, que usa os recursos para consumir mais — retroalimentando o processo. Porém, como visto, é uma medida que dá força à pressão inflacionária.

Com a proposta hawkish, temos a chamada política contracionista. A taxa de juros da economia fica maior e as instituições financeiras também cobram mais caro por seus produtos. Por exemplo, financiamentos e demais linhas de crédito.

Logo, tanto o crediário quanto outras formas de pagamento se tornam mais caras, o que desestimula o consumo. Como resultado, as empresas vendem menos, fabricam menos e contratam menos (ou demitem).

Diante das incertezas sobre a economia, mais pessoas podem passar a guardar dinheiro, o que reduz ainda mais a circulação de papel-moeda no mercado. Como consequência, é natural que a inflação fique dentro ou abaixo da meta.

Qual a relação entre hawkish e dovish com o mercado americano?

Os termos hawkish e dovish são usados no mercado norte-americano. É muito comum que eles apareçam em relatórios e decisões do Federal Reserve System.

O FED é a principal autoridade de política fiscal, monetária e econômica. No Brasil, seu equivalente é o Banco Central (Bacen).

Contudo, apenas os termos em inglês se referem à dinâmica dos Estados Unidos. O funcionamento da estratégia contracionista ou expansionista é o mesmo usado pelas autoridades de outros países — como o Brasil.

Assim, é importante saber que a adoção de medidas ligadas a cada uma dessas estratégias tem impactos no mercado nacional. Isso acontece, especialmente, com as decisões sobre a taxa Selic. Além disso, vale entender que as decisões dos Estados Unidos também afetam o Brasil.

Impacto das estratégias norte-americanas no Brasil

Uma política hawkish nos EUA pode estimular a migração de investimentos que estavam no Brasil para o mercado norte-americano. Em especial, se o Brasil estiver com a taxa de juros Selic baixa. Afinal, os investidores podem ver vantagens em aproveitar as taxas altas no próprio país.

Se a saída de investimentos estrangeiros do Brasil se concretizar, há uma redução na oferta de dólares na economia brasileira. Isso pressiona a política cambial, devido à valorização do dólar e à queda do real.

Por outro lado, uma política dovish nos Estados Unidos serve para fortalecer ou blindar a economia local. Com o fortalecimento do consumo e a expansão dos negócios, o mercado financeiro pode sofrer impactos positivos.

Mas as taxas mais baixas podem desinteressar investidores. Por isso, se o Brasil exerce a política hawkish simultânea a esse cenário nos EUA, pode estimular a entrada de investidores estrangeiros. Como se pode ver, as estratégias aplicadas em outros países exercem influência entre si.

Por que conhecer os conceitos como investidor?

Como investidor, é preciso saber quais são as condições do mercado financeiro e do cenário econômico de modo completo, não é? Isso ajuda a tomar decisões informadas e que são consistentes com seu perfil de investidor e com seus objetivos financeiros.

Pela dinâmica que você acabou de ver, um dos principais impactos das políticas hawkish e dovish está na rentabilidade dos investimentos. Quando ocorre um aumento na taxa de juros, a renda fixa costuma se tornar mais interessante porque pode oferecer ganhos maiores.

Diante da queda, por outro lado, é comum que a renda variável passe a ter maior relevância. Afinal, a expectativa de ganhos é maior em um cenário com essas condições. Também é preciso entender que as decisões afetam diretamente as características da economia e do cenário econômico.

Uma política dovish implementada por tempo prolongado pode aumentar muito a inflação e comprometer o poder de compra. Já uma política hawkish prolongada pode gerar ou fortalecer uma recessão da economia.

Como consequência, tais condições podem afetar sua capacidade de investimento ou mesmo as escolhas quanto às alternativas que farão parte da sua carteira de investimentos.

Embora com produtos de longo prazo não seja necessário fazer modificações o tempo todo, algumas estratégias além dos investimentos, como a especulação, podem exigir adaptação ao cenário. Portanto, é preciso estar atento.

Como você viu, as políticas hawkish e dovish são duas formas de atuar sobre a questão monetária de um país. Embora os termos sejam usados nos Estados Unidos, as decisões do país afetam o Brasil.

Além disso, a dinâmica das estratégias é semelhante à aplicada pelo nosso Banco Central – então vale a pena conhecê-la! Ainda tem alguma dúvida sobre essas políticas monetárias? Aproveite o espaço nos comentários e participe!