O Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) é um importante indicador para empresas de capital aberto no Brasil. Foi por isso que, visando atualizar os seus conceitos, a B3 reformulou sua metodologia pela primeira vez em mais de 15 anos de existência.

As mudanças foram anunciadas em julho de 2021 e entram em vigor a partir de janeiro de 2022. No entanto, é importante ficar atento às novas tendências do mercado e das empresas — que já buscam se atualizar o mais rápido possível.

Pensando nisso, que tal entender o que é o Índice de Sustentabilidade Empresarial, o que mudou e os possíveis impactos em seus investimentos? Continue a leitura!

O que é e como funciona o Índice de Sustentabilidade Empresarial?

O ISE é um índice que tem o objetivo de reconhecer empresas que valorizam ações sustentáveis. Ele surgiu em 2005, criado pela então Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Agora, o indicador é administrado pela B3 — a atual bolsa brasileira.

Dentro do ISE estão as principais organizações que seguem a Agenda ESG, que é a sigla para environmental, social and corporate governance. Em português, o seu conceito significa boas práticas no âmbito ambiental, social e de governança corporativa.

Dessa forma, desde sua criação, o índice busca identificar instituições que adotam esses valores em seus trabalhos. A participação no processo seletivo é voluntária e, após a avaliação, se compõe uma carteira com as empresas selecionadas.

Assim, o ISE se caracteriza por ser um dos índices mais importantes da B3. Além disso, tornou- se muito buscado por investidores que, mesmo no mercado de ações, procuravam uma maior segurança em seus aportes.

O que mudou com a atualização?

Como você viu, em julho de 2021 a B3 anunciou a primeira atualização no Índice de Sustentabilidade Empresarial — que será válida a partir de janeiro de 2022. O objetivo é atualizar os seus conceitos para acompanhar as novas tendências do mercado.

Algumas das principais mudanças foram:

Mais transparência

A transparência do índice foi um dos principais pontos de atenção da B3. O novo ISE terá como base uma pontuação de acordo com o critério ESG. Além disso, todas as empresas terão suas avaliações divulgadas para o público — incluindo as que não forem aprovadas.

A nota será o fator determinante para definir a participação de cada instituição na carteira. Anteriormente, a definição era feita a partir do valor de mercado de cada organização. Ou seja, com as mudanças, as boas práticas sustentáveis terão um peso maior.

Facilidade para inscrições

Outra novidade importante está nas inscrições. A B3 reduziu os questionários em cerca de 40%, os tornando mais objetivos. Ademais, eles também serão específicos e de acordo com o setor de cada empresa — e passaram a ser gratuitos.


Na versão anterior, cada organização precisava pagar uma taxa de R$35.000 para entrar no processo de seleção do ISE. No entanto, uma regra se manteve: apenas as 200 empresas com maior liquidez da bolsa de valores podem participar.

Fim do limite de empresas e mais revisões ao ano

O novo Índice de Sustentabilidade Empresarial também vai por fim no limite de 40 empresas. Com isso, todas as instituições que participarem do processo e forem consideradas aptas a compor o índice serão aprovadas.

Ademais, a carteira agora será revista duas vezes por ano — nos meses de maio e setembro. Assim, algumas empresas podem ser excluídas caso deixem de cumprir com os requisitos ESG. Anteriormente, essa avaliação era anual.

Adequação com métricas internacionais

Além das mudanças que você já viu, o novo ISE será mais internacional. Os temas relacionados ao clima no questionário, por exemplo, passam a ser elaboradas pela Carbon Disclosure Project (CDP). Essa é uma ONG internacional com foco em divulgar números de emissão de carbono por empresas.

O risco reputacional também terá um novo padrão. A B3 firmou uma parceria com a suíça RepRisk, que será a responsável por conduzir essas avaliações com as instituições que compõem o índice.

Quais os impactos das alterações do ISE no mercado?

Com as atualizações no ISE, a expectativa é que o mercado acompanhe as novidades. Um dos principais questionamentos em relação ao índice anterior estava na baixa transparência durante o processo de seleção. Como vimos, a B3 encontrou soluções.


Em adição a isso, os novos padrões e parceria internacionais também serão fundamentais para trazer uma maior confiabilidade à carteira. Assim, os investidores poderão acompanhar com mais proximidade os indicadores de sustentabilidade.

A questão da sustentabilidade vem ganhando um destaque cada vez maior globalmente. Dessa forma, muitos investidores têm buscado empresas sustentáveis e com boas práticas socioambientais para seus investimentos.

Logo, as novidades no Índice de Sustentabilidade Empresarial permitem que a B3 possa orientar as empresas quanto às exigências do mercado. Com isso, se espera que atividades sustentáveis sejam cada vez mais comuns em ambientes corporativos.

Por que investidores devem ficar atentos ao Índice de Sustentabilidade Empresarial?

Acompanhar essas atualizações é muito importante para os investidores. Afinal, como você viu, o Índice de Sustentabilidade Empresarial é um dos mais relevantes da B3. Com isso, investidores interessados nesse tema podem usá-lo como referência para seus investimentos em ações.

Além disso, ele reúne algumas das principais empresas da bolsa de valores brasileira. Como são reconhecidas por práticas sustentáveis e com alta liquidez, tornar-se acionista delas pode trazer uma maior segurança para investidores moderados e arrojados.

Por isso, é importante ficar atento às modificações. As avaliações públicas de todas as instituições, por exemplo, são fundamentais para estudar sobre as companhias e entender as práticas sustentáveis postas em prática por elas.

Outro ponto relevante está no fim do limite de empresas e na mudança em relação ao peso de cada uma delas na carteira. Dessa forma, quem investe em um ETF que siga o ISE, por exemplo, precisa acompanhar eventuais mudanças na composição e rentabilidade do seu portfólio.

O novo Índice de Sustentabilidade Empresarial veio trazer atualizações importantes e necessárias para a carteira teórica. Por isso, conhecer o tema é fundamental para investidores que buscam se informar sobre ele para selecionar empresas ou fundos.

Você deve estar a par das novidades e dos termos do mercado financeiro para fazer melhores investimentos. Por isso, aproveite para entender como funciona o teto de gastos e a importância para sua carteira de investimentos!