Quem tem o hábito de investir costuma buscar opções de diversificação da carteira. Uma forma de fazer isso e se expor ao mercado internacional é acompanhar o S&P 500. Ele é um dos principais índices do mercado norte-americanos.

Mas, você sabe se é possível ter acesso a e esse indicador sem sair do Brasil e quais as alternativas disponíveis? Entender essas questões pode trazer novas oportunidades de investimento para você. Assim, se tornará mais fácil fazer escolhas mais seguras.

Para ajudar nessa jornada, preparamos este conteúdo. A partir de agora você aprenderá o que é o S&P 500 e sua importância. Além disso, conhecerá alternativas para acompanhar esse índice. Confira!

O que é o S&P 500?

S&P 500 é a sigla para Standard & Poor’s 500. Esse índice demonstra os resultados das ações mais negociadas e representadas nas bolsas de Nova Iorque (NYSE) e da NASDAQ. Assim, é um dos principais indicadores do mercado dos Estados Unidos — o maior do mundo.

Como outros índices de bolsas de valores, o S&P 500 forma uma carteira teórica. Esse portfólio é composto conforme regras próprias e divulgadas ao público, para que os investidores conheçam os critérios.

Entenda a seguir!

Como ele é composto?

Como o próprio nome sugere, o S&P 500 é formado pelos papéis de cerca de 500 empresas com grande representação no mercado. A sua composição e funcionamento se dá de forma semelhante ao índice Ibovespa, da bolsa brasileira.

Assim, o índice forma um comitê periodicamente para determinar quais empresas farão parte do portfólio. A composição, então, considera alguns critérios para selecionar as companhias.

São eles:

  • capitalização;
  • liquidez;
  • viabilidade financeira;
  • período de comercialização;
  • domicílio;
  • flutuação pública;
  • classificação de setor.

Dentro do próprio índice, cada empresa tem um peso de representatividade. Dessa forma, como ele é divulgado por pontos, uma companhia pode ter mais influência que outra.

Também existem critérios rígidos para sua composição. Logo, o comitê não faz a escolha de maneira discricionária. Para fazer parte do S&P 500, é preciso cumprir os seguintes requisitos:

  • exercer operação no Estados Unidos;
  • possuir valor de mercado de acima do patamar mínimo, que é alterado periodicamente;
  • ter uma parcela de, no mínimo, 50% dos papéis disponíveis ao público;
  • as ações devem ter um valor de, pelo menos, 1 dólar;
  • pelo menos metade dos ativos e receitas devem estar nos Estados Unidos;
  • deve ter havido valorização nos quatro trimestres anteriores e no trimestre mais recente.

A composição do S&P 500 é revisada a cada 3 meses e o investidor pode acompanhá-la pelo site oficial ou de terceiros — como o slickcharts.

Qual é a importância do S&P 500?

Como você viu, o S&P 500 é um dos principais índices do mercado de ações no mundo. Como ele forma uma carteira abrangendo duas bolsas de importância mundial, acompanhá-lo é importante para os investidores.

Primeiro porque o S&P 500 funciona como um termômetro do mercado norte-americano, que é muito representativo na economia global. Dessa forma, as oscilações do índice demonstram como o mercado se comporta.

Assim, crises econômicas e aquecimento de negociações podem ser notadas pela variação do indicador. Além disso, os resultados baixos do S&P 500 podem afetar todo o mercado mundial, pois os investidores ficam mais apreensivos.

Outra importância do S&P 500 é servir como um benchmark para a carteira de investimentos. Nesse sentido, o investidor pode utilizá-lo como um parâmetro para verificar os resultados do próprio portfólio.

Dessa forma, se você investe em renda variável, principalmente em empresas estrangeiras, essa pode ser uma estratégia interessante. Verificar se os seus resultados acompanham ou estão acima do índice é uma boa base para medir seus ganhos e riscos.

Como investir no S&P 500?

Após conhecer o S&P 500 você deve se perguntar se é possível investir nele. É preciso entender que, por se tratar de um indicador, ele não é um ativo. Por isso, não é viável comprar uma parcela do S&P 500, por exemplo.

Contudo, os investidores podem se expor a esse índice por meio de investimentos que o espelham. A seguir você conhecerá alguns métodos:

ETFs

Os ETFs são os exchange traded funds, ou fundos de índice. Esses fundos compõem o seu portfólio com diversos ativos e o objetivo é replicar um indicador financeiro. Dessa maneira, são administrados por um gestor profissional, que ficará responsável pelas negociações.

Para participar, os investidores compram cotas do fundo e a cotação delas sofre oscilações conforme os resultados do portfólio do ETF. No caso do S&P 500, existem ETFs brasileiros que o replicam, como o SPXI11 e o IVVB11, negociados na B3.

BDRs

Os brazilian depositary receipts são certificados lastreados em ativos de emissores estrangeiros. Assim, eles não são os próprios investimentos internacionais, mas servem para se expor ao mercado de capitais do exterior.

Por isso, uma alternativa para se expor ao S&P 500 é procurar BDRs de ações de empresas que fazem parte dele. Outra opção é encontrar BDRs de ETFs que espelham esse índice. Desse modo, é possível ter seus ganhos atrelados às bolsas dos Estados Unidos.

Ao adquirir BDRs de ações, tenha em mente que será muito difícil investir nas 500 empresas. Assim, essa opção é acessível para o investidor que deseja se expor a apenas algumas companhias do portfólio. Então, ele pode escolher aquelas que mais lhe interessam.

Contrato futuro de índice

Os contratos futuros de índice são uma forma de se expor às variações futuras do S&P 500. Contudo, eles são mais indicados para especulação ou operações de proteção da carteira. Não se trata de um investimento. Por isso, é fundamental considerar o seu perfil e objetivos.

Aqui, você pode adquirir um contrato futuro, posicionando-se em relação à valorização ou desvalorização do índice — conforme suas análises. Depois, é possível receber ajustes diários até a data de vencimento ou revender o contrato antes do prazo, buscando lucros.

Agora você já conhece algumas opções para investir no S&P 500 no Brasil! Como você viu, esse índice é muito importante e considera as duas maiores bolsas do mundo. Por isso, saber como acompanhar suas variações e se expor a esse mercado pode trazer novas oportunidades a você.

Quer entender melhor como esses investimentos funcionam? Então conte com a nossa assessoria para esclarecer todas as dúvidas!