Conhecer os padrões gráficos para aplicar em estratégias de especulação, como no day trade ou no swing trade, é fundamental para potencializar sua expectativa de rentabilidade. Eles indicam tendências e podem mostrar rupturas e cenários propícios para as operações.

Contudo, existem diversos padrões a serem utilizados — o que pode gerar diversas dúvidas entre os traders. Diante disso, é importante aprender como funciona a análise gráfica e de que maneira aplicá-la em suas negociações.

A seguir você saberá mais sobre a análise técnica e conhecerá 7 padrões gráficos para acompanhar no day trade. Confira!

O que é a análise gráfica?

A análise gráfica, ou técnica, é uma forma de estudar as variações dos preços de ativos e derivativos na bolsa de valores. Para isso, utilizam-se os gráficos: ferramentas que demonstram, visualmente, como determinada cotação se comportou em um período.

Através dessa análise, os traders conseguem visualizar o histórico de preços e avaliar tendências do mercado. Assim, com um estudo aprofundado sobre o assunto, é possível traçar expectativas de como os preços ficarão no futuro.

É nesse momento que os operadores tentam obter ganhos. Avaliando as probabilidades de como a variação ocorrerá, é possível operar comprado ou vendido. Assim, o especulador busca lucro com a oscilação dos preços para cima ou para baixo.

Contudo, para conseguir fazer essa análise de forma satisfatória, é preciso conhecer os padrões gráficos. Os estudos desses padrões conseguem demonstrar como os preços de ativos variam conforme certos movimentos predeterminados.

Vale destacar que a análise não é garantida. Afinal, sempre há a possibilidade de oscilações inesperadas ocorrerem e do mercado se comportar de maneira oposta ao previsto. Entretanto, conhecendo os padrões, é possível aumentar suas chances de acerto.

7 Padrões gráficos para operar

Após entender o que é a análise gráfica, você conhecerá 7 padrões gráficos que podem ser utilizados para embasar suas decisões no day trade.

Acompanhe:

1. Ombro cabeça ombro

O padrão ombro cabeça ombro, ou simplesmente cabeça ombros, é um dos mais conhecidos na análise gráfica. Seu nome advém do formato que o gráfico apresenta, semelhante à cabeça e aos ombros de uma pessoa.

Ele se apresenta com uma estrutura de quatro partes: dois ombros, uma cabeça e um pescoço. Essas características podem se formar em tendências de alta, que é o formato padrão, ou de baixa, chamado de invertido.

Esse padrão é confirmado quando a linha de pescoço é ultrapassada após o segundo ombro. Assim, é comum que o volume das negociações aumente após a ruptura da linha de resistência.

2. Bandeira

O padrão bandeira é visualizado quando há uma continuação de tendência. Dessa maneira, ele indica uma entrada quando há um movimento já determinado. A bandeira se forma quando se visualiza um período de indecisão nos preços.

Nesse caso, existe o mastro, que é o começo da tendência, e a bandeira propriamente dita, no ponto médio. Logo, ela consolida o movimento formado. Esse padrão fica completo quando o preço sai da bandeira e confirma o movimento de alta ou baixa.

3. Topo duplo

O topo duplo é um padrão de gráfico que demonstra a reversão de uma tendência de subida para uma queda. Assim, o desenho apresenta, como o próprio nome diz, dois topos de tamanho quase iguais.

Desse modo, ocorrem duas reversões após esses topos, de médio ou longo prazo. Para confirmar de que se trata realmente de um topo duplo e que começará uma tendência de baixa, o próximo suporte deve ser rompido.

4. Cunhas

As cunhas são padrões que indicam a continuação ou a reversão de uma tendência. Para diferenciá-las, é preciso determinar a tendência anterior. Elas são divididas em ascendentes e descendentes.

Na cunha ascendente o preço é contido por duas linhas de tendência de alta. Aqui, a linha superior é menos acentuada que a inferior. Dessa forma, nota-se que as cotações mínimas sobem mais rapidamente que as máximas. Portanto, a tendência é que o rompimento seja para baixo.

Já a cunha descendente se comporta da forma inversa. Há duas linhas de tendência de baixa, mas aqui, a superior é mais acentuada que a inferior. Logo, é possível observar que as máximas caem mais rápido que as mínimas e a tendência é o rompimento para cima.

5. Martelo

O padrão martelo (mais conhecido como hammer) pode ajudar a definir o ponto de exaustão para começo de reversão nos preços. Ele é visualizado apenas em gráficos de candle, uma forma muito utilizada pelos traders.

No martelo, a vela (ou candle) tem um corpo pequeno e uma longa sombra inferior. É desse formato que vem o nome do padrão, tendo em vista que ele se assemelha a um martelo. Para caracterizá-lo, a sombra deve ser, pelo menos, duas vezes maior do que o corpo do candle.

O sinal de confirmação do padrão e a potencial reversão se dão pelo preço de abertura acima do corpo do martelo. Além dele, um candle de alta com preço de fechamento acima do martelo também confirma o padrão.

6. Retângulo

O retângulo é um padrão gráfico que representa uma figura de continuidade. Nele, os pontos superiores e inferiores continuam na mesma posição. Por isso, ele geralmente indica uma pequena pausa na tendência que estava ocorrendo.

Uma característica interessante dessa figura de continuidade é que a tendência anterior costuma se manter após a configuração do padrão.

7. Engolfos

Os engolfos são padrões que indicam uma reversão de tendência. Ele é caracterizado quando um candle vai contra o atual movimento, cobrindo a vela anterior. Esse padrão pode indicar tanto um momento de venda como de compra.

No engolfo de alta, ele vai em movimento contrário à tendência de baixa. Assim, o último candle negativo é coberto por um candle positivo, com um tamanho maior. Logo, é possível identificar a força da reversão.

Por outro lado, no engolfo de baixa o movimento é contrário. Após uma vela de alta, a próxima faz um movimento contrário, sendo maior ou semelhante à última. Desse modo, a expectativa é que a tendência sofra uma reversão para baixo.

Agora você já conhece 7 padrões gráficos para utilizar no day trade. Mas lembre-se de que, mesmo com uma boa análise, essas operações são de alto risco. Dessa forma, é ideal ter uma estratégia bem definida e um perfil que comporte a especulação!

Depois de conhecer os padrões gráficos para operações na bolsa, é importante entender como funciona o recolhimento de Imposto de Renda de ações. Confira em nosso conteúdo!

Investir em empresas estrangeiras não precisa ser difícil!

Baixe nosso e-book e saiba como ser sócio das gigantes internacionais: Amazon, Google, Apple, Facebook, entre outras!