Quando se pensa na negociação de ativos financeiros, o primeiro ambiente que vem à mente é a bolsa de valores. No Brasil, a B3 é a bolsa — nela, existem regras rigorosas para a participação de empresas e realização das transações. Mas você conhece o OTC e sabe o que ele é?

Muitos investidores ainda não descobriram esse outro ambiente para operações. Também chamado de mercado de balcão, ele tem características bastante diferentes da tradicional bolsa de valores. Contudo, é um mercado que está ganhando espaço para a negociação no Brasil — e vale entendê-lo.

Quer descobrir o que é o OTC e de que forma funciona esse ambiente? Acompanhe este post e entenda melhor sobre as características do mercado de balcão!

O que é OTC?

OTC é a sigla para over the counter, uma expressão que remete à época em que os ativos eram negociados em balcões das corretoras. Assim, o mercado de balcão é um ambiente para transações com títulos e valores imobiliários.

Nele as operações são descentralizadas e não passam pelas normas rigorosas da bolsa de valores. Assim, no OTC ocorrem negociações com ativos e títulos que não estão registrados na B3, por exemplo.

O OTC tem ainda um diferencial de oferecer menos burocracia e permitir negociações mais diretas entre compradores e vendedores. Então é possível que o investidor encontre diferentes possibilidades, pois não existe o controle que há na B3.

O mercado OTC é regulamentado no Brasil?

É importante destacar que, apesar de toda essa flexibilização o mercado OTC é regulamentado no Brasil. As operações realizadas nele devem seguir as regras da SOMA (Sociedade Operadora de Mercado de Ativos), criada em 1996.

Em 2002, a SOMA foi comprada pela B3 e passou a ser denominada SOMA Fix — instituição que realiza os registros das transações de mercado de balcão. Vale ressaltar também que no mercado de balcão há a atuação da Central de Custódia e Liquidação Financeira de Títulos Privados (Cetip).

A Cetip responde por grande parte das operações eletrônicas realizadas. Ela confere, assim, mais transparência para as negociações no OTC. Por fim, o OTC deve seguir, ainda, as regras da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Assim, ele oferece segurança institucional para o investidor.

Como funciona o mercado de balcão?

Você acompanhou o que é OTC e viu se trata de um ambiente para realizar operações que não estão registradas na B3. Um aspecto importante é que não há um espaço físico para o mercado de balcão, sendo que seu funcionamento pode ser feito por plataformas digitais ou telefone.

Além disso, o OTC pode ser de dois tipos. Confira!

Mercado de balcão organizado

O mercado OTC organizado ou regulamentado costuma servir como uma etapa de adaptação para empresas que têm intenção de entrar na bolsa de valores.


Nesse mercado, as transações são registradas na SOMA. Entretanto, as companhias participantes não precisam se submeter ao rigor da B3. Por exemplo, com auditorias e atualização das informações constantemente.

No mercado de balcão organizado há a intermediação dos bancos de investimentos e outras instituições do mercado financeiro. Dessa forma, depois de realizadas as negociações, as instituições precisam formalizar as negociações em câmaras de registro.

Mercado de balcão não organizado

Nesse tipo de mercado OTC não há registro das operações realizadas. Esse era o único formato de mercado de balcão até 1996, antes da criação da SOMA. Assim, é um ambiente em que não existe a supervisão de uma instituição reguladora.

É no mercado de balcão não organizado em que estão títulos ou ativos que não encontram espaço na B3 ou no mercado de balcão organizado. Pelo fato de não haver registro nessas transações em nenhum sistema, existe pouca transparência em relação aos preços de ativos e volumes negociados.

Qual a diferença entre OTC e ambiente da bolsa de valores?

Para compreender melhor as características do mercado over the counter, é interessante conhecer as principais diferenças em relação à bolsa de valores. Como você viu, uma delas se relaciona com as exigências.

É mais simples oferecer investimentos no mercado OTC do que na B3. Para ter ações negociadas na bolsa, as empresas precisam se adequar a diversas práticas de governança corporativa e enfrentar mais burocracia.

Por exemplo, elas precisam apresentar um balancete financeiro auditado para garantir a transparência dos dados. Então, além dos aspectos burocráticos, as companhias também precisam arcar com diferentes custos para participar da B3.

É importante acrescentar ainda que, na bolsa de valores, há normas para a divulgação das operações. Já no OTC, como você viu, a flexibilidade é maior, não havendo as exigências para a participação e operação das companhias nesse mercado.

Por isso, é um mercado que abre espaço para as empresas menores. Outro ponto é que, mesmo com a necessidade do registro das operações no mercado de balcão organizado, essa notificação pode ser feita apenas no término do pregão.

Por fim, é preciso ressaltar que no mercado de balcão não há um intermediário, como a B3. Dessa forma, as operações são realizadas entre interessados ou instituições. Desse modo, muitas pessoas podem ver como atrativo a ausência de taxas para negociar ativos no OTC.

O que é negociado no mercado de balcão?

Depois de conhecer o mercado de balcão, é importante saber o que pode ser negociado nesse ambiente. Ele apresenta ativos e títulos variados, como:

  • ações;
  • cotas de fundos de investimento;
  • carteira referenciada de ativos;
  • outros valores mobiliários e títulos autorizados pela CVM;
  • criptomoedas, como os bitcoins.

Neste post você pôde aprender o que é OTC e como o mercado de balcão pode abrir uma oportunidade para os investidores. Porém, é necessário saber que seu funcionamento, exigências e riscos diferem bastante do tradicional ambiente da bolsa de valores.

Você tem interesse em saber mais sobre os investimentos disponíveis no mercado de balcão? Converse com a nossa equipe e tire suas dúvidas!