Muitos investidores que fazem aportes na bolsa de valores para o longo prazo costumam dar atenção a um indicador chamado dividend yield (DY). Ele pode indicar o potencial de lucro que uma Ação ou um Fundo Imobiliário pode oferecer para o investidor.

Assim, o indicador é importante, em especial, para pessoas que investem com foco em gerar renda passiva e receber proventos. Mas, para entender os motivos, é preciso compreender o que é dividend yield e como calculá-lo.

É por isso que trouxemos este post para você. Quer saber mais sobre o assunto? Continue a leitura!

O que é dividend yield?

A tradução de dividend yield é rendimento de dividendos. Ele mostra a relação entre dividendos distribuídos no decorrer de um ano e o preço de uma Ação ou cota de fundo. Para você entender melhor o indicador, é preciso compreender bem alguns detalhes.

Primeiro, o termo dividendos se refere à parte do lucro que as empresas distribuem aos acionistas. A distribuição também é feita por Fundos Imobiliários (FII). Em especial, por aqueles que têm um lucro proveniente dos aluguéis dos imóveis que os compõem.

É por isso que tanto uma Ação quanto uma cota de um FII podem gerar dividendos. Eles são distribuídos, por exemplo, a cada mês, trimestre, semestre ou ano. A frequência depende das políticas de cada empresa ou fundo.

A partir deles, portanto, é possível lucrar não apenas com a valorização da Ação ou cota ao longo do tempo, mas também com a distribuição dos lucros. Logo, dependendo dos seus objetivos, é importante levar em conta o DY antes de investir.

Vamos ver como se faz para calculá-lo?

Como calcular o dividend yield?

Suponhamos que certa companhia tenha distribuído R$50 milhões em dividendos no decorrer de um ano. Esse valor é a soma do que ela distribuiu a cada mês, a cada trimestre ou em qualquer outra frequência.

Agora, imagine que o número de Ações dessa empresa seja de 200 milhões. Qual será o valor dos dividendos para cada Ação? Veja o cálculo:

R$50 milhões ÷ 200 milhões = R$0,25

O resultado significa que a empresa distribuiu R$0,25 para cada Ação. Esse é o valor líquido, já que é bom lembrarmos que não há cobrança de Imposto de Renda nos dividendos.

Com o resultado em mãos, podemos calcular o dividend yield. Basta descobrirmos qual é a porcentagem que esse valor representa em relação ao preço da Ação. Considere que ela esteja valendo R$10.

Veja o cálculo:

R$0,25 ÷ R$10 = 0,025

0,025 = 2,5%

Com esse cálculo, entendemos que o DY da empresa é de 2,5% no ano correspondente, considerando o preço da Ação no mercado. O que o número indica? Para saber interpretar, é preciso entender a importância do indicador.

Para que serve esse indicador?

Basicamente, o DY pode ajudar você a avaliar quanto lucro uma Ação ou uma cota de FII trouxe ao investidor em um determinado período. Ou seja, além da possível valorização no preço, os proventos representam ganhos para o investidor.

O DY não terá tanta importância para estratégias de curto prazo, que se baseiam na volatilidade de ativos ou derivativos no decorrer do dia. No day trade, por exemplo, o especulador faz negociações dentro do mesmo dia – e os fundamentos não têm tanta importância.

Mas, no cenário de investimento de longo prazo, principalmente para pessoas interessadas em viver de renda, o indicador é importante. Se você prefere o buy and hold, ou seja, manter as Ações por bastante tempo, pode se interessar por receber lucros periódicos.

Com o recebimento de dividendos, é possível lucrar com os papéis ou com os investimentos em FIIs sem precisar vender as Ações ou cotas. É por isso que muitos investidores avaliam o DY antes de investir.

Se você comparar as Ações de várias empresas ou cotas de diversos fundos, verá que cada um tem um DY diferente. A variação ao longo do tempo também pode ser bem grande, já que considera o preço de mercado.

Quais fatores influenciam o dividend yield?

No decorrer do ano podem surgir eventos não recorrentes que causam impacto — positivo ou negativo — no caixa da empresa. Por exemplo, é o caso de quando há venda de ativos, recebimento de investimentos ou fusão com outra empresa. E eles podem influenciar o DY.

Por outro lado, certos eventos em empresas ou em Fundos Imobiliários também podem prejudicar o lucro e, consequentemente, a distribuição de dividendos. É o que acontece quando um ou mais imóveis que compõem o fundo perdem seus inquilinos.

Além disso, é importante ter em mente que certas empresas têm um dividend yield baixo porque estão em fase de expansão. Ou seja, elas precisam reinvestir os lucros para continuar crescendo. É comum ver tal cenário na área de tecnologia.

Ao mesmo tempo, há companhias com poucas perspectivas de crescimento. Um exemplo é o setor elétrico, que inclui empresas que são mais estáveis e não demandam tanto reinvestimento. Isso pode fazer com que elas sejam melhores pagadoras de dividendos.

Como escolher um ativo para investir?

O dividend yield é um dos vários indicadores que fazem parte da análise fundamentalista. Será que vale a pena tomar decisões baseadas apenas nele? Na verdade, não devemos considerar um fundamento de maneira isolada, pois essa decisão poderia levar a uma análise equivocada.

Imagine uma empresa com alto DY no momento, mas que não apresenta indicativos de saúde financeira para o longo prazo. O investimento seria interessante? Possivelmente você procura investir em uma empresa sólida, não é?

Então lembre-se de considerar outros indicadores fundamentalistas em conjunto para suas avaliações, como:

  • P/VPA — preço da Ação sobre o valor patrimonial da Ação;
  • ROE — Return on Equity, ou retorno sobre o patrimônio líquido;
  • ROIC — Return on Invested Capital, ou retorno sobre o capital investido;
  • P/L — preço sobre lucro;
  • entre outros.

Como vimos, dividend yield (DY) é um indicador muito relevante. Afinal, ele pode ajudar o investidor a avaliar o potencial de lucratividade de um ativo em relação aos dividendos ao longo do tempo.

Mas existem outros indicadores igualmente importantes. Logo, é válido seguir seus estudos para entender cada vez melhor como fazer uma análise fundamentalista completa e investir com muito mais solidez na renda variável!

Aproveite para continuar se aprofundando no assunto. Confira nosso guia sobre como analisar os fundamentos das Ações!

Investir em empresas estrangeiras não precisa ser difícil!

Baixe nosso e-book e saiba como ser sócio das gigantes internacionais: Amazon, Google, Apple, Facebook, entre outras!