Depois da explosão das criptomoedas, outra forma de investimento criada é conhecida como NFT. Esse tipo de negociação já atraiu nomes como Elon Musk e tem apresentado receita líquida crescente. Porém, antes de recorrer à alternativa, é essencial saber o que é e como investir em NFT.

Por meio da negociação de tokens em meio digital, o mercado de arte tem recebido recursos de formas diferenciadas. Ao mesmo tempo, é um investimento com riscos que não podem ser ignorados.

Portanto, veja como funciona o investimento em NFTs e saiba o que eles podem oferecer!

O que é o NFT?

A sigla NFT faz referência à expressão non fungible tokens ou, em tradução livre, tokens não fungíveis. Para entender o que isso quer dizer no mundo dos investimentos convém compreender cada um dos termos.

Começando pelo conceito de token, ele é uma representação digital. Ela funciona representando uma senha, uma chave criptografada ou, no caso do NFT, ativos e bem não fungíveis. Fungível é a característica de tudo o que pode ser substituído com facilidade.

Pense em um bem produzido em série, igual a milhares de outras peças. Caso ele precise ser substituído, é possível trocá-lo rapidamente, certo? Com os ativos não fungíveis, isso não acontece. Eles são únicos e, muitas vezes, exclusivos.

Conhecendo esses conceitos, já é viável entender que o NFT é um tipo de investimento que envolve a negociação de tokens que fazem referência a ativos não fungíveis. Embora uma parcela significa dos ativos seja digital, o NFT também pode envolver objetos físicos.

Como funciona esse investimento?

Apenas saber que o NFT prevê a compra e a venda de um token não-fungível ainda não explica tudo o que você precisa entender sobre o investimento. Para compreender seu funcionamento, é interessante conhecer as características principais.

Por isso, veja quais são os pontos mais relevantes!

Ligação com o mercado de arte

Exatamente por ser focado em ativos não fungíveis, o NFT tem uma forte conexão com o mercado de arte. Por meio desse investimento, são negociadas ilustrações, pinturas e também peças menos convencionais.

É o caso de vídeos e mesmo de memes, games e skins para jogos. É por isso que muitas notícias de vendas de NFT envolvem vídeos virais, fotos que correram o mundo e outros elementos digitais.

Registro único na forma de token

Ao mesmo tempo, é importante saber que o que é vendido não é, exatamente, a obra de arte — ao menos, não em todos os casos. Um vídeo viral ou um meme, por exemplo, já se espalharam pela internet e foram vistos milhões ou bilhões de vezes.


Quando um investidor adquire um NFT, não é como se ele tivesse direitos autorais sobre a obra ou pudesse impedi-la de ser veiculada. Na verdade, o que o NFT negocia é uma espécie de certificado de autenticidade.

O ativo em questão é registrado e a partir dele é emitido um certificado único e exclusivo, que atesta a autenticidade da peça. Esse certificado é negociado como um NFT e adquirido pelo investidor que, depois, pode revendê-lo. Se houver uma valorização da peça, ele terá ganhos com a negociação.

Uso de blockchain

Para que o registro seja seguro, válido e inviolável, utiliza-se a tecnologia de blockchain. Ela já é adotada com outros ativos digitais, como as criptomoedas, e funciona como um grande livro de registro público.

Cada bloco criado tem uma identificação que é conhecida como hash, sendo que o bloco atual tem o seu hash e o do bloco anterior. Assim que o bloco é formado, cria-se outro, que também tem as informações do anterior. Logo, há a criação de uma corrente de blocos.

Essa tecnologia se mostra benéfica pela segurança, já que é antifraude e evita que um certificado seja falsificado ou alterado, por exemplo. Além disso, ela permite transações rápidas, descentralizadas e que podem acontecer de qualquer parte do planeta.

Negociação em criptomoedas ou dinheiro

Ainda sobre as criptomoedas, é importante saber que boa parte da compra e venda de NFTs acontece por meio desses ativos digitais. A moeda mais usada é a ethereum (ETH), que é quase tão antiga quanto o bitcoin. Por conta disso, o NFT pode estar exposto à volatilidade desses criptoativos.


Porém, também existe a chance de fazer o investimento em dinheiro, sendo o dólar americano o mais utilizado para as transações.

Guarda e possível venda do NFT

Depois de adquirir o token não fungível, é preciso guardá-lo em uma carteira digital. É o que também acontece com as moedas digitais, cujo acesso deve ser protegido em uma carteira, devido à descentralização do sistema.

Caso deseje ganhar dinheiro com o ativo, o investidor de um NFT precisará realizar a venda por um preço superior ao de aquisição. Isso envolve a realização de leilões, modelo pelo qual as vendas costumam acontecer.

O artista original, que detém os direitos autorais, pode obter ganhos tanto na primeira negociação quanto nas futuras vendas.

Quais são as vantagens do NFT?

Agora que você sabe o que é o NFT e como ele funciona, vale entender que investir nessa alternativa pode trazer benefícios. Para começar, essa pode ser uma forma de apoiar criadores e artistas, já que eles passam a ser remunerados por seu trabalho de uma nova maneira.

Porém, as principais vantagens envolvem o potencial de valorização dos ativos digitais. Assim como o bitcoin e outras criptomoedas atingiram valores elevados com o passar do tempo, o NFT pode seguir esse caminho.

Considerando que mais marcas têm focado até na criação de peças que só existem em filtros das redes sociais, a produção digital pode se tornar cada vez mais relevante. Como forma de democratizar e descomplicar as transações, o NFT pode se consolidar como a principal solução.

Além disso, o certificado de autenticidade de uma obra, fornecido pelo token, pode se valorizar com o passar dos anos. É o que ocorre com o valor dos quadros de artistas famosos ou que se consagram após a morte, por exemplo.

Como, até 2021, o NFT ainda estava dando os primeiros passos, ele pode se tornar ainda mais atraente para quem deseja aproveitar uma oportunidade desde o começo. Contudo, sempre existe o risco da perspectiva não se concretizar, pois não há garantia de ganhos.

Quais são os riscos envolvidos?

Da mesma forma que o NFT tem aspectos positivos, ele oferece riscos que não devem ser desconsiderados. Um dos principais pontos é a volatilidade, que é bastante elevada nesse caso. Por envolver ativos digitais e, muitas vezes, criptomoedas, a oscilação é intensa.

Há também um risco referente à liquidez. Na prática, os NFTs podem até ajudar o investidor a ganhar dinheiro, mas isso costuma levar tempo. É preciso que o token passe por uma valorização, além de ser necessário contar com uma estrutura completa para realizar o leilão e a transferência.

E, claro, existe um risco de perda, já que os NFTs podem não apenas se valores. Eles também apresentam o risco de perder valor. Assim, não há como prever se a valorização ocorrerá ao longo do tempo ou não.

Por que ter cuidado com esses investimentos?

Sabendo quais são os riscos do NFT, fica fácil compreender que é preciso ter atenção com essa alternativa. Afinal, ele prevê uma exposição considerável do seu capital a riscos que você pode não estar disposto a correr.

Ainda que você tenha um perfil arrojado, vale a pena entender que esses ativos não são regulamentados no Brasil, do mesmo modo que acontece com o investimento direto em criptomoedas.

Logo, não há acompanhamento por parte da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), por exemplo. Outra questão importante é que existe certo nível de insegurança jurídica.

Por enquanto, não há definições sobre o NFT conceder a transferência de direitos autorais e de propriedade sobre a obra — apenas sobre o certificado. Dependendo do comportamento do mercado, isso pode ter pouca implicação prática.

Como investir em NFT?

Você já sabe o que é NFT e agora quer entender como investir nessa alternativa? A resposta para a questão está nos chamados mercados de NFTs. Eles são como plataformas que realizam os leilões, em que cada token tem um lance mínimo.

Caso dê o maior lance, será necessário realizar a transferência de recursos, considerando o preço em criptomoedas ou a cotação em dinheiro. Feito isso, o token passará a ser de sua propriedade e você poderá usar esses mesmos mercados para vendê-los.

Quais são outros investimentos alternativos regulados?

No mercado de investimentos, há a divisão de opções entre renda fixa e renda variável, mas também há alternativas que não se encaixam nas regras convencionais. Sabendo o que é NFT e como é investir nele, você notou que ele pode ser classificado como investimento alternativo.

Porém, não é a única possibilidade disponível no mercado. Na verdade, é possível recorrer a escolhas regulamentadas, o que oferece mais segurança por ter regras claras e acompanhamento por parte dos órgãos competentes.

Você pode, por exemplo, escolher fundos de investimento ligados a criptomoedas. Já existem fundos de índice (ETF) que buscam replicar a carteira teórica de um indicador de mercado cuja carteira é formada por criptomoedas.

Outra possibilidade para quem se interessa por ativos digitais é aportar em fundos multimercados que oferecem exposição diferenciada às criptomoedas. Com isso, é possível aproveitar escolhas alternativas sem ter que recorrer a investimentos não regulamentados.

Além de saber o que é NFT e como investir, conhecer seus riscos também se mostra essencial, não é? Com base nessas informações, você pode definir se vale a pena alocar seus recursos ou se a oportunidade não está alinhada ao seu perfil e às suas expectativas.

Quer acompanhar todas as novidades do mercado financeiro? Confira nossas publicações no Instagram, Facebook, YouTube e LinkedIn!