Você sabe como investir em NFT? Depois da explosão das criptomoedas, ele se apresenta como uma nova forma de investimento nesse mercado de ativos digitais. Além disso, o NFT tem sido responsável pela movimentação de grandes quantias financeiras.

Ativos como esse, além de trazerem uma forma de disrupção ao mercado financeiro, impactaram novos mercados — especialmente o de arte. No entanto, o NFT ainda é uma modalidade de investimento que traz riscos.

Neste artigo você entenderá o que é e como funciona esse criptoativo. Além disso, saberá quais as vantagens e como investir em NFT. Acompanhe a leitura!

O que é o NFT?

A sigla NFT faz referência à expressão non-fungible tokens ou, em tradução livre, tokens não fungíveis. Eles consistem em códigos digitais que atestam a autenticidade de um ativo — seja um bem virtual ou físico.

Para entender o que isso significa no mundo dos investimentos, convém compreender cada um dos termos individualmente. Começando pelo conceito de token: ele é uma representação digital de um elemento, como senhas ou chaves criptografadas.

Por sua vez, fungível é a característica de tudo o que pode ser substituído com facilidade. Embora seja pouco usual, o conceito é de fácil entendimento. Pense em um bem produzido em série, igual a milhares de outras peças — como móveis ou roupas.

Dessa maneira, caso ele precise ser substituído, é possível trocá-lo rapidamente, não é mesmo? Com os ativos não fungíveis, isso não acontece. Eles são únicos e, muitas vezes, exclusivos e insubstituíveis.

Além disso, esses bens não costumam apresentar um valor intrínseco. Um exemplo de bens não fungíveis são as obras de arte. Por exemplo, apesar de existir inúmeras réplicas da “Mona Lisa”, apenas uma é a original — e ela não pode ser trocada por itens de mesmo valor.

Conhecendo esses conceitos, é viável entender o NFT como um tipo de investimento que envolve a negociação de tokens que fazem referência a ativos não fungíveis. Eles podem ser artes, imagens, vídeos e até memes da internet. Ademais, um NFT também pode envolver objetos físicos.

Como os NFTs surgiram?

Agora você sabe o que é o NFT, mas como ele surgiu? Os NFTs ganharam projeção a partir de 2020. Entretanto, a discussão acerca deles começou no início dos anos 2010. À época, muitas pessoas já enxergavam o potencial que as redes blockchain traziam no mercado criptomoedas.

No entanto, a primeira experiência com um token não fungível aconteceu em 2014. Na ocasião, o artista Kevin McCoy e o empreendedor Anil Dash criaram o NFT de um videoclipe e o apresentaram em uma exposição no New Museum of Contemporary Art, em Nova Iorque, nos Estados Unidos.

QUANTO VOCÊ TERIA HOJE SE TIVESSE COMPRADO UM BITCOIN HÁ 10 ANOS ATRÁS?

Esteja preparado para sua próxima chance Rendimento bitcoin

Esteja preparado para sua próxima chance Rendimento bitcoin

O uso do termo, porém, só teve início em 2017. Assim, o mercado começou a expandir fronteiras e se desenvolver rapidamente.

Até o início de 2022, a negociação mais cara de um NFT foi da obra “Everydays: the First 5000 Days”. Ela foi arrematada por cerca de 42 mil tokens ether em um leilão — quase 70 milhões de dólares na cotação da época.

NFTs são um tipo de criptomoeda?

Como você viu, os NFTs são ativos digitais. Por isso, em um primeiro momento, é natural fazer uma associação com as criptomoedas. Afinal, ambos funcionam em ambientes digitais à base de criptografia.

No entanto, os dois representam conceitos diferentes. As moedas digitais funcionam como alternativas para transações financeiras. O objetivo é que as pessoas possam utilizar moedas fiduciárias e digitais, como o bitcoin, em seu cotidiano.

Já os tokens não fungíveis são o certificado de autenticidade de um ativo. Além disso, enquanto as criptomoedas têm sua cotação definida pela lei da oferta e da demanda, os NFTs podem valer o quanto um investidor estiver interessado em pagar.

Ademais, certas moedas digitais podem ser fracionadas. No caso do bitcoin, por exemplo, é possível dividir o ativo e negociar uma parcela dele — como se fossem centavos. Por sua vez, todos os NFTs são indivisíveis e, portanto, únicos.

Quais as principais características dos NFTs?

Como você viu, os NFTs fazem parte de um mercado que está em ascensão. No entanto, existem mais aspectos sobre eles que você precisa entender antes de considerar esse investimento. Para compreender seu funcionamento, é interessante conhecer as características principais.

Confira!

Ligação com o mercado de arte

Como vimos, o primeiro NFT da história tinha conexão com o mercado de arte. Como os tokens são focados em ativos não fungíveis, essa ligação se fortaleceu com o passar dos anos. Assim, por meio desse investimento, são negociadas ilustrações e pinturas.

Além disso, também é possível investir em peças menos convencionais, como vídeos, memes, games e skins para jogos. É por isso que muitas notícias de vendas de NFT envolvem vídeos virais, fotos que correram o mundo e outros elementos digitais.

Registro único na forma de token

Ao mesmo tempo, é importante saber que o que é vendido por meio de um token não é, exatamente, a obra de arte — ao menos, não em todos os casos. Um vídeo viral ou um meme, por exemplo, já se espalhou pela internet e foi visto milhões ou bilhões de vezes.

Quando um investidor adquire um NFT, não é como se ele tivesse direitos autorais sobre a obra ou pudesse impedi-la de ser veiculada. Na verdade, o que o NFT negocia é uma espécie de certificado de autenticidade.

O ativo em questão é registrado e a partir dele é emitido um código único e exclusivo, que atesta a autenticidade da peça. Esse certificado é negociado como um NFT e adquirido pelo investidor que, depois, pode revendê-lo. Se houver uma valorização da peça, ele terá ganhos com a negociação.

Uso de blockchain

Para que o registro seja seguro, válido e inviolável, os NFTs utilizam a tecnologia de blockchain. Ela já é adotada com outros ativos digitais, como as criptomoedas, e funciona como um grande livro de registro público.

Essa tecnologia se mostra benéfica pela segurança, já que é antifraude e evita que um certificado seja falsificado ou alterado, por exemplo. Além disso, o blockchain permite transações rápidas, descentralizadas e que podem acontecer de qualquer parte do planeta.

Dessa forma, cada um dos tokens não fungíveis precisa de registro em uma dessas redes. Será ela que trará a segurança para o ativo e confirmará para o mercado que o token, de fato, pertence a determinada pessoa.

Negociação em criptomoedas ou dinheiro

Ainda no campo criptomoedas, é importante saber que boa parte da compra e venda de NFTs acontece por meio desses ativos digitais. Por conta dessa característica, o NFT pode estar exposto à volatilidade desses criptoativos.

A moeda mais usada é a ethereum (ETH) — que é a principal moeda do mercado depois do bitcoin.  Porém, também existe a chance de fazer o investimento em dinheiro, sendo o dólar americano o mais utilizado para as transações.

As negociações com NFTs acontecem em marketplaces especializados. Geralmente, as vendas são em formato de leilão. Ou seja, ganha o token aquele que está disposto a fazer a maior oferta.

Guarda e possível venda do NFT

Depois de adquirir o token não fungível, é preciso guardá-lo em uma carteira digital. É semelhante ao que também acontece com as moedas digitais, cujo acesso deve ser protegido em uma wallet, devido à descentralização do sistema.

Caso você deseje ganhar dinheiro com o ativo, é preciso realizar a venda do NFT por um preço superior ao de aquisição. Já o artista original, que detém os direitos autorais, pode obter ganhos tanto na primeira negociação quanto nas futuras vendas — caso estabeleça esses termos em um smart contract.

Quais são as vantagens de investir em NFTs?

Agora que você sabe o que é o NFT e como ele funciona, vale entender que investir nessa alternativa pode trazer benefícios. Assim, é necessário considerar que eles são um tipo de investimento alternativo.

Ou seja, os tokens apresentam características distintas do mercado tradicional. Uma das vantagens é que essa pode ser uma nova forma de apoiar criadores e artistas. Afinal, eles passam a ser remunerados por seu trabalho com a negociação dos tokens.

Além disso, também é preciso destacar o benefício do potencial de valorização dos ativos digitais. Assim como o bitcoin e outras criptomoedas atingiram preços elevados com o passar do tempo, o NFT pode seguir esse caminho.

Esse processo é similar ao que ocorre com o valor dos quadros de artistas famosos ou que se consagram após a morte, por exemplo. Isto é, quanto mais tempo passar, maior poderá ser a percepção de valor sobre aquela obra.

Ademais, considerando que muitas marcas têm focado na criação de peças que só existem em filtros das redes sociais, a produção digital pode se tornar cada vez mais relevante. Logo, o NFT pode se consolidar como a principal solução para democratizar e descomplicar as transações.

Também vale destacar que, até o início de 2022, esse universo ainda estava em seu início. Dessa maneira, ele pode se tornar ainda mais atraente para aqueles que desejam aproveitar uma oportunidade desde o começo — mas não existem garantias de resultados positivos.

Quais são os riscos envolvidos?

Da mesma forma que o NFT tem aspectos positivos, ele oferece riscos que não devem ser desconsiderados. Um dos principais pontos é a volatilidade, que é bastante elevada nesse caso. Por envolver ativos digitais, a oscilação de preço é uma característica presente.

Há também o risco referente à liquidez. Os NFTs podem ajudar o investidor a ganhar dinheiro, mas isso costuma levar tempo. Afinal, é preciso que o token passe por uma valorização. Além disso, é necessário contar com uma estrutura completa para realizar o leilão e a transferência.

Ademais, também existe um risco de prejuízo. Isso acontece porque os NFTs podem não se valorizar — ou mesmo perder valor ao longo do tempo. Dessa forma, não há como prever se a performance esperada ocorrerá ou não.

Outro ponto de atenção é referente aos projetos por trás de cada token. Como esse mercado não é regulado, pode existir pessoas com má intenção buscando aplicar golpes ao negociar tokens que não são verdadeiros.

Por que ter cuidado com os investimentos em NFTs?

Sabendo quais são os riscos do NFT, fica fácil compreender que é preciso ter atenção com essa alternativa, não é mesmo? Como você viu, ele prevê uma exposição considerável do seu capital a riscos que podem não estar alinhados com seu perfil de investidor e objetivos financeiros.

Desse modo, ainda que você tenha um perfil arrojado, é preciso atenção. Em especial, porque esses ativos não são regulamentados no Brasil. Consequentemente, eles têm um cenário similar ao que acontece com o investimento direto em criptomoedas.

Logo, não há acompanhamento por parte da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), por exemplo. Outra questão importante é que existe um maior nível de insegurança jurídica. Com isso, pode não valer a pena se expor diretamente aos ativos digitais.

Como investir em NFT com mais segurança?

Você já sabe o que é NFT e agora quer entender como investir nessa alternativa? Como vimos, o investimento direto é normalmente feito por meio de leilões em marketplaces. Caso você seja o vencedor do leilão, o token passará a ser de sua propriedade.

Assim, é possível esses mesmos mercados para vendê-lo no futuro. Além disso, também há a possibilidade de criar seus próprios NFTs. Assim, se você tiver uma arte ou outro tipo de ativo, é possível fazer a tokenização dele e negociá-lo.

No entanto, por não serem alternativas reguladas, é interessante encontrar modalidades que forneçam uma maior proteção institucional, concorda? Desse modo, vale a pena conhecer veículos regulamentados para se expor ao mercado digital.

Uma possibilidade é com fundos de NFT. Eles são um tipo de fundo de investimento que compõem o portfólio com tokens não fungíveis. Ou seja, os fundos adquirem os NFTs e, em caso de valorização da carteira, as cotas dos investidores também se valorizam.

Já na bolsa de valores, você pode se expor a esses ativos por meio de exchange traded funds (ETFs). Os chamados fundos de índice têm o objetivo de replicar um indicador econômico — que pode ter relação com o mercado de ativos digitais e NFTs.

Conclusão

Investir em NFT pode ser uma oportunidade de encontrar maiores potenciais de retorno. No entanto, além de saber como investir, é indispensável conhecer seus riscos. Com base nessas informações, você pode definir se vale a pena alocar seus recursos nessa alternativa!

Quer acompanhar todas as novidades do mercado financeiro? Confira nossas publicações no Instagram, Facebook, YouTube e LinkedIn!