Na renda variável, é possível realizar diversas operações de investimento ou especulação com os ativos de forma individual — comprando e vendendo de forma a obter lucro. Mas você sabia que também há como operar com duplas de ativos? É o caso do Long & Short.

Ele é mais uma possibilidade para quem deseja conquistar ganhos interessantes na bolsa de valores, aproveitando oportunidades em momentos eventuais. Se você tem interesse em potencializar os resultados da sua carteira, vale a pena conhecer esta estratégia.

Acompanhe a leitura e entenda mais sobre o que é e com funciona o Long & Short na bolsa de valores!

O que é o Long e Short?

A bolsa de valores não traz oportunidades apenas em movimentos de alta. Quando ela está em queda também há formas de lucrar — especialmente na especulação. Uma das operações mais utilizadas por especuladores do mercado é exatamente o Long & Short.

Esta estratégia consiste em operar com um par de ativos (ações, por exemplo). O intuito do especulador nesse caso é ter vantagens com a relação entre os dois. A ideia é que haja diferença entre os preços dos ativos – gerando lucros ao investidor.

A atividade parte de um conceito fundamental: o de correlação. É a ideia de que um par de ativos se relaciona entre si, seja de forma direta ou inversa. Em alguns momentos, a correlação pode estar distorcida e trazer oportunidades.

O termo Long & Short representa duas posições. A Long é a posição comprada, enquanto a Short é a vendida. Isto é, um papel será adquirido enquanto outro será colocado à venda. A expectativa é que o primeiro tenha uma melhor performance do que o segundo.

Em outras palavras, espera-se que o ativo da ponta comprada suba mais (ou caia menos) do que o da posição Short. Assim, a diferença entre os dois será o lucro da operação.

Como ele funciona?

Mas, como funciona e como fazer Long Short, na prática? Essa é uma dúvida de muitos investidores.

Então confira a seguir mais detalhes sobre o funcionamento do Long & Short e descubra o que é preciso avaliar na hora de montar a operação:

Investir em empresas estrangeiras não precisa ser difícil!

Baixe nosso e-book e saiba como ser sócio das gigantes internacionais: Amazon, Google, Apple, Facebook, entre outras!




Ou seja, baseado no vídeo acima, quando você vende uma ação de, por exemplo, 100 mil reais do Itaú, você vai receber um credito de 100 mil reais referente a venda dessas ações na sua conta corrente.  A partir desse momento, você passa a contar que as ações do Itaú, de código Itub4 vão cair na bolsa, então você está torcendo para ela cair.

E se por exemplo,  por uma análise sua, você achar que as ações do Bradesco, BBDC4 vão subir, diferente do que você acha que vai acontecer com as ações do Itaú, o que você faz?  Você então vende 100 mil reais de Itaú e esses 100 mil reais que você vai receber, você compra BBDC4. Com isso,  se você obviamente tiver um custo barato na sua corretora, e se você recebeu 100 e pagou 100, você terá desembolsado zero.

A primeira vantagem do Long and Short, é que ela é uma das poucas operações que você pode ganhar dinheiro sem colocar dinheiro. Você também pode perder dinheiro, claro, mas em contrapartida, é uma operação que não depende de uma tendência de mercado, ou seja, o mercado pode subir ou pode cair, mas o que o que vai importar para você, neste caso, é se o Itaú caiu mais do que Bradesco, ou se as duas subiram ou, por fim, se o Bradesco subiu mais que Itaú. Veja o gráfico abaixo:

Gráfico long and short

Por fim, constata-se que o que importa mesmo é a performance do papel que você esta comprando e  do papel que você está vendendo. Se o Bradesco sobe, você precisa que ele suba mais que o Itaú e se o Bradesco cai, você precisa que Bradesco caia menos que Itaú. Vamos agora ao nosso próximo tópico!

Análise da correlação

A forte correlação é a base da atividade de um especulador que realiza Long Short. Afinal, como você já sabe, ele considera dois ativos que tenham uma correlação — seja se movendo no mesmo sentido, mas em velocidades diferentes, ou apresentando comportamentos opostos.

No primeiro caso, as duas ações sobem ou descem juntas. No segundo, uma costuma cair enquanto a outra está subindo. Por conta das oscilações, o mercado pode apresentar distorções na relação entre os ativos em algum momento.

Montar uma operação com pares de ações no momento da distorção permite que o especulador lucre quando ela for corrigida em favor da operação e a relação volte ao normal para aquele par.

O intuito, portanto, não é lucrar com a alta ou a baixa de uma ação – como ocorre em operações de especulação tradicionais, mas com a diferença entre as duas.

Escolha dos pares

A montagem dos pares de ações depende do que cada especulador considera sobre as relações entre os ativos no mercado financeiro. Uma forma básica de fazer isso é optando por empresas do mesmo setor.

É o caso de montar uma operação com ações de dois bancos diferentes. É de se esperar que elas estejam com forte correlação direta: quando uma sobe, a outra também sobe. Logo, um período de distorção pode significar lucros interessantes quando o movimento se corrigir.

Também podem ser montados pares de ações com empresas de diferentes setores no Long & Short, mas que tenham alguma correlação entre si — Petrobras e Vale, por exemplo. Outra possibilidade é fazer par entre ações ordinárias e preferenciais, ou entre papéis de uma empresa que controla a outra.

Todos esses são exemplos de correlações fortes, que podem oferecer possibilidades interessantes para especuladores que estejam analisando gráficos dos dois papéis. Mas atenção: a operação deve ser montada com base em uma análise de mercado, e os exemplos deste artigo são meramente ilustrativos, certo?

Estrutura do Long & Short

O Long & Short se configura como uma operação complexa. Não basta apenas comprar e vender um ativo, como se faz em outras negociações no mercado à vista. É preciso montar uma estrutura com duas operações: uma de compra e outra de venda.

Para isso, um passo essencial para estabelecer esta estrutura é buscar o aluguel das ações que farão parte da posição Short. Elas são vendidas em uma negociação de venda a descoberto. Enquanto isso, os papéis da posição Long são comprados no mercado à vista.

O próprio dinheiro da venda a descoberto pode ser usado para adquirir as ações. Assim, o especulador opera alavancado, pois não coloca recursos próprios na operação. No final da operação, as posições são invertidas e o lucro é a diferença entre a ponta vendida e a ponta comprada.

Quando fazer Long & Short?

O Long & Short é mais uma das possibilidades de ganhos com especulação. Uma de suas principais utilidades é proporcionar ganhos diferenciados em uma operação complexa com duas ações que não precisam necessariamente subir.

Ao realizar o procedimento, portanto, o seu objetivo enquanto especulador não é que determinada ação tenha aumento ou diminuição de preço. Mas apenas que tenha uma performe melhor em relação à outra.

Assim, o Long & Short é uma maneira de buscar por resultados positivos independentemente do cenário da bolsa no momento. Afinal, os dois ativos correlacionados podem subir, um pode subir enquanto o outro cai e mesmo os dois podem cair. Percebe as diversas possibilidades?

Além disso, uma vantagem desta estratégia é que o especulador não precisa investir capital para colocá-la em prática. Oferecendo a margem de garantia para o banco de investimentos e pagando o valor do aluguel das ações, o restante da operação pode ser montado com o valor da venda a descoberto.

Quais são os riscos do Long e Short?

Como toda especulação, entretanto, a atividade tem riscos significativos – já que se expõe às oscilações do mercado da renda variável. Assim, o Long & Short pode ser mais adequado para investidores com perfil arrojado, que desejam lidar com a volatilidade e maiores riscos.

Lembre-se de que há sempre o perigo de o mercado não se comportar como previsto. E, para realizar um manejo eficiente da especulação, é preciso considerar estes riscos envolvidos na operação.

Para o Long Short, uma análise gráfica eficiente é essencial. Além disso, é necessário planejar a operação e verificar, por exemplo, a liquidez dos ativos e a disponibilização deles para aluguel.

Finalmente, antes de realizar o Long & Short, é importante também que você pense sobre seus conhecimentos e experiência no mercado. Essa é uma estratégia complexa, que pode ser bastante vantajosa para quem sabe identificar as oportunidades. Mas montá-la sem o devido entendimento pode resultar em prejuízo.

E você, o que achou desta possibilidade de operação estruturada do mercado financeiro? Ficou com alguma dúvida sobre o Long & Short? Deixe seu comentário e compartilhe suas dificuldades conosco!