Investir no mercado financeiro pode envolver riscos significativos. Além disso, nem sempre os resultados buscados são alcançados. No entanto, o asset allocation é um conceito que pode ajudar a evitar esses problemas.

Existem diversas estratégias de investimento que visam garantir bons resultados para os investidores. Conhecer as características da alocação de ativos é fundamental para colocá-la em prática de forma adequada.

Pensando nisso, preparamos este texto para você entender o que é e como funciona o asset allocation. Continue a leitura e confira!

O que é asset allocation?

O asset allocation é uma estratégia de alocação de recursos que visa diversificar os investimentos em diferentes classes, produtos e ativos. A principal finalidade da prática é buscar obter o máximo retorno, minimizando riscos por meio da diversificação.

Cabe ressaltar que não existe uma fórmula preestabelecida para o asset allocation. Afinal, a diversificação de investimentos deve seguir o perfil e os objetivos de cada investidor para que esteja adequada às suas necessidades.

Como funciona?

Como você deve imaginar, o primeiro passo da estratégia é identificar o perfil de investidor. Isso influencia na escolha dos produtos financeiros e ativos. Após essa etapa, é possível determinar a proporção que cada alternativa terá dentro de sua carteira de investimentos.

O portfólio de um investidor com perfil conservador, por exemplo, tende a ter um peso maior em investimentos com menor volatilidade. Um exemplo são os títulos de renda fixa.

Já a carteira de um investidor com perfil arrojado costuma ter maior peso em ativos como ações e fundos imobiliários. As alternativas normalmente apresentam maior volatilidade no curto prazo. No entanto, podem trazer melhores possibilidades de rendimento.

Quais são suas principais características?

O asset allocation que funciona melhor para você em determinado momento da vida depende de diversos fatores. Por isso, as principais características da alocação de ativos envolvem o horizonte de tempo, a tolerância ao risco e o retorno esperado com os investimentos.

Entenda mais sobre cada um deles a seguir:

Horizonte de tempo

Seu horizonte de tempo é o número aproximado de meses, anos ou décadas que você investirá para alcançar um determinado objetivo financeiro. Um investidor com foco no longo prazo pode se sentir mais confortável ao assumir um investimento mais volátil ou mais arriscado.

Isso porque ele tem tempo para superar ciclos econômicos comuns ao mercado. Por outro lado, investidores com metas para o curto prazo provavelmente buscarão assumir menos riscos porque o horizonte de tempo dos aportes é menor.

Investir em empresas estrangeiras não precisa ser difícil!

Baixe nosso e-book e saiba como ser sócio das gigantes internacionais: Amazon, Google, Apple, Facebook, entre outras!




Tolerância ao risco

Essa é a capacidade e disposição para correr o risco de perder parte dos recursos investidos em busca de maiores retornos potenciais. Um investidor com perfil arrojado, por exemplo, é mais propenso a arriscar parte de seu capital diante da possibilidade de ter melhores resultados.

Já o investidor conservador, que possui baixa tolerância ao risco, tende a favorecer investimentos que preservam o capital original. Portanto, esse fator é bastante particular que deve ser avaliado em suas decisões.

Retorno esperado

Quando o assunto é retorno esperado, o risco e a liquidez são os principais fatores relacionados. Afinal, para obter mais retorno, é necessário que o investidor abra mão da liquidez ou esteja disposto a correr maiores riscos.

Quais as vantagens do asset allocation?

Depois de saber mais sobre o assunto, vale entender as vantagens e os riscos do asset allocation. O principal benefício da estratégia para o investidor é que ela minimiza os riscos dos investimentos.

Ademais, existem muitas formas de fazer a diversificação da carteira. É possível, até mesmo, considerar a correlação de ativos para evitar o risco. Ou seja, buscar alternativas que historicamente se valorizam ou desvalorizam de maneira inversa.

A bolsa de valores brasileira e o dólar são um exemplo comum. Historicamente, as alternativas apresentam uma correlação negativa. Isso significa que ter parte dos investimentos no Brasil e parte em moeda estrangeira tende a reduzir os riscos do portfólio.

E os riscos envolvidos nessa prática?

Cabe ressaltar que a estratégia também envolve riscos. O investidor pode ter mais domínio e autonomia sobre os investimentos, sem necessariamente pagar um profissional para administrar sua carteira.

No entanto, isso pode se transformar em um risco se as atitudes não forem pensadas corretamente. A decisão impulsiva de investir em ações, por exemplo, sem um planejamento estratégico adequado, pode levar a carteira de um indivíduo ao desequilíbrio.

Portanto, é essencial ter cuidado e possuir conhecimento sobre o mercado financeiro para decisões mais seguras. Para isso, você pode buscar informações em livros, cursos, portais de notícias, blogs e outras ferramentas de comunicação.

Mesmo que o dinheiro seja distribuído entre renda fixa e renda variável, é essencial que as escolhas e decisões sejam baseadas em análises completas. Além disso, elas devem ser coerentes com a realidade do investidor.

Outro ponto importante é se atentar aos vieses emocionais. Eles podem influenciar negativamente a tomada de decisão. Entre os principais pontos que podem prejudicar o asset allocation estão a aversão à perda, a autoconfiança excessiva e o efeito manada.

Por que é importante conhecer esse conceito?

Cabe ressaltar que não existe uma maneira simples de encontrar o asset allocation certo para cada investidor. No entanto, a alocação de ativos é uma das estratégias mais importantes que as pessoas podem seguir na gestão de suas carteiras.

A seleção de produtos e ativos individuais é secundária à maneira como os recursos são alocados em classes, por exemplo. Eles serão os principais responsáveis pelos resultados de seu portfólio.

Os investidores também podem usar a estratégia para cumprir objetivos específicos. Quem está economizando para fazer uma viagem, por exemplo, pode investir seus recursos em alternativas mais conservadoras, como em certificados de depósito bancários (CDBs).

Outra parte do capital destinada à aposentadoria pode ser acumulada por várias décadas. Por esse motivo, muitas pessoas optam por investir em ações para esse objetivo, já que podem sofrer menos com oscilações de curto prazo.

Agora você sabe o que é asset allocation e pode analisar suas características e necessidades para ter resultados melhores. Não se esqueça de estudar sobre o mercado financeiro para conhecer as alternativas de investimento disponíveis para que as suas escolhas sejam mais acertadas.

Precisa de apoio para colocar a estratégia em prática? Entre em contato conosco e converse com um de nossos assessores!