O mercado financeiro apresenta jargões que ajudam a identificar situações que ocorrem com certa regularidade. Um desses termos é a expressão bull trap, que deve ser observada com cuidado extra por traders e investidores menos experientes.

Como esse mecanismo pode trazer prejuízos se não for identificado a tempo, conhecê-lo é o melhor caminho para evitar problemas. Assim, você pode se proteger e operar de forma mais alinhada com os seus objetivos.

A seguir, você descobrirá o que é um bull trap e aprenderá a identificar e impedir esse cenário. Confira!

O que é bull trap?

Para entender o bull trap, vale a pena conhecer uma divisão importante do mercado financeiro: o bull market e o bear market. Na prática, o bull market acontece quando o mercado apresenta uma tendência de alta, enquanto o bear market se refere a um comportamento de baixa.

O bull trap, por sua vez, é um fenômeno que pode ser traduzido como “armadilha de touro”. Ele faz referência a uma expectativa a respeito da tendência de alta. Porém, nessa situação, a avaliação não se cumpre e, com isso, podem ocorrer prejuízos.

Como funciona o bull trap?

O funcionamento do bull trap envolve uma quebra de expectativa em relação ao comportamento do mercado. Ele acontece quando os especuladores utilizam a análise gráfica sobre um ativo financeiro e concluem que existe uma tendência de crescimento, a qual será consolidada brevemente.

Normalmente, isso acontece diante de uma avaliação em relação à resistência. Ao fazer uma análise dos gráficos, há a percepção de que o ativo será capaz de romper esse nível e de manter a tendência de alta.

Como consequência, os traders que chegam a essa conclusão decidem realizar a compra do ativo, esperando uma valorização futura. Porém, o que ocorre é uma espécie de reversão da tendência, com a inversão do movimento anterior. Logo, o mercado passa a cair.

Normalmente, a queda ocorrida no bull trap leva a uma quebra de suporte, o que pode gerar uma oscilação mais intensa no mercado.

Qual a diferença entre bull trap e bear trap?

Como existem as classificações de bull e bear market, as armadilhas também acontecem em ambos os sentidos. Portanto, o bull trap na bolsa acontece de maneira diferente do que se dá no bear trap.

A chamada “armadilha de urso” também prevê uma quebra de expectativa. Porém, o que ocorre é um movimento de alta, quando o esperado era uma queda. Esse cenário costuma acontecer quando uma tendência de alta toca uma resistência, sem rompê-la.

Como consequência, há uma queda pontual no preço do ativo — o que pode fazer com que os especuladores acreditem em uma reversão de tendência. Como eles fazem as negociações focados na queda do mercado, é comum que operemos ativos de forma vendida.

Porém, quando há bear trap, a tendência de alta retorna e pode haver rompimento da resistência. Logo, o tradr que opera vendido passa a observar um prejuízo crescente diante da valorização do ativo.

Também pode existir a bear trap de suporte, que ocorre quando um ativo perde o suporte, brevemente. Entretanto, em vez de a queda continuar, há uma reversão de tendência — levando à alta.

Portanto, ambos os mecanismos formam armadilhas, especialmente entre quem realiza a especulação na bolsa de valores. Porém, funcionam de formas distintas e dependem de comportamentos opostos no mercado.

Como identificar o bull trap?

Para não sofrer as perdas que o bull trap pode gerar, é importante saber como identificá-lo. No entanto, a tarefa pode não ser tão simples. Isso acontece porque, apenas com base na análise técnica, a leitura voltada para a tendência de alta pode fazer sentido.

Portanto, é preciso identificar, por exemplo, se a resistência tem sido tocada muitas vezes, sem ser rompida. Caso ocorram diversos topos, mas nenhum rompimento, isso pode indicar uma força compradora que não é forte o bastante.

Também é interessante avaliar as condições de venda do ativo. Se ele for negociado de maneira sobrevalorizada, a tendência é que haja uma queda, devido à perda de força compradora.

O volume de negociação é outro sinal de uma bear trap. Se o volume for baixo ou não se mantiver na subida, o cenário pode indicar maiores chances de ocorrer a reversão — e não a subida, conforme o esperado.

Por que é preciso entender e identificar?

Conhecer o bull trap — em especial, no mercado de ações — é fundamental para evitar os riscos que ele pode trazer. Afinal, não será possível concluir a estratégia definida conforme planejado, exigindo análises para definir qual caminho seguir.

É possível, por exemplo, manter as ações compradas na carteira para não realizar o prejuízo. Porém, isso pode não ser adequado à estratégia. Por outro lado, há riscos de precisar vender ativos com preços menores — gerando perdas financeiras.

Em qualquer que seja a situação, a análise incorreta da tendência de mercado pode fazer com que perca a capacidade de aproveitar outras oportunidades melhores. Além disso, sua estratégia fica comprometida, já que não é possível alcançar os resultados previstos.

Como não cair em um bull trap?

Para evitar cair nessa armadilha, o primeiro passo é entender que somente a análise gráfica não é suficiente para operar. Você também precisará utilizar indicadores técnicos, como médias móveis, bandas de Bollinger e Índice de Força Relativa (IFR).

Ademais, é necessário conferir o volume de negociação. Aqui, a intenção é confirmar a tendência com outros elementos além de suporte e resistência. Assim, você conseguirá identificar com maior precisão se haverá uma continuidade de tendência rumo à alta.

Além disso, é preciso manter o controle sobre as próprias emoções. Com o mercado aparentemente em alta, você pode se sentir mais disposto a operar para aproveitar a oportunidade. Logo, sem controle emocional, há mais riscos de sua análise ser incorreta.

Após conferir esse artigo, você descobriu que o bull trap é um mecanismo que pode confundir sua análise e aumentar os riscos das operações na bolsa. Por isso, avalie os sinais de que ele está acontecendo e busque formas de confirmar a tendência de mercado antes de tomar uma decisão.

Gostou dessas informações? Complemente sua análise gráfica ao conhecer os principais indicadores técnicos para utilizar!

Investir em empresas estrangeiras não precisa ser difícil!

Baixe nosso e-book e saiba como ser sócio das gigantes internacionais: Amazon, Google, Apple, Facebook, entre outras!