Renova Invest Facebook

O que é e como funciona o underwriting?

underwriting
underwriting

Você conhece a expressão underwriting? Ela é utilizada no mercado financeiro para se referir a uma operação em que as empresas captam investimentos com uma intermediária. Esse procedimento tem regras bastante específicas que podem gerar dúvidas.

Afinal, o underwriting ainda é pouco conhecido entre os investidores, mas ele pode representar oportunidades interessantes no mercado financeiro. Por esse motivo, é interessante conhecer mais sobre esse processo.

Neste artigo, você saberá o que é e como funciona o underwriting, além de outras informações importantes sobre o tema. Vamos lá?

O que é underwriting?

A palavra underwriting vem da língua inglesa e significa subscrição, ou assinar em baixo. Ela se refere ao processo em que uma empresa ou mesmo o Governo Federal realiza a subscrição pública para captar recursos, por meio de uma empresa intermediária.

Assim, o underwriting serve para facilitar o lançamento de ativos no mercado. A instituição intermediária é chamada de underwriter ou de subscritora. Ela assume a responsabilidade de conectar a companhia ao acionista — ou potencial acionista.

Esse processo é regulamentado pelo Banco Central (BC) e oferece garantias aos investidores. Por se tratar de uma operação complexa e com alto capital, as underwriters podem se unir em consórcios, atuando em conjunto.

Como funciona a operação?

Agora que você já sabe o que é essa operação, é importante entender como ela funciona. Quando uma empresa ou o Governo tem interesse em realizar o underwriting, é preciso procurar a intermediária para oferecer os ativos no mercado.

A instituição emissora dos ativos se beneficia com a simplificação de um processo complexo, tendo menos exigências em comparação ao lançamento de ações na bolsa, por exemplo. Além disso, ela conta com a possibilidade de compartilhar os riscos da operação com a underwriter.

Em contrapartida, a subscritora tem a oportunidade de obter lucros com o processo. Mas essa empresa exerce funções importantes e aceita os riscos da operação. Assim, a underwriter deve conectar o emissor e os investidores, realizando a publicação da oferta e a negociação dos ativos.

Portanto, o underwriting funciona com algumas etapas:

  • a empresa ou o Governo contrata o underwriter para a emissão dos ativos;
  • são definidas as regras para o contrato e o tipo de procedimento a ser realizado;
  • a subscritora faz a análise de riscos e a definição dos preços;
  • os ativos são lançados no mercado.

Qual é o papel do underwriter?

Até aqui, você já entendeu que a underwriter exerce um papel fundamental nessa operação, não é mesmo? Mas é válido conhecer mais sobre a participação dessa empresa no procedimento. Para atuar como subscritora, a instituição deve ser classificada como uma dessas instituições:

  • banco múltiplo;
  • banco de investimento;
  • sociedade corretora e distribuidora.

Como as subscritoras assumem riscos na operação, elas realizam uma cuidadosa avaliação para aprovar o processo. Para isso, as instituições analisam a emissora e o mercado, com o objetivo de verificar a viabilidade da proposta e o tipo de underwriting a ser realizado.

Quais são os tipos de underwriting?

Como você viu, existem diferentes tipos de underwriting. Eles determinam as regras da operação e o nível de risco a ser compartilhado com a intermediária. Conheça cada um deles!

Underwriting melhores esforços ou best-effort

O tipo melhores esforços ou best-effort é caracterizado pelo menor comprometimento da subscritora. Ela emprega os melhores esforços no lançamento dos papéis e títulos no mercado, mas não se responsabiliza pela venda de todos os ativos.

Portanto, a intermediária tem o dever de realizar todo o procedimento da melhor forma, conforme as regras dos agentes fiscalizadores. Contudo, se nem todos os ativos forem vendidos, ela não tem a incumbência de subscrevê-los.

Underwriting residual ou stand by

No underwriting residual ou stand by existe um nível de responsabilidade maior para a subscritora. Nesse caso, além de empregar os melhores esforços para o lançamento, ela ainda pode optar por subscrever os ativos que não forem vendidos.

Dessa forma, após o prazo definido no contrato, a intermediária escolhe se pretende subscrever os ativos restantes ou se os devolverá ao emissor.

Underwriting firme ou straight

Por fim, o terceiro tipo de underwriting é o firme ou straight. Esse é o modelo que conta com mais comprometimento para a subscritora. Isso porque ela assume totalmente os riscos da oferta. Logo, todos os ativos são de sua responsabilidade — independentemente de serem vendidos ou não.

Portanto, a intermediária se incumbe dos riscos da operação, isentando o emissor. No entanto, o contrato pode contar com uma cláusula chamada market out. Ela exime a subscritora de responsabilidades em situações que prejudiquem a qualidade dos papéis ou títulos negociados.

Qual a diferença entre IPO e underwriting?

Uma dúvida frequente a respeito do underwriting é sobre a sua relação com a oferta pública inicial (IPO). O termo IPO é utilizado para indicar o lançamento dos papéis de uma empresa ou cotas de fundo na bolsa de valores. Para isso, o emissor deve se enquadrar nas normas do processo.

No caso do underwriting, quem faz o lançamento das ações é a empresa subscritora. Portanto, ela é que precisa se adequar às regras no lugar do emissor. Desse modo, o processo é uma alternativa para companhias que ainda não atendem aos requisitos mínimos para ingressarem na bolsa.

Por que é importante conhecer esse conceito?

Após conhecer mais sobre o underwriting, é válido saber qual a importância dele para os investidores. Apesar desse procedimento ainda ser pouco conhecido, ele pode representar oportunidades para alguns investidores.

Nesse sentido, o mercado financeiro conta com muitas alternativas para investir — e elas podem se adequar a diferentes perfis e objetivos. Com isso, entender processos como underwriting é um caminho para tomar decisões mais conscientes sobre seus investimentos.

Agora que você já sabe o que é o underwriting, pode avaliar se ele faz sentido para a sua estratégia. Na hora da escolha, não deixe de observar também o tipo de subscrição realizado, pois conhecer as responsabilidades da subscritora pode auxiliar no momento de analisar a viabilidade da operação.

Para entender mais sobre as oportunidades do mercado financeiro, você pode contar com a assessoria de investimentos. Entre em contato com a Renova Invest e saiba como!

 

Para saber mais sobre o mercado financeiro, acompanhe nossos conteúdos no YouTubeInstagram e LinkedIn!

Veja também:

Inscreva-se
Notificar-me de
Esse campo só será visível pela administração do site
botão de concordância
0 Comentários
Feedbacks
Visualizar todos os comentários

Utilizamos cookies que melhoram a sua experiência em nosso site. Todos seguem a nossa Politica de Privacidade. Clicando em "OK" você concorda com a nossa política.