Renova Invest Facebook

ETF FIND11: vantagens, desvantagens e análise de retorno

FIND11
FIND11

O ETF FIND11 é um dos investimentos mais práticos para aqueles que desejam ter exposição à renda variável com uma performance superior. Ao longo do tempo, esse ativo financeiro tem entregado uma rentabilidade bastante superior ao principal índice da bolsa brasileira, o Ibovespa.

No entanto, para avaliar se o FIND11 é um bom investimento, é importante entender em detalhes o que ele é, como funciona e quais são suas vantagens e desvantagens em relação a outras formas de investimento na bolsa.

O que é o ETF FIND11?

O ETF FIND11 é um Exchange Traded Fund negociado em quotas na bolsa que busca representar a rentabilidade do Índice Financeiro (IFNC), o índice do setor financeiro brasileiro. Sua carteira é composta por ações de bancos e seguradoras da bolsa brasileira.

A estratégia de possuir boa parte da carteira investida no setor financeiro é bastante difundida no Brasil e no mundo. Isso se deve ao fato de que os bancos e as seguradoras normalmente trabalham com margens altas e possuem maior potencial de geração de valor para os acionistas.

Warren Buffett, um dos maiores investidores de todos os tempos, é um exemplo de investidor que utiliza essa estratégia. Cerca de 45% do portfólio de ações de sua empresa Berkshire Hathaway está investido em empresas do setor financeiro.

Como o FIND11 funciona?

O ETF FIND11 funciona de maneira semelhante a um Fundo de Investimentos. Seu patrimônio é gerido por uma gestora profissional do mercado. No entanto, a gestão do ETF é passiva, ou seja, o recurso do fundo deve ser aplicado de acordo com uma metodologia de investimentos preestabelecida.

A alocação de capital do FIND11 acontece de acordo com a carteira teórica do índice do setor financeiro. O fundo investe 95% do capital em ações do Índice Financeiro (IFNC) e o peso de cada ação no índice é calculado de acordo com o valor de mercado disponível para negociação (“free float”).

A participação de cada empresa no índice não pode exceder 20% e a participação relativa de cada empresa no índice pode alterar ao longo do tempo por variações de preço. A carteira do fundo é ajustada a cada quatro meses, de acordo com a composição do índice.

Vantagens do FIND11

O ETF FIND11 possui diversas vantagens que o tornam um investimento atrativo. Algumas delas são:

1. Diversificação de ativos

Uma das principais vantagens do FIND11 e dos ETFs em geral é a diversificação que eles proporcionam. Ao investir no FIND11, o investidor está, na verdade, adquirindo um pacote composto por diversas ações de empresas do setor de intermediação financeira.

2. Rentabilidade atrativa

Desde o seu lançamento, o FIND11 tem obtido uma rentabilidade consideravelmente superior ao Ibovespa, o índice da bolsa brasileira. Isso se deve ao fato de que o setor financeiro trabalha com margens altas, tornando-se um dos mais rentáveis e lucrativos do mercado.

Essa característica histórica do setor tem resultado em uma consistente geração de valor para os cotistas do ETF, o que tende a se manter ao longo do tempo.

3. Taxas reduzidas

O FIND11 possui uma taxa de administração inferior em relação aos Fundos de Investimento, de apenas 0,6% ao ano. Isso se deve ao fato de que sua gestão é passiva, ou seja, não envolve um trabalho de análise e seleção de ativos de forma ativa.

Desvantagens do FIND11

Apesar das vantagens elencadas, é importante também conhecer as desvantagens do FIND11 para avaliar se esse ETF é adequado para o seu perfil de investidor. Algumas das desvantagens são:

1. Concentração setorial

O FIND11 apresenta uma concentração de ativos no setor financeiro, o que pode ser uma desvantagem para aqueles que desejam investir exclusivamente nesse ETF na parcela de investimento de renda variável.

Embora o ETF seja diversificado em termos de número de empresas, há uma concentração completa no setor financeiro brasileiro, que é o objetivo do fundo. Especialistas de investimentos costumam recomendar uma parcela de no máximo 35% da carteira para o setor financeiro, a fim de diluir o risco não sistemático desse setor.

Existem outros ETFs no mercado que são diversificados em número de empresas e em setores da economia, como o BRAX11, que representa a rentabilidade das 100 empresas mais negociadas na bolsa, o BOVV11, que replica o desempenho das empresas do índice Bovespa, o SPXI11, que performa de acordo com o desempenho das maiores empresas americanas, e o DIVO11, cujo desempenho está atrelado às maiores empresas pagadoras de dividendos.

2. Falta de análise fundamentalista

Uma das desvantagens do FIND11 é a falta de análise fundamentalista das ações que compõem o fundo. A gestão passiva do ETF não realiza um trabalho de análise aprofundada sobre as empresas investidas, o que pode resultar na incorporação de empresas mal geridas, sem vantagens competitivas e com um valuation esticado.

Essa falta de análise qualitativa das ações pode prejudicar consideravelmente a rentabilidade do ETF no longo prazo.

3. Existência de taxas

Apesar de possuir taxas de administração reduzidas em comparação com os Fundos de Investimento, o FIND11 ainda possui encargos que afetam a rentabilidade dos cotistas. Uma alternativa seria realizar aplicações individuais nos mesmos ativos do FIND11, seguindo a carteira teórica do índice de referência do ETF, o que evitaria a taxa de administração e ofereceria mais controle sobre os investimentos.

Vale a pena investir no FIND11?

Investir no ETF FIND11 pode ser uma excelente estratégia para quem busca exposição ao setor de intermediação financeira e deseja obter rentabilidade com uma diversificação de ativos. No entanto, é importante avaliar as desvantagens e considerar seu perfil de investidor antes de tomar uma decisão.

O FIND11 oferece vantagens como a diversificação, rentabilidade atrativa e taxas reduzidas. Por outro lado, apresenta desvantagens como a concentração setorial e a falta de análise fundamentalista das ações.

É fundamental realizar uma análise cuidadosa do ETF e do setor financeiro como um todo, além de considerar seus objetivos, prazo de investimento e tolerância ao risco. Caso prefira investir diretamente em ações em vez de investir em fundos e ativos de gestão terceirizada, é possível realizar a análise individual das empresas que compõem o FIND11.

Em suma, o ETF FIND11 pode ser uma opção interessante para diversificar a carteira de investimentos e obter exposição ao setor financeiro, mas é importante realizar uma análise completa antes de tomar qualquer decisão de investimento.

Veja também:

Inscreva-se
Notificar-me de
Esse campo só será visível pela administração do site
botão de concordância
0 Comentários
Feedbacks
Visualizar todos os comentários

Utilizamos cookies que melhoram a sua experiência em nosso site. Todos seguem a nossa Politica de Privacidade. Clicando em "OK" você concorda com a nossa política.