Busca de Artigos no blog

É o fim do real? Tire suas dúvidas sobre a moeda comum entre Argentina e Brasil

É o fim do real - Tire suas dúvidas sobre a moeda comum entre Argentina e Brasil
É o fim do real - Tire suas dúvidas sobre a moeda comum entre Argentina e Brasil

A visita de Luiz Inácio Lula da Silva ao presidente da Argentina, Alberto Fernández, deu o que falar. Os dois países discutem a criação de uma moeda comum sul-americana focada em transações comerciais e financeiras.

A medida foi formalizada na última segunda-feira (23) pelo presidente Lula e  a ação é parte de uma estratégia que visa o fortalecimento da integração regional com os países da América do Sul. A possibilidade gerou muitas dúvidas e para esclarecer alguns pontos, reunimos aqui as mais comuns.

1. Como funcionaria a moeda comum?

Os dois presidentes assinaram um artigo publicado no último domingo (22), no jornal argentino Perfil, declarando que irão avançar nos estudos para a criação de uma moeda sul-americana que seja comum para transações comerciais e financeiras. Uma das ideias é pensando em reduzir “custos operacionais e nossa vulnerabilidade externa”, escreveram.

O documento formalizado traz a criação de um grupo de trabalho com esse grande desafio nos próximos anos. O mesmo projeto contará com estudos para o lançamento de linhas de crédito de bancos privados e públicos para que importadores argentinos comprem produtos brasileiros.

2. O real brasileiro irá acabar?

De bate e pronto, a resposta é não. Nos moldes do que tem sido discutido, a possível moeda comum não acabaria com o real nem com o peso argentino. Isso significa que é muito diferente do euro, que é a moeda vigente em vários países da União Europeia.

A moeda comum seria formatada para ser usada em transações comerciais e financeiras entre os países, criando uma liberdade em relação ao dólar. Em resumo, as moedas nacionais seguiriam as mesmas, Brasil com o real e a Argentina com o peso.

3. Qual o objetivo de tudo isso? 

Mesmo com sua economia em estado crítico, a Argentina é um importante parceiro comercial para o nosso país. Porém, as trocas comerciais entre os países regrediram e para o governo Lula, essa perda de participação do Brasil foi ocupada pela China.

“[A importação da Argentina] está muito ruim e o problema é exatamente a divisa, né? Isso que a gente tá quebrando a cabeça para encontrar uma solução”, opinou o atual ministro da Fazenda, Fernando Haddad, em Buenos Aires.

Então, além de se proteger do dólar, um dos objetivos também seria aumentar asas exportações brasileiras para a Argentina.

4. A moeda comum é uma ideia nova?

Já tem um tempo que a criação de uma moeda comum ou até de uma moeda única (são conceitos diferentes) circula em discussão. Por exemplo, o ex-ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu a criação de uma moeda única para toda a América Latina.

Outro exemplo é que no ano passado, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e seu secretário-executivo, Gabriel Galípolo, escreveram um artigo com a sugestão do uso de uma moeda comum no comércio sul-americano, algo que ajudaria a fortalecer os países.

5. A implantação é imediata? 

Não. A implantação da moeda comum sul-americana não seria algo de imediato, e sim para daqui a alguns anos. A moeda comum ainda será discutida por um grupo de trabalho e aperfeiçoada. O projeto pretende começar com Brasil e Argentina e, depois, estender para os países da região.

Não perca tempo e aperfeiçoe seus conhecimentos, se inscreva no nosso canal do YouTube para explorar as melhores oportunidades de investimentos no mercado.

Ficou com alguma dúvida? Caso queria conhecer mais alternativas de investimentos, conte com a nossa assessoria! Entre em contato conosco, temos uma equipe preparada para ajudar você!

Veja também:

Inscreva-se
Notificar-me de
Esse campo só será visível pela administração do site
botão de concordância
1 Comentário
Feedbacks
Visualizar todos os comentários

Utilizamos cookies que melhoram a sua experiência em nosso site. Todos seguem a nossa Politica de Privacidade. Clicando em "OK" você concorda com a nossa política.