No dia 02 de março de 2021, foi apresentado o resultado da Aura (AURA33) para o 4T20 e a equipe de Equity Research da Eleven Financial Research já realizou a análise dos dados divulgados. Confira os pontos principais.

Resultados recordes com aumento da produção e valorização do ouro

De acordo com o relatório da Eleven, a Aura (AURA33) apresentou resultados recordes no 4T20, impulsionado por aumento da produção aliado à valorização do ouro. Entretanto, os resultados ficaram abaixo das estimativas da equipe.

Os destaques do período foram aumento da capacidade produtiva e resultados recordes.

No dia em que o relatório foi publicado, as ações AURA33 estavam sendo negociadas a R$ 53,65 e o valor de mercado era de R$ 3,8 bilhões.

Resultado Aura (AURA33) para o 4T20

Aura reporta receita recorde no 4T20

Conforme o relatório da Eleven, a Aura reportou resultados recordes no 4T20, devido ao aumento de produção aliados à valorização do ouro.

A produção da companhia atingiu 204 mil onças em 2020, resultado dentro do seu guidance de produção (de 200 e 210 mil onças) e atingiu um crescimento de +10% frente a 2019.

Apesar da queda de -2% no preço do ouro frente ao 3T20, a Aura reportou receita líquida recorde no 4T20 de US$ 100,6 milhões, alta de +12% e +44%, respectivamente, nas comparações de base trimestral e anual.

Maiores teores de ouro e aumento de capacidade

De acordo com a Eleven, os resultados da Aura foram impulsionados por aumento de produção, fruto de maiores teores de ouro em EPP (Brasil) e aumento de capacidade em Aranzazu (México).

Entretanto, o resultado veio abaixo das expectativas da equipe da Eleven, devido ao menor preço de venda das matérias-primas frente suas estimativas, à produção de Gold Road (Estados Unidos) abaixo das projeções da equipe e maiores custos em San Andres (Honduras).

O preço foi negativamente impactado pela maior participação de cobre no mix de venda da companhia frente ao que era esperado.

Por sua vez, a Gold Road declarou produção comercial no início de dezembro e atingiu uma produção inferior ao estimado devido ao teor por onça mais baixo em uma das áreas, enquanto a San Andres sofreu com chuvas acima da média no período e duas tempestades tropicais em outubro e novembro.

Aumento de +21% na produção das áreas comerciais

A produção das áreas comerciais atingiu 64,5 mil onças equivalentes, alta de +21% e +20%, respectivamente, nas comparações de base trimestral e anual, em seus quatro ativos produtores: Aranzazu, San Andres, EPP e Gold Road.

Essa alta da produção foi acompanhada por uma estabilidade no custo caixa frente ao 3T20 de US$ 739 por onça equivalente, de acordo com a Eleven.

Na comparação de base trimestral, a EPP (Brasil) teve redução de -15% no custo caixa devido ao maior teor por onça na mina Ernesto e aumento de +46% na produção.

Entretanto, essa melhora foi compensada pelo aumento de +19% no custo caixa de San Andres (Honduras) por causa de interrupções na produção devido aos furacões Eta e Iota, enquanto houve aumento nos custos da unidade para carregamento e transporte na mina.

Crescimento através de mais eficiência e expansão de ativos

Apesar do bom resultado, o ponto mais interessante da Aura é seu robusto plano de expansão para os próximos anos, segundo a Eleven.

A companhia anunciou seu guidance de produção para 2021 que estima uma produção entre 250 e 290 mil onças de ouro equivalente, crescimento entre +28% e +49% frente ao que foi produzido no ano de 2020.

Os maiores crescimentos de produção, além de Gold Road (que está em fase de início de operação), serão nas minas de San Andres e Aranzazu, que devem se consolidar como as maiores produtoras da companhia, responsáveis por 64% da produção total (32% cada).

Além dessa meta, a companhia estabeleceu uma meta de produção de 400 mil a 480 mil onças equivalentes de ouro para 2024, um impressionante crescimento entre +105% e +146% sobre a produção de 2020, apoiadas em conversão de novos depósitos, aumento de Aranzazu, Gold Road, desenvolvimento de Matupá, entre outros.

A tese positiva da equipe da Eleven sobre a Aura se baseia em sua perspectiva de crescimento através da melhora de eficiência e expansão dos ativos que já se encontram em operação e da entrada de novos ativos em seu portfólio.

No último trimestre, a companhia confirmou essa tese, aumentando a produção e eficiência operacional de forma geral e iniciando as operações em Gold Road, demonstrando a aderência da Aura ao cronograma de expansão.

EBITDA cresce no último trimestre

Conforme informa a Eleven, o EBITDA da Aura no 4T20 ficou em R$ 50,4 milhões. O número revela alta de +151% e +86%, respectivamente, nas comparações de base trimestral e anual. Por sua vez, a margem EBITDA da companhia ficou em 50,1% no período.

Lucro Líquido dispara, mas fica abaixo do esperado

Conforme o relatório da Eleven, o lucro líquido da Aura no 4T20 foi de R$ 57,6 milhões. Esse resultado representa alta +1415,3% e +93,7%, respectivamente, nas comparações de base trimestral e anual.

Entretanto, a equipe da Eleven projetava um lucro líquido de R$ 63,1 milhões no período, ou seja, ficou -8,8% abaixo das estimativas no 4T20.

Resultado Aura (AURA33) para o 4T20

Resultado Aura (AURA33) para o 4T20: Recomendações

Recomendação da Eleven Financial Research

A equipe de análise da Eleven sustenta sua tese positiva sobre a Aura (AURA33) baseada na perspectiva de crescimento da companhia através da melhora de eficiência e expansão dos ativos, contando com uma variedade de drivers de aumento de produção.

Assim, estabelece recomendação de compra, com preço-alvo em R$ 94,00.

Esta foi nossa apresentação da análise da equipe de Equity Research da Eleven Financial Research sobre o resultado da Aura (AURA33) para o 4T20. Acompanhe os conteúdos da Renova Invest para ter acesso a todas as análises de resultados trimestrais.

Disclaimer: As informações apresentadas neste artigo são provenientes de relatórios elaborados por terceiros. Esse material tem caráter puramente informativo, e não configura recomendação ou sugestão de investimento.