Timestamping no blockchain: o que é e como funciona?

Timestamping no blockchain: o que é e como funciona?

Uma das características mais marcantes do blockchain é a segurança com a qual ele permite o registro e a validação de dados. Algo que contribui para isso é o timestamping. Por isso, vale a pena saber o que ele é e como funciona.

Às vezes chamado de carimbo de tempo, essa funcionalidade contribui para a confiança do blockchain. A tecnologia possibilitou avanços como o surgimento das criptomoedas, mas ela vai além disso. Ela também tem sido empregada em diversos setores, de maneiras variadas.

Neste post, você entenderá o que é timestamping no blockchain, além de obter uma visão geral dessa tecnologia. Acompanhe!

O que é blockchain?

Antes de falarmos sobre o que é timestamping, é importante que você entenda o que é blockchain. Essa expressão pode ser traduzida como cadeia, ou corrente, de blocos. Trata-se de um sistema para registro de dados.

Assim que conjuntos de dados são inseridos na rede blockchain, eles são agrupados em blocos. Em seguida, é gerada uma hash, que é uma frase de segurança composta por uma sequência de caracteres.

Essa hash é gerada com base no conteúdo do bloco. Desse modo, a alteração de apenas um caractere nos dados armazenados resultaria em uma hash diferente. Por isso, podemos dizer que a hash é como uma impressão digital ou uma assinatura única.

No caso dos criptoativos, a validação da hash é feita por uma rede de computadores espalhados pelo mundo. Estes são os mineradores, cujos proprietários são recompensados com frações da criptomoeda que mineram.

Todas as máquinas têm acesso ao ledger, um arquivo contendo os dados das transações. Elas participam na validação dos dados, o que impossibilita a ocorrência de fraudes. Afinal, para alterar o conteúdo de um bloco, seria preciso que todos os computadores da rede validassem a alteração.

Qual é a relação entre blockchain e criptomoedas?

O blockchain geralmente é associada ao bitcoin e a outras criptomoedas. O motivo é que a tecnologia nasceu justamente para servir de base para o funcionamento do bitcoin.

Isso aconteceu em 2008, quando alguém com o pseudônimo de Satoshi Nakamoto vislumbrou um sistema de registro de informações diferente de tudo que o mundo já havia visto.

Ele criou uma maneira de descentralizar a confiança, a qual dependia de instituições. O blockchain seria, então, uma forma de validar algumas transações financeiras sem a participação dos bancos.

Desse modo, foram criados a tecnologia blockchain e o bitcoin. Mas ela tem sido aproveitada em diversos setores que precisam de segurança e transparência no registro de informações. Um desses é o próprio mercado financeiro, que tem usado a blockchain em outras aplicações.

O que é timestamping no blockchain?

No primeiro tópico, você entendeu que o blockchain gera uma hash para cada bloco de dados. Uma das informações que faz parte do bloco — e que influencia na geração da hash — é o timestamping.

Chamado também de carimbo de tempo, o timestamping visa registrar a data e a hora da transação. Assim, é um dos fatores que contribui para a segurança da blockchain.

Como funciona o timestamping?

Cada minerador é considerado um nó na rede blockchain, e vários deles participam na validação da hash. No processo, eles informam à rede o seu timestamp, ou seja, sua data e hora.

O timestamp é informado de acordo com o UTC (Coordinated Universal Time, ou Tempo Universal Coordenado), que é o horário de Londres, na Inglaterra.

Os nós da rede blockchain informam o seu timestamp, que não é exatamente igual em cada máquina. Logo, é calculado um valor mediano, o qual é inserido no bloco.

Depois, é feita uma conferência. O timestamp desse bloco deve ter um valor maior que a média dos 11 blocos anteriores. Ele também não pode ser maior que o UTC, com uma tolerância de duas horas. Do contrário, o timestamp não é aceito.

Esse processo de atribuição de data e hora a cada bloco, bem como de validação dessa informação, é chamado de timestamping. O timestamp gerado é inserido no bloco e considerado na geração da hash, e esta passa a fazer parte do próximo bloco.

Como você pode ver, essa cadeia de blocos é realmente complexa, sendo capaz de oferecer uma segurança impressionante.

Por que o blockchain é tão seguro?

O blockchain impossibilita eventuais tentativas de fraude, e isso se deve principalmente à participação de computadores espalhados pelo mundo. Como foi possível perceber, o processo envolve diversas etapas descentralizadas.

Portanto, não é possível alterar as informações de um bloco de dados, já que há máquinas fazendo validações o tempo todo. Mesmo que fosse possível enganar uma delas, as outras detectariam o problema e não permitiriam que a ação fosse concluída.

Desse modo, fica claro o motivo de a tecnologia blockchain ser útil em outros setores além do de criptomoedas. Ela oferece não só segurança, mas também transparência e confiança. Por isso, está sendo usada até por empresas e por Governos ao redor do mundo.

Como vimos, saber o que é timestamping permite entender melhor a segurança envolvida no blockchain. Principalmente se você pensa em incluir criptoativos na sua carteira de investimentos, vale a pena conhecer a tecnologia.

Quer continuar se informando sobre blockchain, criptomoedas e outros ativos do mercado financeiro? Assine a newsletter para receber por e-mail os conteúdos do nosso blog!

(Visited 16 times, 1 visits today)

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Deixe uma resposta


Mais Lidos

Postagens Relacionadas

Categorias

Utilizamos cookies que melhoram a sua experiência em nosso site. Todos seguem as regras da nossa Politica de Privacidade. Clicando em "OK" você concorda com a nossa política.