deságio
deságio

O que é o deságio nos investimentos?

Ao investir, geralmente buscamos estratégias para nos proteger de prejuízos. Por isso, até mesmo investidores arrojados costumam manter parte de seus recursos na renda fixa, por exemplo. Entretanto, em investimentos conservadores também pode acontecer o deságio.

Você já ouviu falar nesse termo? Pois saiba que é importante entendê-lo bem para evitar que ele leve a perdas nos seus investimentos.

Quer entender o que é desagio e como ele afeta os investimentos? Então, continue a leitura e saiba tudo sobre o assunto!

O que é deságio

Deságio é, de maneira simples, a diferença para menos entre o valor de tabela de uma mercadoria e o preço praticado. Podemos pensar em um exemplo prático. Imagine uma pessoa que esteja vendendo um carro.

Ela está precisando muito do dinheiro e não consegue encontrar ninguém disposto a pagar o preço que pediu inicialmente. Qual costuma ser a solução? Diminuir o preço. Com a redução no valor, as chances de encontrar um comprador aumentam.

Considerando o exemplo, a diferença de preço foi exatamente um deságio. Ou seja, o preço foi menor do que o valor anterior, decorrente do baixo interesse que o mercado tinha no bem.

Um conceito oposto ao de deságio é o ágio. Nesse caso, ele se refere ao aumento do preço. Por exemplo, é o caso quando alguém adquire um imóvel por determinado valor e vende mais caro. A pessoa teve lucro, pois vendeu com ágio.

O deságio nos investimentos

Agora que você sabe o que é deságio, talvez esteja se perguntando qual é a relação dele com os investimentos. Para compreender, é preciso pensar que investimentos são operações de compra e venda.

Um exemplo evidente são as Ações. Você pode acessar o home broker e comprar ou vender os papéis na bolsa de valores, a partir do preço praticado no momento. No caso, o preço é ditado pelos movimentos do mercado.

O que muitos investidores não sabem é que o deságio pode ser observado não apenas no mercado de Ações, mas também na renda fixa. Por exemplo, se você pretende vender uma cota de um Fundo de Renda Fixa, alguém precisa querer comprá-la.

Da mesma forma, se você tem um Título Público Federal e ainda não chegou o dia do resgate, precisará de um comprador para ele. Que tal pensar sobre como essa dinâmica pode causar deságio?

Deságio no Tesouro Direto

Os títulos públicos negociados no Tesouro Direto podem sofrer deságio. Suponha que as pessoas que aplicam no Tesouro Selic comecem a perder o interesse por ele. Isso pode acontecer pelo fato de a taxa que serve de referência para seu rendimento estar baixa.

Outro motivo seria uma falta de confiança decorrente da instabilidade econômica e política do país. Tais fatores poderiam levar os investidores a venderem seus Títulos. Como não há muitos interessados em comprar, a demanda seria menor do que a oferta.

Ou seja, existiriam mais pessoas querendo vender do que investidores desejando comprar. Nessa situação, é esperado que os preços caiam. Então, podemos ter um deságio.

Na verdade, a situação do exemplo é justamente o que tem acontecido no Brasil no segundo semestre de 2020. Se você tem observado seu título render negativo – especialmente títulos com o Tesouro IPCA+, é preciso ter em mente o seguinte: o deságio só terá efeito se o resgate for feito antes do vencimento.

Deságio em Ações

Os Títulos Públicos Federais não são os únicos investimentos que podem sofrer deságio. Podemos ver algo semelhante acontecer também no mercado de Ações. Inclusive, é possível aproveitar a situação para lucrar.

Suponha que uma empresa tenha acabado de abrir o capital na bolsa de valores. O preço inicial das Ações era R$10,00 mas, depois de alguns dias, elas estão sendo negociadas por R$8,00 sem nenhum motivo específico. Ou seja, os fundamentos da empresa permanecem o mesmo – e as ações, em tese, ainda têm o preço justo de R$ 10,00.

Nesse caso os papéis estão com deságio. Eles podem representar uma oportunidade de comprar mais barato e lucrar depois que o valor de mercado subir.

Tal princípio vale tanto para o pequeno investidor quanto para uma grande empresa que quer adquirir parte de outra. Esse tipo de deságio é bem conhecido na contabilidade e pode resultar em uma aquisição vantajosa.

Ágio e deságio não existem apenas em empresas que acabaram de abrir o capital. Podemos percebê-los também no valuation, que é uma forma de calcular o valor justo de uma companhia.

O cálculo permite entender o valor intrínseco de determinada companhia. Então, se o preço de mercado da Ação estiver menor do que seu valor intrínseco, ele estará em deságio — como se estivesse descontado. Se o preço estiver maior, há um ágio.

Vale destacar que o deságio nem sempre indica oportunidade. Ele pode ser sinal de que a empresa não tem qualidade e o mercado está diminuindo o preço dela. Uma Ação barata pode continuar se desvalorizando. Por isso, é importante entender o motivo do desconto.

Por que é importante entender o conceito de deságio

Depois de descobrir o que é deságio, você percebe a importância de entender o conceito? Ele pode ajudar o investidor de duas formas: fazer bons negócios e evitar perder dinheiro. Por que podemos dizer isso?

Veja a situação do Tesouro Direto. Se você tem dinheiro em títulos públicos e precisa resgatar antes do prazo final, o investimento pode apresentar um rendimento menor do que a taxa contratada.

Mas lembre-se de que a rentabilidade do momento só vai se concretizar se você resgatar o dinheiro. Caso seus recursos fiquem aplicados até o final do prazo combinado, você receberá normalmente a taxa contratada. Então, você pode se organizar para evitar esse tipo de situação.

É verdade que o deságio pode fazer você perder dinheiro. Mas conhecer o conceito possibilita se proteger dele e a encontrar por oportunidades no mercado. E diversificar investimentos pode ajudar nesse sentido. Assim, se precisar fazer um resgate, será possível evitar sacar onde há deságio.

Como você descobriu ao longo desse conteúdo, entender o que é o deságio pode fazer toda a diferença nos seus investimentos. No entanto, certifique-se de saber exatamente o que você está fazendo – especialmente em Ações. Assim, você evita investir em alguma empresa que esteja com resultados negativos ou perspectivas ruins.

E, antes de investir, sempre leve em conta seu perfil de investidor.

Gostou do conteúdo? Então, conheça nossas redes sociais para acompanhar mais dicas! Estamos no Facebook, no YouTube e no Instagram!

Compartilhe:

Deixe uma resposta


Utilizamos cookies que melhoram a sua experiência em nosso site. Todos seguem as regras da nossa Politica de Privacidade. Clicando em "OK" você concorda com a nossa política.